Relato de conhecida da médium - Espírito
-
Crianças e Adolescentes
DESAPARECIDOS
*

____Extraio estainformação de um precioso volumezinho de revelações_transcendentais, devido à mediunidade da Sra. E. B. Duffey, intitulado Heaven Revised. Seu valor pode ser deduzido do fato de que, em alguns anos, a obra atingiu a sua décima edição e foi recentemente publicada em forma popular, isto é, numa edição de enorme tiragem e a preço muito reduzido. A Sra. Duffey, que é de espírito muito cultivado, se tornou médium_escrevente e escreveu as mensagens de que se trata, quando apenas havia pouco tempo que se interessava pelas pesquisas mediúnicas, quando, por conseguinte, ainda nada lera, ou muito pouco, sobre doutrinas_espíritas. Convém insistir neste ponto, tanto mais quanto, nesta monografia, em que somente me ocupo com o grupo inicial das fases_da_vida_de_além-túmulo, não me será possível fazer ressaltar eficazmente o grande valor da circunstância de serem numerosos os médiuns que, como a Sra. Duffey, escreveram suas mensagens quando mal acabavam de iniciar-se nas novas pesquisas e, às vezes, quando ainda tudo ignoravam sobre o assunto. Com efeito, entre os médiuns autores de mensagens transcendentais concordantes com as de outros, alguns se encontram cuja mediunidade se revelou ao experimentarem escrever_automaticamente, em obediência a conselho de terceiras pessoas. Tudo isto leva logicamente a deduzir-se que, se também os médiuns improvisados, embora tudo ignorando, escrevem mensagens que concordam admiravelmente com as outras, no tocante à descrição dos detalhes fundamentais, dos detalhes secundários, dos relevos substanciais do meio e da existência espirituais, não se pode explicar o fato sem que se reconheça que tudo isso se produz porque as personalidades que se comunicam são efetivamente Espíritos de mortos e que, portanto, tiram suas descrições e seus informes de um meio real, permanente, objetivo, comum a todos.
____Depois deste preâmbulo, passo à reprodução de algumas páginas da narração ditada pelo Espírito que se comunicava e referente ao processus de sua desencarnação. Essa personalidade, no curso de sua existência terrestre, fora conhecida do médium. Era uma senhora distinta e de espírito muito culto, cujas opiniões foram, durante longo tempo, as de um livre-pensador, em matéria de religião, porém que se tornara espírita convencida nos últimos anos de sua vida. Eis o que ela escreve, falando de si mesma:

