Raio X
página acima

-
Crianças e Adolescentes
DESAPARECIDOS
*

____Em 8 de novembro de 1895, o físico Wilhelm Conrad Rontgen (1845-1923), reitor da Universidade Wurzburg, na Alemanha, o acaso o ajudaria a descobrir os raios X. Rontgen pesquisava o tubo inventado por William_Crookes anos antes. Era um tubo de vidro, dentro do qual um condutor metálico aquecido emitia elétrons, então chamados raios_catódicos, em direção a outro condutor. Quando Rontgen ligou o tubo naquele dia, algo muito estranho aconteceu: perto do tubo. uma placa de um material fluorescente chamado platino cianeto de bário brilhou. O brilho persistiu mesmo quando Rontgen colocou um livro e uma folha de alumínio entre o tubo e a placa. Alguma coisa saia do tubo. atravessava barreiras e atingia o platino cianeto. No dia 22 de dezembro. fez a radiação atravessar por 15 minutos a mão da mulher Bertha, atingindo, do outro lado, uma chapa fotográfica. Revelada a chapa. viam-se nela as sombras dos ossos de Bertha. Na primeira radiografia da historia. Fascinado, mas ainda confuso, Rontgen decidiu chamar os raios de "X" - símbolo usado em ciência para designar o desconhecido. Passados l00 anos, não só o raio X deixou de ser obscuro como ajudou a clarear muita coisa para o olho e para a mente_humana. Sem ele não conheceríamos a estrutura das moléculas e não poderíamos ver as explosões que incendeiam o Sol. Também não teríamos informações importantes e curiosas sobre coisas tão diversas quanto o método de trabalho do pintor Van Gogh ou acredite - o torcicolo de múmias egípcias.

____Rontgen constatou que seus raios X projetavam sombra em filmes fotográficos e não podiam ser desviados por imãs. Percebeu que era algo parecido com a luz, ou seja, ondas_eletromagnéticas. Exatamente isso que são os raios X: ondas eletromagnéticas de comprimento muito curto, cerca de um milhão de vezes menor do que 1 milímetro, mais ou menos a distância que separa um átomo de outro num sólido.

____As técnicas de detecção de imagem por raios X evoluíram, claro, mas também encontraram limites. A radiografia comum nunca foi eficiente para visualizar tecidos moles (o fígado, os intestinos, o cérebro) que deixam a radiação passar quase completamente e não criam bons contrastes. A proeza só foi possível com a tomografia_computadorizada, uma superevolução do raios X, que rendeu um Nobel ao inglês Godfrey Hounsfield e ao americano Aflan Corrnack, em 1979. O paciente fica no interior de um grande anel que gira em torno dele. O anel emite e capta a radiação de muitos ângulos diferentes. O resultado equivale a cerca de 130 000 radiografias.

http://www.geocities.com/CapeCanaveral/7754/raio-x.htm

Links:

Ver também:
*