Qualidades dos médiuns
página acima: Médium
-
Crianças e Adolescentes
DESAPARECIDOS
*
  • Os bons Espíritos se comunicam mais ou menos voluntariamente por tal ou tal médium, segundo sua simpatia_por_seu_próprio_Espírito. O que constitui a qualidade de um médium não é a facilidade com a qual obtém as comunicações, mas sua aptidão de não receber senão as boas e não ser joguete de Espíritos_levianos_e_enganadores.
  • Os médiuns_que_deixam_muito_a_desejar, do ponto de vista moral, recebem algumas vezes muito boas comunicações, que não podem provir senão de bons Espíritos e das quais é errado se espantar; freqüentemente, é no interesse do médium e para lhe dar sábios avisos. Se não as aproveita, ele não é senão mais culpado, porque escreve sua própria condenação. Deus, cuja bondade é infinita, não pode recusar assistência àqueles que dela têm mais necessidade. O virtuoso missionário que vai moralizar os criminosos, não faz outra coisa que aquilo que fazem os bons Espíritos com os médiuns_imperfeitos. todo mundo, se servem do instrumento que têm sob a mão; mas o deixam quando encontram um que lhes é mais simpático e que aproveita suas lições. Retirando-se os bons Espíritos, os Espíritos_inferiores, pouco preocupados com as qualidades morais que os incomodam, têm então, o campo livre.
    Disso resulta que os médiuns imperfeitos moralmente, e que não se emendam, cedo ou tarde, são a presa dos maus Espíritos que, freqüentemente, os conduzem à ruína e às maiores infelicidades, mesmo neste mundo. Quanto à sua faculdade, bela que era e que teria ficado, se perverte primeiro pelo abandono dos bons Espíritos e acaba por se perder.
  • Os médiuns_mais_merecedores não estão ao abrigo das manifestações dos Espíritos_enganadores; primeiro, porque não há ninguém bastante perfeito para não ter um lado fraco pelo qual possa dar acesso aos maus Espíritos; em segundo lugar, os bons Espíritos o permitem algumas vezes para exercitar o julgamento, aprender a discernir a verdade do erro e desconfiar, a fim de que não se aceite nada cegamente, sem controle. Mas a mentira não procede jamais de um bom Espírito, e todo nome respeitável que assina um erro, é necessariamente apócrifo.
    Isso pode ainda ser uma prova para a paciência e a perseverança de todo espírita, médium ou não; aquele que se desencorajasse com algumas decepções, provaria aos bons Espíritos que não poderiam contar com ele.
  • Não é mais espantoso ver maus Espíritos obsidiarem pessoas respeitáveis, do que não é surpreendente ver pessoas más seobstinarem sobre a Terra contra os homens de bem.
    É notável que, depois da publicação de O Livro dos Médiuns, os médiuns obsidiados são muito menos numerosos, porque, estando prevenidos, eles se mantêm em guarda e espreitam os menores sinais que podem trair a presença de um Espírito enganador. A maioria daqueles que são obsidiados, ou não estudaram previamente ou não aproveitaram os conselhos.
  • O que constitui o médium, propriamente dito, é a faculdade; a esse respeito ele pode ser mais ou menos formado, mais ou menos desenvolvido. O que constitui o médium seguro, aquele que se pode Verdadeiramente qualificar de bom médium é a aplicação da faculdade, a aptidão de servir de intérprete aos bons Espíritos. Toda a faculdade à parte, o poder do médium para atrair os bons Espíritos e repelir os maus, está em razão da sua superioridade moral; essa superioridade é proporcional à soma das qualidades que faz o homem de bem; com ela ele se concilia na simpatia dos bons e exerce ascendência sobre os maus.
  • Pela mesma razão, a soma das imperfeições morais do médium o aproximam da natureza dos maus Espíritos, lhe tira a influência necessária para os distanciar; àqueles, em lugar de ser ele quem seimpõe são aqueles que se impõem a ele . U aos médiuns, mas a todas as pessoas, que não há nenhuma que nãoreceba a influência dos Espíritos.
  • Para se imporem ao médium, os maus Espíritos sabem explorar habilmente todos os defeitos morais; aquele que lhes dá maior acesso é o orgulho, sentimento que domina no maior número de médiuns_
    obsidiados, sobretudo naqueles que são fascinados. É o orgulho que os leva a acreditarem na sua infalibilidade, e a repelir os avisos. Esse sentimento, infelizmente, é excitado pelos elogios do qual são objeto; quando eles têm uma faculdade um pouco transcendental, são procurados, adulados e, acabando por crer em sua importância, consideram-se indispensáveis, sendo isso o que os perde.
  • Enquanto o médium imperfeito se orgulha dos nomes ilustres, o mais freqüentemente apócrifos, que levam as comunicações que ele recebe, e se considera intérprete privilegiado das forças celestes, o bommédium não se crê jamais bastante digno de tal favor, tendo sempre uma salutar desconfiança da qualidade daquilo que recebe, não se confiando ao seu próprio julgamento; não sendo senão um instrumento passivo, ele compreende que, se é bom, não pode disso fazer um mérito pessoal, não mais do que pode ser responsável se é mau, e que seria ridículo acreditar na identidade absoluta dos Espíritos que se manifestam por ele; deixa a questão ser julgada por terceiros desinteressados, sem que seu amor-próprio tenha mais a sofrer com um julgamento desfavorável do que o ator que não é passível da censura infligida à peça da qual é intérprete. Seu caráter distintivo é a simplicidade e a modéstia; é feliz com a faculdade que possui, não para dela se envaidecer, mas porque lhe oferece um meio de ser útil, o que faz voluntariamente quando lhe surge a ocasião, sem jamais melindrar-
    ____Os médiuns são os intermediários e os intérpretes dos Espíritos; cabe, pois, ao evocador, e mesmo ao simples observador, poder apreciar o mérito do instrumento.
  • A faculdade_medianímica é um dom de Deus, como todas as outras faculdades, que se pode empregar para o bem, como para o mal, e da qual se pode abusar. Ela tem por objeto nos colocar em comunicação direta com as almas daqueles que viveram, a fim de receber seus ensinamentos e nos iniciar na vida_futura. Como a vista nos põe em comunicação com o mundo visível, a mediunidade nos coloca em comunicação com o mundo invisível.