  • “Eu sabia que ia morrer, mas não temia a morte, não fremia a essa ideia. Desde muito tempo, os terrores da ortodoxia haviam perdido toda a eficácia para minha alma; sentia-me pronta a afrontar a inevitável crise com uma serenidade filosófica. Acrescentarei mesmo que havia alguma coisa de mais em meu estado d’alma, pois que me dispunha a observar e analisar, com o interesse de uma pesquisadora, a lenta aproximação do grande momento. Não queria perder essa suprema ocasião de adquirir conhecimentos psicológicos que escapam às investigações da Ciência. Conservei-me, pois, como espectadora impassível dos lentos progressos da minha agonia, esperando poder comunicar mais tarde, aos assistentes, minhas observações e prestar assim um último serviço à humanidade: o de dissipar o terror que a hora fatal produz em toda a gente.
  • Parecia que o meio terrestre se afastava em torno de mim; sentia-me como que a flutuar_fora_do_corpo, num desconhecido meio de existência. Não se deu comigo nada do que eu julgava dever experimentar durante a crise_da_morte. Assim, por exemplo, lera descrições interessantes acerca de uma espécie de “epílogo da morte”, que nasceria da mentalidade dos moribundos, em conseqüência do qual todos_os_acontecimentos_de_suas_vidas_lhes_passariam_diante_da_visão_subjetiva. Nada disso se verificou comigo: não me sentia atraída nem pelo passado, nem pelo futuro. Um só pensamento e um só sentimento me dominavam a consciência; os das pessoas que eu amava e das quais me ia separar. Entretanto, jamais me considerara uma mulher excessivamente terna; levava minha razão a dominar todas as impulsões e todas as emoções. Julgo até que esse domínio de mim mesma exerceu influência muito favorável sobre o rendimento eficaz da atividade de minha vida. Contudo, nessa hora suprema, a afeição me pareceu o cúmulo e a substância de tudo o que há de apreciável na existência...
  • Esse estado de vigília atenta sobre a aproximação da morte acabou por me esgotar e, pouco a pouco, uma suave sonolência me invadiu. Era mesmo tão suave, de tal modo me repousava que, no curso desse período de semi-inconsciência, que precede ao estado de inconsciência total, eu refletia sobre o fato de somente duas vezes na minha existência haver experimentado sensação análoga de sonolência deliciosa...
  • Despertei, experimentando quase um sentimento de remorso, como acontece quando alguém se apercebe de ter dormido demais, além das conveniências sociais. Esse despertar me pareceu ainda mais doce do que o período que precedera o sono. Não cuidava de abrir os olhos, permanecia a gozar daquela sensação de paz e de serenidade, que em vão desejara tantas vezes, no correr da minha existência tão provada. Como era delicioso! Que perfeito era aquele sentimento de paz! Oh! se ele pudesse durar eternamente! De toda sorte, sentia-me bem, o que me mostrava que, afinal de contas, ainda não estava a ponto de morrer. Teria então que me submeter de novo à antiga servidão, conhecer outra vez o aborrecimento, a inquietação da existência?
  • Súbito, ouvi algumas pessoas que conversavam à meia voz no quarto ao lado. Ouvindo, nitidamente, pela porta aberta, o que diziam, não lograva apanhar o sentido da conversação em que se achavam empenhadas. Porém, despertando mais, cheguei a perceber um dito que me prendeu a atenção, se bem não lhe ligasse muita importância. Eis a frase em questão:
    • – “Não duvido de que ela o fizesse com boa intenção; aliás, era tão excêntrica!”
    • A outra voz respondeu: – “Sim, muito excêntrica e também obstinada nos seus caprichos.”
    • A primeira replicou: – “Foi muito experimentada pela infelicidade, mas também cumpre se reconheça que foi quase sempre a causadora de seus próprios infortúnios. é o que acontece as mais das vezes.”
    • – “Sem dúvida. Por exemplo, sei perfeitamente...”
  • E seguiu-se a narrativa, grotescamente desfigurada, de alguns incidentes da minha vida.
  • Eu estava surpresa: falavam de mim e falavam empregando o verbo no imperfeito: “Ela era...” Que queriam dizer? Julgar-me-iam morta? Veio-me a ideia de que aquelas pessoas poderiam pensar mais tarde que eu fingia estar morta para lhes ouvir a conversação confidencial a meu respeito. Dei-me por isso pressa em chamar uma das minhas amigas, para lhe certificar que eu ainda vivia e me sentia muito melhor... Elas, porém, não se aperceberam do meu chamado e continuaram a conversar sem se interromperem. Chamei de novo, em voz mais alta, porém sempre em vão. Sentia-me tão bem de corpo e de espírito, que me decidi a lhes interromper as imprudentes apreciações, apresentando-me diante delas no outro quarto... Mas... que havia? Fiquei um instante presa de terror, ou de qualquer coisa semelhante. Que manequim era aquele que alguém deitara na minha cama, onde, entretanto, eu devera estar, muito gravemente enferma, o qual jazia rígido em meu lugar e com o rosto lívido, absolutamente idêntico a um cadáver no leito de morte? Eu o via de perfil; tinha os braços cruzados sobre o peito, as pernas rigidamente estendidas, as pontas dos pés viradas para cima. Sobre ele, um pano branco se achava desdobrado. Mas, coisa estranha! eu o distinguia igualmente debaixo do pano e reconhecia naquele manequim os meus traços! Meu Deus! Estava então realmente morta? Enorme sensação me assaltou, que parecia abalar-me no mais profundo da alma. Só então foi que todo o meu passado emergiu de um jato e me invadiu, como grande onda, a consciência. Tudo o que me haviam ensinado, tudo o que eu temera, tudo o que esperava com relação à grande passagem da morte e à existência espiritual se apresentou ao meu espírito com indescritível nitidez. Foi um momento solene e aterrador; porém, a sensação de terror se desvaneceu logo e só a solenidade grandiosa do acontecimento permaneceu...
