Obsessão - Caso 2 (Remorso)
-
Crianças e Adolescentes
DESAPARECIDOS
*

Personagens do texto abaixo:

  • André Luiz - Espírito que ditou o texto abaixo, por intermédio do médium Chico Xavier.
  • Calderaro - Espírito orientador de André Luiz, no plano espiritual.

____..." temos aqui dois amigos de mente fixada na região dos instintos primários. O encarnado, depois de reiteradas vibrações no campo de pensamento, em fuga da recordação e do remorso, arruinou os centros motores, desorganizando também o sistema_endócrino e perturbando os órgãos vitais. O desencarnado converteu todas as energias em alimento da ideia de vingança, acolhendo-se ao ódio em que se mantém foragido da razão e do altruísmo. Outra seria a situação de ambos se houvessem esquecido a queda, reerguendo-se pelo trabalho construtivo e pelo entendimento fraternal, no santuário do perdão legítimo.

____O Assistente deixou perceber novo brilho nos olhos percucientes e acrescentou: Segundo verificamos, Jesus-Cristo tinha sobradas razões recomendando-nos o amor_aos_inimigos e a oração pelos que nos perseguem e caluniam.


____Não é isto mera virtude, senão princípio científico de libertação do ser, de progresso da alma, de amplitude espiritual: no pensamento residem as causas. É poca virá, em que o amor, a fraternidade e a compreensão, definindo estados do espírito, serão tão importantes para a mente_encarnada quanto o pão, a água, o remédio; é questão de tempo. Lícito é esperar sempre o bem, com o otimismo divino. A mente_humana, de maneira geral, ascende para o conhecimento superior, apesar de, por vezes, parecer o contrário.

____ em seguida, permaneceu Calderaro longos minutos em vigorosas irradiações magnéticas, que, envolvendo a cabeça e a espinha dorsal do enfermo, se me afiguraram fortemente repousantes, porque em breve o doente, antes torturado, se abandonava a sono tranqüilo, como se sorvera suavíssimo anestésico. Dentro em pouco encontrava-se em nosso círculo, temporariamente afastado do veículo denso, tomado de pavor perante o verdugo implacável (obsessor), que se mantinha sentado, impassível, num dos ângulos do leito.

____Verifiquei que o enfermo não nos notava a presença, qual acontecia com o algoz em muda expectativa.

____Contava como certo que o Assistente os cumulasse de longas doutrinações; Calderaro, porém, guardou absoluto silêncio.

____Não me contive: interroguei-o.

  • Porque os não socorrer com palavras de esclarecimento?
  • O doente parecia-me aflito, enquanto o perseguidor se erguia, agora, mais agressivo. Porque não sustar o braço cruel que ameaçava um infeliz?
  • Não seria justo impedir o atrito, que acarretaria conseqüências imprevisíveis ao companheiro hospitalizado?

____O instrutor ouviu-me, sereno, e respondeu: Falaríamos em vão, André, porque ainda não sabemos amá-los como se fossem nossos irmãos ou nossos filhos. Para nós ambos, espíritos de raciocínio algo avançado, mas de sentimentos menos sublimes, são eles dois infortunados, e nada mais. Damos-lhes, no momento, o de que dispomos, isto é, intervenção benéfica no campo de seus sofrimentos exteriores, nos limites de nossas aquisições no domínio do conhecimento.

____Olhou para grande porta próxima e acentuou:A providência não foi, porém, esquecida. A irmã Cipriana, orientadora dos serviços de socorro do grupo em que coopero, não pode tardar."

[25 - página 63] - André Luiz

Ver também:
*