    • Aquele que dela se serve com um fim útil, para seu próprio adiantamento e o dos seus semelhantes, cumpre uma verdadeira missão, da qual terá a recompensa.
    • Aquele que dela abusa e a emprega em coisas fúteis ou no objetivo do interesse material, a desvia do seu fim providencial, suportando disso, cedo ou tarde, as conseqüências, como aquele que faz um mau uso de uma faculdade qualquer.

Allan Kardec

[78 - Qualidade dos médiuns]

____
____Há variantes de mediunidade e há diversos modos pelos quais se exerce a influência do Espírito.

  • Certas pessoas são escolhidas unicamente pelas particularidades físicas que fazem delas veículos bem preparados do poder espiritual; a sua organização corpórea é adaptada com o fim de manifestar exteriormente a influência espiritual sob a sua forma mais simples. Não são inspiradas mentalmente, e as informações que fossem dadas pelos Espíritos que delas se servem não mereceriam confiança alguma; são empregados como meios demonstrativos do poder do Espírito, para obedecer ao agente invisível exteriormente capaz de produzir fenômenos objetivos. Essas pessoas vos são conhecidas como os instrumentos através dos quais os fenômenos elementares se manifestam. O trabalho delas não é menos significativo do que o produzido por outros, quando se incumbem da fundação da crença. (Ver: Manifestações_físicas)
  • Algumas pessoas são escolhidas por causa da natureza meiga e amável que possuem; não são utilizadas em nenhum ato físico, fenomênico; muitas vezes não estão mesmo em comunicação consciente com o mundo espírita, mas recebem a direção espiritual, as suas almas meigas e puras são cultivadas, aperfeiçoadas por cuidados angelicais. Conseguem, por gradações, receber conscientemente as comunicações das esferas, onde lhes é dado ser bastante clarividentes para perceber alguns aspectos da sua futura morada. Um Espírito amigo e afeiçoado é atraído por elas, que são assim instruídas por impressão e guiadas dia a dia. São as almas ternas envoltas em uma atmosfera de paz, de pureza e amor; vivem no mundo para nele dar um brilhante exemplo e passam em plena madureza às esferas de repouso e de serenidade para as quais a sua vida terrestre as preparou. (Ver: Manifestações inteligentes)
  • Outras ainda são intelectualmente cultivadas e prontas a oferecer ao homem um conhecimento mais lato e as ideias mais amplas para se aproximarem da verdade. Os Espíritos adiantados influenciam sobre seus pensamentos, sugerem ideias, fornecem os meios de adquirir o saber e de comunicá-lo à Humanidade. (Ver: Intuitivos)