  • De todo modo, no mundo dos Espíritos, como no dos vivos, o sublime acotovela não raro o ridículo, de maneira tão imediata, que basta dar-se um passo à frente, para se cair do solene no divertido, da dor na alegria, do desespero na esperança. Foi o que se produziu na minha primeira experiência em o mundo espiritual. Com efeito, não podendo prender a língua àquelas mulheres enredadeiras e maldizentes, tive que me resignar a ouvir todo o mal que diziam de mim. Assim foi que, pela primeira vez, tive que me contemplar a mim mesma, à claridade da luz em que me viam outros. Pois bem! a lição me foi instrutiva, embora houvesse eu transposto uma fronteira que tirava todo interesse aos acontecimentos mundanos. Aqueles conceitos maldizentes foram para mim comparáveis a um espelho convexo, colocado diante de minha visão espiritual, onde os defeitos do meu caráter eram exagerados e deformados do modo mais grotesco, pela convexidade do vidro que os refletia. Assim, a minha primeira lição espiritual recebi-a das minhas amigas vivas.
  • Logo que satisfizeram os seus instintos de enredo, as duas mulheres se levantaram, para virem mais uma vez contemplar a fisionomia da amiga que lhes morrera e cujo caráter haviam anatomizado com tanta crueldade. É ramos três a contemplar aquele cadáver, conquanto uma das três fosse invisível para as outras. E, como estas não percebiam a minha presença, desinteressei-me delas, para me absorver na contemplação do corpo inanimado, que fora meu. Observava-lhe o pálido aspecto, demudado pelos sofrimentos, e com a minha mão invisível procurava afastar da fronte os cabelos brancos que a cobriam, enquanto uma inefável piedade me oprimia a alma, ao pensar na sorte daquele corpo velho, do qual me sentia separado para sempre...
  • Estava então morta? Que estranha sensação a de uma pessoa saber-se morta e se sentir exuberante de vida! Como os vivos compreendem mal o sentido desta palavra. Estar morto significa estar animado de uma vitalidade diferente e extraordinária, de que a Humanidade não pode fazer ideia... Provavelmente, a morte se dera havia vinte e quatro horas: eu adormecera no mundo dos vivos e despertara no meio espiritual. Como é estranho! Só nesse momento foi que me lembrei, pela primeira vez, de que estava no meio espiritual! Até ali, meus pensamentos e minhas emoções se tinham conservado presos ao mundo dos vivos.
  • Mas, onde estavam os espíritos de tantas pessoas caras, que haviam transposto antes de mim a fronteira da morte? Esperava vê-las acorrendo a me darem as boas-vindas no limiar da morada celeste e a me servirem em seguida de conselheiros e guias. Não me preocupava o insulamento em que me achava e ainda menos me assustava; porém, experimentava um penoso sentimento de decepção e de desorientação. Em todo caso, esse estado d’alma não durou mais que um instante. Apenas formulara em meu espírito aqueles pensamentos, vi dissolver-se e desaparecer o quarto em que me encontrava e tudo o que ele continha e me achei, não sei como, numa espécie de vasta planície... Era indescritível a beleza da paisagem. Bela também é a paisagem terrena, mas a celeste é muito mais maravilhosa... Caminhava; entretanto, coisa singular, meus pés não tocavam o solo. Deslizava sobre este, como sucede nos sonhos...
  • Mas, onde estavam aqueles a quem eu amara? Onde estavam tantos amigos mortos, aos quais tão ligada estivera na Terra? Por que esse estado de insulamento da minha nova existência? Não tinha consciência de haver manifestado de viva voz meus pensamentos; todavia, como se alguém me houvesse escutado e se apressasse em me atender, vi diante de mim dois mancebos, cuja radiosa beleza excedia a tudo o que o espírito humano possa imaginar... Muitos anos antes, levara ao túmulo, com lágrimas de desesperada dor, dois filhinhos que adorava: um após outro. E muitas vezes, a chorar sobre as suas sepulturas, estendera os braços para frente, como se contasse reavê-los à morte que mos arrebatara. ó! meus filhos! meus filhos! Quanto os desejara!... Quando vi diante de mim aqueles mancebos radiosos, um instinto súbito e infalível me preveniu de que eles eram os meus filhinhos, que se haviam tornado adultos. Não hesitei um instante em os reconhecer. Estendi-lhes os braços, como fizera outrora na Terra, e dessa vez os apertei realmente ao peito! ó! meus filhos, meus filhos! Enfim tornei a encontrar-vos! ó! meus filhos, meus para sempre!...”

