página acima: Desobsessão
Tratamento mediúnico
-
Crianças e Adolescentes
DESAPARECIDOS
*

____O tratamento mediúnico não segue uma regra única. Varia de acordo com a natureza dos casos e as condições psicológicas específicas dos pacientes. Deve sempre ser feito sob orientação_médica, mas de médico que tenha suficiente conhecimento da doutrina. Sem esse conhecimento, muitos médicos-médiuns extraviaram-se em práticas que a pesquisa espírita já demonstrou serem inúteis e portanto desnecessárias, servindo apenas para dar ao tratamento racional aspectos supersticiosos.

____Todo tratamento mediúnico deve ser gratuito, segundo a prescrição de Kardec, pois depende estritamente do auxílio espiritual. Os espíritos não cobram os seus serviços e não gostam que cobrem por eles. Por isso, deve ser realizado em instituições doutrinárias, em que médicos servem, como espíritas que possuem conhecimentos médicos, excluindo-se o profissionalismo. O serviço espírita é de abnegação, é o pagamento que médiuns e médicos fazem a Deus, através do sofrimento humano por eles aliviado, do muito que diariamente recebem do amparo divino. Os que não compreendem isso, deixando-se levar pela ganância, acabam fatalmente subjugados pelos espíritos inferiores.

____A pureza de intenções de médiuns e médicos é a única possível garantia da eficácia do tratamento mediúnico. Como assinalava Kardec, o desprendimento dos interesses terrenos é a primeira condição do interesse dos Espíritos Superiores pelo nosso esforço em favor do próximo.

http://www.espirito.org.br/portal/publicacoes/herculano/opd-07.html

José Herculano Pires

Em relação ao obsessor :

____Devemos compreender que se trata de um (...) ser que pensa e age movido por uma razão que lhe parece justa. (...)

____O principal mister deve ser o de concentrar no enfermo desencarnado (obsessor) as atenções, tratando-o com bondade e respeito, mesmo que se não esteja de acordo com o que faz.

____Conquistar para íntima renovação o agente infeliz, porquanto toda ação má procede de quem não está bem, por mais escamoteie e disfarce os sentimentos e o próprio estado (...).

____Evitar-se a discussão inoperante, forrado de humildade real, na qual transpareça o interesse amoroso pelo bem-estar do outro, que terminará por envolver-se em ondas de confiança e harmonia, de que se beneficiará, mudando de atitude em relação aos propósitos mantidos até então.

____O enfermo espiritual geralmente se comunica nas reuniões mediúnicas por meio da psicofonia, forma de mediunidade mais objetiva e produtiva para estabelecimento de diálogo entre os dois planos da vida.

____Na manifestação dos enfermos espirituais de qualquer natureza, inclusive os obsessores, alguns detalhes merecem ser destacados:

  • O manifestante apresenta sempre (...) as deficiências e angústias de que é portador, exigindo a conjugação de bondade e segurança, humildade e vigilância, no companheiro que lhe dirige a palavra.
  • (...) Natural venhamos a compreender no visitante dessa qualidade um doente, para quem cada frase precisa ser medicamento e bálsamo. Claro que não será possível concordar com todas as exigências que formule, no entanto, não é justo reclamar-lhe entendimento normal de que se acha ainda talvez longe de possuir.
  • Deve ser anulado (...) qualquer intento de discussão ou desafio com entidades comunicantes, dando mesmo razão, algumas vezes, aos Espíritos infelizes e obsessores, reconhecendo que nem sempre a desobsessão real consiste em desfazer o processo_obsessivo, de imediato, de vez que, em casos diversos, a separação de obsidiado e obsessor deve ser praticada lentamente. (...)
  • Quando a tentativa do diálogo revelar-se inoperante, deve ser praticada (...) a hipnose construtiva (...), no ânimo dos Espíritos sofredores comunicantes, quer usando a sonoterapia para entregá-los à direção e ao tratamento dos instrutores espirituais presentes, efetuando a projeção de quadros mentais proveitosos aos esclarecimentos, improvisando ideias providenciais do ponto de vista de reeducação, quer sugerindo a produção e ministração de medicamentos ou recursos de contenção em favor dos desencarnados que se mostrem menos acessíveis à enfermagem do grupo.
  • A escolha do médium que intermediará a manifestação do enfermo espiritual deve ficar a cargo dos orientadores espirituais, uma vez que conhecem o Espírito comunicante e as possibilidades psíquicas de cada médium. Assim, os esclarecedores encarnados (...) não devem constranger os médiuns_psicofônicos a receberem os desencarnados presentes, repetindo ordens e sugestões nesse sentido, atentos ao preceito de espontaneidade, fator essencial ao êxito do intercâmbio.
  • A reunião mediúnica de atendimento a sofredores assemelha-se à psico­terapia: deve ser vista como tratamento em grupo.
  • Todo trabalho de esclarecimento com o desencarnado deve ser conduzido para a parte essencial do entendimento, que é atingir o centro de interesse do Espírito preso a ideias fixas, para que se lhe descongestione o campo mental.
  • Os integrantes da reunião, sobretudo os dialogadores, deverão estar atentos aos problemas característicos dos Espíritos sofredores manifestantes: os desorientados —devido à recém-desencarnação -, os suicidas, os homicidas, os perseguidores e vingadores implacáveis; os que apresentam zoantropia, os vampirizadores etc...

____Desobsessão não se realiza sem a luz do raciocínio, mas não atinge os fins a que se propõe, sem as fontes profundas do sentimento.

[61 - página 261]

____Em relação ao grupos mediúnicos:

____Toda e qualquer tarefa, especialmente a que se destina ao socorro, exige equipe hábil adredemente preparada para o ministério a que se dedica.

____A equipe que se dedica à desobsessão — e tal ministério somente é credor de fé, possuidor de valor, quando realizado em equipe —, que a seu turno se submete à orientação das Equipes Espirituais Superiores, deve estribar-se numa série incontroversa de itens, de cuja observância decorrem os resultados da tarefa a desenvolver-se. Estes itens são os seguintes:

  • harmonia de conjunto, que se consegue pelo exercício da cordialidade entre os diversos membros que se conhecem e se ajudam na esfera do cotidiano
  • elevação de propósitos, a cujo programa cada um se entrega, em regime de abnegação, (...) do que decorrem os resultados de natureza espiritual, moral e física dos encarnados e dos desencarnados em socorro
  • conhecimento doutrinário, que capacita os médiuns e os doutrinadores, assistentes e participantes do grupo a uma perfeita identificação, mediante a qual se podem resolver os problemas e dificuldades que surgem, a cada instante, no exercício das tarefas desobsessivas
  • concentração, por meio de cujo comportamento se dilatam os registros dos instrumentos mediúnicos, facultando a sintonia com os comunicantes (...);
  • conduta moral sadia, em cujas bases estejam esculpidas as instruções evangélicas (...);
  • equilíbrio interior dos médiuns e doutrinadores, uma vez que, somente aqueles que se encontram com a saúde equilibrada estão capacitados para o trabalho em equipe. Pessoas nervosas, versáteis, susceptíveis, bem se depreende, são carentes de auxilio, não se encontrando habilitadas para mais altas realizações, quais as que exigem recolhimento, paciência, afetividade, clima de prece, em esfera de lucidez mental. Não raro, em pleno serviço de socorro aos desencarnados, soam alarmes solicitando atendimento aos membros da esfera física, que se desequilibram facilmente, deixando-se anestesiar pelos tóxicos do sono fisiológico ou pelas interferências da hipnose espiritual inferior.
    Não nos parece recomendável permitir a participação do enfermo encarnado nas reuniões mediúnicas, evitando o confrontamento com seu perseguidor, o que, por certo, lhe trará maiores transtornos.
    No entanto, se o obsidiado comparece subitamente à reunião, sem aviso prévio, é necessário que o discernimento do conjunto funcione, ativo.
    Na maioria dos acontecimentos dessa ordem, o doente e os acompanhantes podem ser admitidos por momentos rápidos, na fase preparatória dos serviços programados, recebendo passes e orientação para que se dirijam a órgãos de assistência ou doutrinação competentes. (...)
    Findo o socorro, breve, retirar-se-ão do recinto.
    ____O obsidiado, de qualquer natureza, deve receber o auxílio magnético-espiritual do passe e da água fluidificada.
    É necessária a aplicação dos recursos fluídicos, seja através do passe ou da água fluidificada, da oração intercessória com que se vitalizem os núcleos geradores de forças.
  • Solicitar a freqüência do irmão às reuniões públicas de estudo doutrinário para iluminação da sua consciência.
    ____Ouvindo essas explanações, criará um clima adequado à atuação dos benfeitores espirituais, em benefício próprio e no do seu perseguidor.
  • Atender ao obsidiado em dia e hora previamente especificados para que, por meio do diálogo fraterno, ele seja esclarecido sobre a necessidade de educar-se à luz do Evangelho.
  • Insistir junto a ele com afabilidade, pela transformação moral criando em torno de si condições psíquicas harmônicas, com o que se refará emocionalmente, estimulando-se a contribuir com a parte que lhe diz respeito.
  • Orientá-lo a participar das atividades de assistência social do Cento Espírita.
    Atraí-lo a ações dignificantes e de beneficência, com o que granjeará simpatias e vibrações positivas, que o fortalecerão, mudando o seu campo psíquico.
  • Estimular-lhe o hábito da oração e da leitura edificante, ao mesmo tempo trabalhando-lhe o caráter, que se deve tornar maleável ao bem e refratário ao vício.
    As mentes viciosas encharcam-se de vibriões e parasitas extravagantes, dementados pelo desdobrar dos excessos perniciosos.
    ____Em todos os casos de obsessão, a prece é o mais poderoso meio de que se dispõe para demover de seus propósitos maléficos o obsessor.
    (...) para assegurar a libertação da vítima, indispensável se torna que o Espírito perverso seja levado a renunciar aos seus maus desígnios; que se faça que o arrependimento desponte nele, assim como o desejo do bem (...). Pode-se então ter a grata satisfação de libertar um encarnado e de converter um Espírito imperfeito.
    ____O trabalho se torna mais fácil quando o obsidiado, compreendendo a sua situação, para ele concorre com a vontade e a prece.
  • A equipe de socorro espiritual do Centro Espírita deve avaliar se o obsidiado necessita ou não de trabalho_profissional_médico ou psicológico, concomitante ao atendimento espírita. Se a avaliação for favorável, esta deve ser sugerida ao doente.
    ____Caso já exista atendimento médico prévio, a equipe do Centro Espírita não deve alterar ou suprimir os medicamentos receitados, em nenhuma hipótese.

____Basicamente, este é o trabalho desobsessivo espírita; no entanto, sabemos que as imperfeições morais do obsidiado constituem, freqüentemente, um obstáculo à sua libertação.

[61 - página 263]

____Como a desobsessão é um trabalho árduo, que exige dos dirigentes e da equipe devotada a este gênero de atividade no Centro Espírita, muita paciência e amor ao próximo, bem como conhecimento doutrinário espírita e experiência no assunto, é importante que alguns requisitas sejam destacados, a fim de que a tarefa produza bons frutos:

  • dirigentes, médiuns e colaboradores dessa tarefa devem ser pessoas experientes tanto quanto conhecedoras e estudiosas da Doutrina Espírita;
  • Os responsáveis diretos pelo trabalho da desobsessão devem conhecer o processo obsessivo e saber analisá-lo com lucidez, para entenderem a trama em que obsessor e obsidiado estão envolvidos. É importante que remontem às causas que geraram a obsessão;
  • a família ou os amigos próximos do obsidiado devem ser envolvidos no processo de desobsessão
  • Os responsáveis por essa tarefa, após análise cuidadosa do caso, podem sugerir atendimento médico-psicológico, concomitante à desobsessão.

[61 - página 265]

LINKs:
http://www.curaespiritual.com.br/

 

Ver também:
*