____Os meios pelos quais os Espíritos exercem a sua influência sobre os homens são tão numerosos quão variados. Por meios ignorados de vós, os acontecimentos são arranjados de maneira a conduzir ao fim que eles têm em vista. A tarefa mais difícil para nós é escolher um médium pelo qual as comunicações de Espíritos elevados possam tornar-se públicas.
____O médium deve ter faculdades receptivas, pois não podemos inocular em seu cérebro maior número de informações do que as que pode receber; além disso, ele deve afastar-se de estultos preconceitos mundanos, convindo que tenha retificado os erros da sua mocidade e provado que pode aceitar uma verdade, ainda que seja impopular.
____Ainda mais, ...

  • deve estar livre do dogmatismo_teológico e de ideias sectárias preconcebidas;
  • não deve estar sob a influência de noções terrestres, nem permanecer ligado à enganadora ilusão de que ele sabe, pois isso é ser ignorante da sua própria ignorância;
  • deve manter uma alma livre e pesquisadora, que queira saber progressivamente e que tenha a percepção da verdade de além-túmulo, que acredite não se poder deixar de aspirar à verdade.

____Enfim, a nossa obra não deve ser desfigurada pela asserção pessoal de um antagonista, ou pelas intenções interesseiras de um louco orgulho; com tais indivíduos só podemos procurar destruir gradualmente o egoísmo e o dogmatismo que os cegam. Desejamos para o nosso trabalho uma inteligência capaz, ardente, pesquisadora e amante da verdade impessoal.

  • Dissemos com acerto que era difícil encontrar uma tal individualidade entre os homens?
  • Isso, na verdade, é quase impossível.

____Tomamos então o que podemos encontrar de melhor, e por solicitude constante o preparamos para a obra designada; inspiramos-lhe a noção do amor e da tolerância pelas opiniões contrárias às suas próprias disposições mentais. Isso o elevará acima dos preconceitos dogmáticos e o preparará para descobrir que a verdade múltipla e variada não é propriedade de ninguém. Uma grande provisão de saber é dada à alma que pode recebê-la. Uma vez solidamente estabelecido o alicerce, a superestrutura se elevará sem perigo. As opiniões e o tom do pensamento são lentamente formados até que fiquem em harmonia com o fim a que visamos.

  • Muitos e muitos caem aí e nós os abandonamos, persuadidos de que nesse planeta não podem receber a verdade. Imbuídos de antigos preconceitos, aterrados aos artigos dogmáticos, não podem servir-nos.

