página acima: Escrevente intuitivo
Psicografia intuitiva
-
Crianças e Adolescentes
DESAPARECIDOS
*

____Relato, feito por André Luiz (espírito) , a respeito de uma psicografia intuitiva ocorrida num grupo de, aproximadamente, onze pessoas que participavam de uma reunião mediúnica. A médium Eulália era a que mais se aproximava do tipo necessário para se comunicar com o espírito de um médico que pretendia se manifestar, conforme segue:

____" ...No entanto, o nosso amigo médico não encontra na organização psicofísica da médium elementos afins perfeitos:

  • nossa colaboradora não se liga a ele através de todos os seus centros perispirituais
  • não é capaz de elevar-se à mesma freqüência_ de vibração em que se acha o comunicante
  • não possui suficiente espaço interior para comungar-lhe as ideias e conhecimentos
  • não lhe absorve o entusiasmo total pela Ciência, por ainda não trazer de outras_existências, nem haver construído, na experiência atual, as necessárias teclas evolucionárias, que só o trabalho sentido e vivido lhe pode conferir.

____Eulália manifesta, contudo, um grande poder o da boa vontade criadora, sem o qual é impossível o início da ascensão às zonas mais altas da vida. É a porta mais importante, pela qual se entenderá com o médico desencarnado. Este, a seu turno, para realizar o nobre desejo que o anima, vê-se compelido, em face das circunstâncias, a pôr de lado a nomenclatura oficial, a técnica científica, o patrimônio de palavras que lhe é peculiar, as definições novas, a ficha de renome, que lhe coroa a memória nos círculos dos conhecidos e dos clientes. Poderá identificar-se com Eulália para a mensagem precisa, usando também, a seu turno, a boa vontade; e, adotando esta forma de comunicação, valer-se-á, acima de tudo, da comunhão mental, reduzindo ao mínimo a influência sobre os centros neuropsíquicos; é que, em matéria de mediunismo, há tipos idênticos de faculdades, mas enormes desigualdade nos graus de capacidade receptiva, os quais variam infinitamente, como as pessoas ...

____... Calderaro, o orientador espiritual, faz uma observação: todas as pessoas, participantes da reunião, em posição receptiva estão absorvendo a emissão mental do comunicante (do médico), cada qual a seu modo ...

____...Circulei a mesa e vi que os raios de força positiva do mensageiro (do médico) efetivamente incidiam em oito pessoas. Reconheci que o tema central do desejo formulado por nosso amigo, no tocante ao projeto de assistência aos enfermos, alcançava o cérebro dos que se conservavam em atitude passiva; na tela animada de concentração de energias_mentais, cada irmão recebia o influxo sugestivo, que de logo lhes provocava a livre associação dos psicanalistas.

____Fixei as particularidades com atenção.

____Ao receberem a emissão de forças do trabalhador do bem (do médico),

  • um cavalheiro recordou comovente paisagem de hospital
  • Outro rememorou o exemplo de uma enfermeira bondosa que com ele travara relações
  • Outro abrigou pensamentos de simpatia para com os doentes desamparados
  • duas senhoras se lembraram da caridosa missão de Vicente de Paulo
  • a uma velhinha acudiu a ideia de visitar algumas pessoas acamadas que lhe eram queridas;
  • um jovem reportou-se, em silêncio, a notáveis páginas que lera sobre piedade fraternal para com todos os semelhantes afastados do equilíbrio físico.

____Examinei também as três pessoas que se mantinham impermeáveis ao serviço benemérito daquela hora. Duas delas contristavam-se por haver perdido uma sessão cinematográfica, e a outra, uma senhora na idade provecta, retinha a mente na lembrança das ocupações domésticas, que supunha imperiosas e inadiáveis, mesmo ali, num círculo de oração, onde devera beneficiar-se com a paz.

____Somente Eulália recebia o apelo do comunicante com mais nitidez. Sentia-se ao seu lado: envolvia-se em seus pensamentos; possuía-se, não só de receptividade, mas também de boa disposição para servi-lo.

____Decorridos alguns minutos de expectativa e de preparo silencioso, a mão da médium, orientada pelo médico e movida em cooperação com os estímulos psicofísicos da intermediária, começou a escrever, em caracteres irregulares, denunciando o natural conflito de <<dois cosmos psíquicos>> diferentes, mas empenhados num só objetivo — a produção de uma obra elevada.

____Mais alguns momentos, e fazia-se a leitura do pequeno texto obtido. O comunicado era vazado em forma singela, como um apelo fraternal:

  • Meus irmãos — escrevera o emissário —, que Deus nos abençoe.
  • Identificados na construção do bem, trabalhemos na assistência aos enfermos, necessitados de nosso concurso entre os longos sofrimentos da provação terrestre, O serviço pertence à boa vontade unida à fé viva. E a sementeira reclama trabalhadores abnegados, que ignorem cansaço, tristeza e desânimo.
  • Sigamos para a frente.
  • Cada pequenina demonstração de esforço próprio, nas realizações da caridade, receberá do Senhor a Divina Bênção.
  • Aprendamos, pois, a socorrer nossos amigos doentes. Através de espessa noite de dor, sofrem e choram, muita vez em pleno abandono.
  • Não vos magoará a contemplação de tal quadro? Lembremo-nos dAquele Divino Médico que passou, no mundo, fazendo o bem. DEle receberemos a força necessária para progredir. Estará conosco na grande jornada de comiseração pelos que padecem.
  • Fiamos em vós, em vossa dedicação à causa da bondade evangélica.
  • A estrada será talvez difícil e fragosa; entretanto, o Senhor permanecerá conosco.
  • Prossigamos, intimoratos, e que Ele nos abençõe agora e sempre.

