página acima: Espírito
Segunda morte
-
Crianças e Adolescentes
DESAPARECIDOS
*

____Tenho acompanhado vários amigos à tarefa_reencarnacionista, quando, atraídos por imperativos de evolução e redenção, tornam ao corpo_de_carne. De outras vezes, raras aliás, tive notícias de amigos que perderam o veículo_perispiritual, conquistando planos mais altos. A esses missionários, distinguidos por elevados títulos na vida superior, não me foi possível seguir de perto.
____Informou o orientador de André Luiz:

  • Viste companheiros que se desfizeram do perispírito, rumo a esferas sublimes, cuja grandeza por enquanto não nos é dado sondar,
  • e observaste irmãos que se submeteram a operações_redutivas e desintegradoras dos elementos perispiríticos para renascerem na carne terrestre.

____Os primeiros são servidores enobrecidos e gloriosos, no dever bem cumprido, enquanto que os segundos são colegas nossos, que já merecem a reencarnação trabalhada por valores intercessores, mas, tanto quanto ocorre aos companheiros respeitáveis desses dois tipos, os ignorantes e os maus, os transviados e os criminosos também perdem, um dia, a forma perispiritual.
____Pela densidade da mente, saturada de impulsos inferiores, não conseguem elevar-se e gravitam em derredor das paixões absorventes que por muitos anos elegeram em centro de interesses fundamentais. Grande número, nessas circunstâncias, mormente os participantes de condenáveis delitos, imantam-se_aos_que_se_lhes associaram nos crimes. (Ver: Ovóides)

  • Se o discípulo de Jesus se mantém ligado a Ele, através de imponderáveis fios de amor, inspiração e reconhecimento,
  • Os pupilos do ódio e da perversidade se demoram unidos, sob a orientação das inteligências que os entrelaçam na rede do mal.

____Enriquecer a mente de conhecimentos novos, aperfeiçoar-lhe as faculdades de expressão, purificá-la nas correntes iluminativas do bem e engrandecê-la com a incorporação definitiva de princípios nobres é desenvolver nosso_corpo_glorioso, na expressão do apóstolo Paulo, estruturando-o em matéria sublimada e divina. Essa matéria, André, é o tipo de veículo a que aspiramos, ao nos referirmos à vida que nos é superior. Estamos ainda presos às aglutinações celulares dos elementos físio-perispiríticos, tanto quanto a tartaruga permanece algemada à carapaça. Imergimo-nos dentro dos fluidos carnais e deles nos libertamos, em vicioso vaivém, através de existências numerosas, até que acordemos a vida mental para expressões santificadoras.
____Somos quais arbustos do solo planetário. Nossas raízes emocionais se mergulham mais ou menos profundamente nos círculos da animalidade primitiva. Vem a foice da morte e sega-nos os ramos dos desejos terrenos; todavia, nossos vínculos guardam extrema vitalidade nas camadas inferiores e renascemos entre aqueles mesmos que se converteram em nossos associados de longas eras, através de lutas vividas em comum, e aos quais nos agrilhoamos pela comunhão de interesses da linha evolutiva em que nos encontramos.

[96 - página 85] - André Luiz

____ Os Espíritos declaram, ao demais, que uma espécie de “segunda morte” se verifica nas esferas espirituais, precisamente como se morre no mundo dos vivos, isto é, quando um Espírito tem chegado à maturidade espiritual, adormece e desaparece de seu meio, sem que os outros saibam o que foi feito dele. São, pois, levados, como nós, a fazer, sobre esse ponto, induções muito diferentes. Eis em que termos fala a respeito o Espírito Jorge Dawson, no livro da Sra. Dawson Scott, From Four who are Dead (página 126):

  • “Nossa existência na mesma esfera espiritual pode prolongar-se por muito tempo. Todavia, meu pai e minha mãe já deixaram o meio onde me encontro e penso que não tardarei a segui-los. Suponho que eles partiram porque a evolução espiritual de ambos atingira o grau máximo conciliável com a existência em nossa esfera.

____
____Sra. Dawson Scott
– Ignoras para onde eles foram?

  • O Espírito – Imagino que a razão por que se nos tornaram invisíveis é terem seus corpos_espirituais atingido o grau máximo de purificação, conciliável com as condições da nossa esfera de existência. Em outros termos: imagino que o fato é devido às minhas condições, que ainda não chegaram ao necessário grau de purificação.

____
____Sra. Dawson Scott
– Qual será a finalidade dessa longa e lenta evolução?

  • O Espírito – Uns pensam a este respeito de uma maneira, outros pensam diferentemente. Por mim, renuncio a essas especulações e vivo ditoso por entre as alegrias da hora presente.” (págs. 126-127).

[106 - páginas 133] - (Gênova, 9 de janeiro de 1862 - 24 de junho de 1943) - Ernesto Bozzano

____A passagem da mais elevada esfera_de_provação à mais baixa das esferas_de_contemplação é uma mudança análoga à que chamais morte. Essa vida de além nos é pouco conhecida, ainda que saibamos que os bem-aventurados que aí vivem...

  • têm o poder de nosauxiliar e nos guiar
  • tal como velamos porvós.

____Por experiência nada sabemos daquilo em que se ocupam, a não ser que uma ciência superior lhes permite melhor compreender a Divina Perfeição, apreender mais exatamente a origem das coisas e de adorar mais de perto o Supremo. Achamo-nos muito distanciados desse estado de bem-aventurança. Temos a nossa tarefa a desempenhar e nela trabalhando achamos as nossas delícias.
____
Lembrai-vos sem cessar de que os Espíritos falam segundo a experiência e o saber que possuem; alguns, interrogados sobre pontos abstratos, a que respondem conforme as suas capacidades, enganam-se . Não os censureis contudo.

[108 - página 48] - Médium: William Stainton Moses - (1839 - 1892)

____

  • Pergunta feita por Zair Cansado ao médium Francisco_Cândido_Xavier: São Paulo, não a cidade, mas o Santo, disse que só se morre uma vez. Como é possível aceitar como válida essa afirmativa e, ao mesmo tempo, a tese da Reencarnação?
  • Resposta:
    Os Amigos Espirituais nos recomendam confrontar os textos evangélicos, referentes ao estudo. Diz o Apóstolo Paulo, no versículo 27 do Cap. IX da Epístola dos Hebreus: “E assim como aos homens está ordenado morrerem uma só vez e, depois disto, o juízo.”, mas no versículo 54, do Cap. XV, da I Epístola dos Coríntios, ele mesmo exclama: “E quando este corpo corruptível se revestir de incorruptibilidade e o que é mortal se revestir de imortalidade, então se cumprirá a palavra que está escrita: “tragada foi a morte pela vitória”. Nossos benfeitores da Vida Maior nos asseguram que o Apóstolo Paulo, em declarando que o homem morre somente uma vez, se reportava ao homem ainda impregnado de animalidade, que as reencarnações aperfeiçoam e que, um dia, despido de toda imperfeição terrestre, se habilitará, em definitivo, para a imortalidade em plena luz.

[118 - questão 149] - EMMANUEL
Entrevista concedida ao jornalista Zair Cansado, em Uberaba, MG, a 16/3/72.

Ver também:
*