____As sólidas conseqüências do nosso ensinamento são uma perfeita veracidade unida a uma ausência de temor e de ansiedade. Conduzimos a alma a entregar-se confiante e tranqüila a Deus e aos seus instrutores espirituais e dispomo-la a esperar com paciência o que nos é permitido fazer ensinar. Esse estado de espírito é inteiramente oposto à agitação confusa e lastimosa que manifestam muitos seres. Sobre esse ponto ainda, muitos dentre eles se afastam amedrontados e assaltados de dúvidas. A velha teologia lhes ensinou a conhecer um Deus que espreita a sua queda, um demônio que perpetuamente lhe arma ciladas, e eles então se assustam da novidade do nosso ensino, pois os seus amigos falam do Anticristo. Os antigos alicerces são abalados; as novidades não são edificadas; os adversários penetram e tentam a alma vacilante, que teme, distancia-se e torna-se-nos então inútil. Demais, perseguimos o egoísmo sob todas as suas formas, pois nada há mais completamente fatal à influência espiritual do que a preocupação de si mesmo, da sua própria satisfação, a presunção, a arrogância e o orgulho.

____A inteligência deve ser subordinada, do contrário não podemos agir;...

  • se ela é dogmática, torna-se inutilizável;
  • se é arrogante e egoísta, impede-nos a aproximação.

____A abnegação é a virtude que mais ornou os sábios e os santos de todos os tempos. Os videntes que, no longínquo passado, transmitiam a comunicação das verdades progressivas, úteis à sua geração, eram homens que se esqueciam de si mesmos para se devotarem à sua missão.
____Aqueles que falavam aos judeus eram homens muito desprendidos de si próprios, puros e sinceros nos atos de sua vida. Jesus deu o magnífico exemplo do mais completo esquecimento de si; viveu entre vós, unicamente devotado, agindo sempre para aliviar, esclarecer e instruir; sacrificou-se até à morte, pela verdade. Ele nos oferece o mais puro modelo que a História cita; a sua existência dá testemunho do que é possível ao homem. Aqueles que depois combateram o erro e espalharam pelo mundo os raios de verdade foram homens de desapego, ardentemente devotados a uma tarefa para a qual sabiam ter sido escolhidos. Sócrates e Platão, João e Paulo, mensageiros da verdade, pregoeiros do progresso, eram almas despidas de egoísmo, desdenhando as vantagens pessoais, não procurando pompas nem grandezas. Possuíam no mais alto grau o ardor e a unidade de intenção, o devotamento à sua missão, o esquecimento de si próprios e dos seus interesses; de outro modo não teriam cumprido a sua tarefa e o egoísmo os teria dominado. A humildade, a sinceridade e o entusiasmo ardente os conduziram.
____Eis o caráter que procuramos. É raro, tão raro quão belo. Procura, amigo, o espírito do filantropo amante, tolerante, disposto e pronto a dar o auxílio necessário. Ajuda a abnegação do servidor de Deus, daquele que faz o seu serviço sem procurar recompensa. Para um tal caráter, o santo e nobre trabalho é possível, pois velamos por ele com meticuloso cuidado; os anjos do Pai lhe sorriem e o cercam e protegem contra o mal.
____Não se trata de um caráter perfeito. Não tendes nenhuma concepção do que é um Espírito perfeito; nem sequer podeis concebê-lo, do mesmo modo que não sabeis como a alma fiel absorve o ensinamento espiritual e torna-se cada vez mais semelhante ao seu mestre. Não podeis ver, como nós, o crescimento gradual da semente plantada e cuidada por nós à custa de penoso labor. Somente deveis saber que quanto mais a alma progride em virtudes amorosas, mais bela e mais digna de ser amada se torna. O caráter que tentamos incompletamente esboçar, em termos inteligíveis para vós, não é perfeito, mas apenas uma vaga pintura do que ele se tornará. O que chamais perfeito é maculado, ofuscado por faltas percebíveis pela visão espiritual.
____Mas desses só muito poucos podem ser encontrados. Poucos ou mesmo nenhum, salvo em gérmen. Não procuramos a perfeição; desejamos apenas a sinceridade com o vivo desejo de aperfeiçoamento; enfim, um espírito livre, receptivo, puro e bom; esperai com paciência, porquanto a impaciência é uma falta terrível. Evitai o excesso de pesquisa ansiosa e deixai conosco as coisas que não podeis examinar. Refleti a sós sobre o que vos dizemos.

[108 - página 62 / 67] - Médium: William Stainton Moses - (1839 - 1892)

Ver também:

*