____É com real pesar que interrompo aqui a narrativa da entidade que se comunicava, narrativa que se torna de mais em mais interessante, quando se manifestam o pai e a mãe, os parentes, os amigos, assim como o “ Espírito-guia” da defunta. Porém, não podendo reproduzir tudo, limito-me a transcrever mais uma passagem do diálogo em que se explica por que motivo a personalidade da defunta que se comunicava permaneceu algum tempo na solidão, em o mundo espiritual. Ela pergunta ao “Espírito-guia”:

  • – Por que fui condenada a passar de um mundo a outro completamente só?
  • O Espírito guia: – “Condenada” não é o termo, minha querida amiga. Não estavas só. Assim te parecia, mas, na realidade, eu velava ansiosamente por ti, com muitos outros Espíritos de parentes e de amigos, aguardando o momento em que nos fosse possível manifestar-nos a ti. Para muitas almas de mortos a passagem do mundo dos mortais para o dos imortais é um período de crise moral muito dolorosa; esses seres imploram a assistência imediata dos entes caros que os possam confortar e animar, até ao momento em que se hajam familiarizado com o novo meio. Tu, porém, não eras uma alma como tantas outras. No curso das vicissitudes mais críticas da vida, preferiste sempre agir sozinha; encerraste constantemente no fundo da alma teus pensamentos, tuas meditações, o fruto da tua experiência, mesmo tuas emoções. Soubeste, com uma firmeza de heroína, encarar a morte. Ora, a um temperamento como o teu convinha que, no meio espiritual, se achasse num insulamento aparente, para melhor apreciar em seguida o valor da sociedade espiritual. Entretanto, desde que sentiste a necessidade da companhia e a desejaste com o pensamento, imediatamente nos achamos em condições de responder ao teu chamado.

____Estas explicações do “Espírito-guia” são teoricamente interessantes, porque constituem uma variante complementar de outra informação, que precedentemente discutimos e segundo a qual “os Espíritos inferiores” não poderiam perceber os superiores, dada a diferença existente na gradação das vibrações de seus respectivos “ corpos_etéreos” e, de maneira análoga, das vibrações de seus pensamentos. Mas, no caso que aqui consideramos, é preciso ver, antes de tudo, que razões de temperamento aconselharam o “Espírito-guia” da defunta a submetê-la a uma primeira experiência espiritual, consistente em lhe permitir conservar-se em condições de solidão temporária, no momento da desencarnação. Esta condição, aliás, se tornara possível, pelos sentimentos afetivos da morte, intensamente ligados ao meio onde ela vivera. Nesse estado, sua mentalidade, que ainda vibrava em uníssono com as vibrações específicas do meio terrestre, não chegava a perceber as vibrações infinitamente mais sutis do meio espiritual; por conseguinte, ela não percebia os Espíritos que se achavam ao seu derredor. Porém, desde que o seu pensamento se voltou para as coisas espirituais e vibrou assim em uníssono com o meio espiritual, ela viu desaparecer diante de si o mundo em que vivera e se encontrou, como por encanto, no meio espiritual. Logo que dirigiu o pensamento para os seus mortos queridos, colocou-os em situação de se lhe manifestarem; ou melhor, ela se achou em condições de os distinguir, por haverem seu pensamento e seu “corpo etéreo” aprendido a vibrar em uníssono com o mundo espiritual.

[106 - páginas 48 / 58] - Ernesto Bozzano - (Gênova, 9 de janeiro de 1862 - 24 de junho de 1943)

Ver também:
*