____O comunicante assinou o nome, e, daí a alguns minutos, encerravam-se os serviços espirituais da noite.

____O presidente da sessão, seguido pelos demais companheiros, iniciou o estudo e debate da mensagem. Concordou-se em que era edificante na essência, mas não apresentava índices concludentes da identificação individual; não procedia, possivelmente, do conhecido profissional que a subscreve­ra; faltavam-lhe os característicos especiais, pois um médico usaria nomenclatura adequada, e se afastaria da craveira comum.

____E a tese_animista apareceu como tábua de salvação para todos. Transferiu-se a conversação para complicadas referências ao mundo europeu; falou-se extensamente de Richet e do metapsiquismo internacional; Pierre Janet, Charcot, De Rochas e Aksakof eram a cada passo trazidos à balha.

____O comunicante, em nosso plano de ação, o médico, dirigiu-se, desapontado, ao meu orientador e comentou: — Ora essa! jamais desejei despertar semelhante polêmica doméstica. Pretendemos algo diferente. Bastar-nos-ia um pouco de amor pelos enfermos, nada mais.

____Calderaro sorriu, sem dizer palavra, e evidenciando preocupação em objetivo mais importante, acercou-se de Eulália, entristecida.

____A médium ouvia as definições preciosas com irrefreável amargura.

____Turvara-se-lhe a mente, agora, empanada por densos véus de dúvida. A argumentação em curso nublava-lhe o entendimento. Marejavam-se-lhe os olhos de lágrimas, que não chegavam a cair.

____Abeirando-se dela, o instrutor falou-me, bondoso: — Nossos amigos encarnados nem sempre examinam as situações pelo prisma da justiça real. Eulália é colaboradora preciosa e sincera. Se ainda não completou as aquisições culturais no campo científico, é suficientemente rica de amor para contribuir à sementeira de luz. Encontra-se, porém, desabrigada, entre os companheiros invigilantes. Permanece sozinha e, assediada como está, é suscetível de abater-se. Auxiliemo-la sem detença.

____A destra do Assistente espalmada sobre a cabeça de nossa respeitável irmã expendia brilhantes raios, que lhe desciam do encéfalo ao tórax, qual fluxo renovador.

____A médium, que antes parecia torturada, sopitando a custo a natural reação às opiniões que ouvia, voltou à serenidade. Caiu-lhe a máscara de descontentamento, dissipou-se-lhe a tristeza destrutiva; os centros_perispiríticos tornaram à normalidade; a epífise irradiou branda luz. As nuvens de mágoa, que se lhe esboçavam na mente, esfumaram-se como por encanto. Em suma, ampara­da pela atuação direta do meu orientador, Eulália sabia dos percalços do trabalho e mergulhava-se gradativamente no ameno clima da compreensão.

____Restabelecendo-lhe a tranquilidade, o instrutor, em seguida, conservou as mãos apoiadas aos lobos_frontais, agindo-lhe sobre as fibras inibidoras. Observei, então, nova mudança. A mente da médium, como que se introvertia, desinteressando-se da conversação em torno e ficando mais atenta ao nosso campo de ação. O contacto benéfico do Assistente cortava-lhe, de modo imperceptível para ela, o interesse pelas referências sem proveito, convocando-a a mais íntimo intercâmbio conosco.

____Com ternura paternal, Calderaro, conservando as mãos na mesma postura, inclinou-se-lhe aos ouvidos e falou carinhosamente: — « Eulália, não desanimes! A fé representa a força que sustenta o espírito na vanguarda do combate pela vitória da luz divina e do amor universal. Nossos amigos não te acusam, nem te ferem: tão somente dormem na ilusão e sonham, apartados da verdade; exculpa-os pelas futilidades do momento. Mais tarde eles despertarão para o esforço de espalhar-se o bem ... Investigam com os olhos a superfície das coisas, mas seus ouvidos ainda não escutaram o sublime apelo à redenção. Sigas para a frente. Estaremos contigo na tarefa diária. E’ necessário amar e perdoar sempre, esquecendo o dia obscuro, a fim de alcançar os milênios luminosos. Não desfaleças! O Eterno Pai te abençoará.

____Reparei que Eulália não registrava aquelas palavras com os tímpanos de carne. Encheram-se-lhe os lobos frontai s de intensa luz. As frases comovedoras do instrutor represaram-se-lhe no cérebro e no coração, quais pensamentos sublimes que lhe calam do céu, saturados de calor reconfortante e bendito.

____Sim — respondia, do fundo d’alma, a devotada colaboradora, embora os lábios se lhe cerrassem no incompreendido silêncio ..."

[25 - página 132] - André Luiz

Ver também:
*