Nascimento e morte da matéria
página acima

-
Crianças e Adolescentes
DESAPARECIDOS
*

CONCENTRAÇÃO DINÂMICA E DESAGREGAÇÃO ATÔMICA

  • De , o espírito, puro pensamento, princípio, a Lei que é Deus
  • caminha para , num devenir contínuo, movimento feito de energia e vontade,
  • para atingir seu último termo (). A matéria, estrutura, ação, a forma. E, iniciar o seu regresso para .
  • Ciclo involutivo (espacial): espírito() energia() matéria() - Movimento descêntrico, a expansão e a exteriorização.
  • Ciclo evolutivo (conceptual): matéria() energia() espírito()
    (Ver: A Lei do universo )
  • A letra (ômega) representa o Universo.

A respiração de é:

 

    
              
SUPERCONSCIÊNCIA = +x
CONSCIÊNCIA HUMANA = espírito, pensamento.

VIDA x CONSCIÊNCIA_de_superfície

Psiquismo_ se_revela_e_se_exprime

ENERGIA ESCURA

 

FLUIDO CÓSMICO

 

MATÉRIA ESCURA

O tempo

CONSCIÊNCIA linear
(propriedade da energia)

Eletricidade, onda degradada,
Última_espécie_dinâmica

MATÉRIA PSI

DESAGREGAÇÃO


CONDENSAÇÃO

movimento feito de
energia  e vontade.
(Aspecto dinâmico
do Universo)


CONSCIÊNCIA linear
(do sistema espacial)


ÉTER

(Ver: Teoria das cordas)

 




matéria, estrutura, formas, ação.
(Aspecto estático do universo)

Preparando uma galáxia
e Nebulosas


Germe do psiquismo


CONSCIÊNCIA na matéria
= o ponto

Série estequiogenética
HIDROGÊNIO

Vosso ciclo poderia definir-se como um físio-dínamo-psiquismo

Movimento concêntrico (ciclo inverso).

[63 - A GRANDE SÍNTESE - A Lei]

____Aprofundemos, pois, o problema do nascimento e da morte da matéria, depois (entre esses dois extremos) o da evolução de suas individuações, isto é, o de sua vida.

____Pode definir-se a matéria como uma forma de energia, isto é, um modo de ser da substância, que nasce da energia por condensação ou por concentração e regressa à energia por desagregação, após haver percorrido uma série evolutiva de formas cada vez mais complexas e diferenciadas, que reencontram a unidade em reagrupamentos coletivos.

____A matéria nasce, vive e morre, para renascer, reviver e tornar a morrer, tal como o homem, eternamente, descendo de a e voltando a , quando o vórtice interior, por_ter_atingido_o_máximo_de_condensação dinâmica, não mais pode suportá-la e se quebra.

____Assistamos, então ao fenômeno da desagregação da matéria, a que chamais radioatividade, própria dos corpos velhos, com peso atômico maior, seu máximo de condensação. Assim, o átomo representa uma quantidade enorme, uma mina de energia condensada, que podereis libertar, perturbando o equilíbrio interno do sistema núcleo-eletrônico do átomo.

____O significado da palavra condensação só pode ser compreendido se reduzirmos a energia à sua expressão mais simples (isto também vale para a substância): o movimento. Condensação de energia é expressão demasiadamente sensória. É melhor dizer concentração de energia, pois isso significa aceleração de movimento, de velocidade. Veremos melhor essa essência do fenômeno no estudo do íntimo mecanismo do transformismo fenomênico.

____Vemos, todavia, que toda a estrutura planetária do átomo nos fala de energia e de velocidade. Logo que observamos, em profundidade, o fenômeno matéria, esta se dissolve em sua aparência exterior e se revela em sua substância, a energia. O conceito sensório de solidez e de concreto desaparece diante do conceito de elétrons que giram, velocíssimos, em espaços ilimitados, proporcionalmente a seu volume, em redor de um núcleo incomensurávelmente menor. Assim a matéria, tal como a concebeis habitualmente, desvanece em vossas mãos, deixando-vos apenas sensações produzidas por algo que é apenas energia e determina um movimento que se estabiliza por sua altíssima velocidade. Eis a matéria reduzida à sua última expressão. Da mesma forma que o movimento é a essência da substância , assim também é o de cada um de seus aspectos: , , .

  • Velocidade é energia ,
  • velocidade é matéria,
  • velocidade é idêntica em sua substância,
  • é o denominador comum que vos permite a passagem de uma à outra forma.

____Coloquemos lado a lado estas duas formas da substância, matéria e energia. Aquecendo um corpo, transmitimos energia à matéria, isto é outra modalidade de energia. Somamos energia. O calor significa aumento de velocidade nos sistemas atômicos moleculares. Quando dizemos que um corpo está mais quente, isto significa que seu movimento íntimo sofre um rápido aumento de velocidade. Então o calor infunde na matéria, como em todas as demais formas de vida, um ritmo mais intenso; é verdadeiro aumento de potência, um acréscimo de individualidade que, no mundo da matéria, expressa-se com a dilatação do volume. De imensa distância, o sol acende essa dança dos átomos e toda a matéria do planeta responde. A dança propaga-se de corpo em corpo, tudo o que lhe está perto o sente, participa, exulta. Os corpos condutores de energia são aqueles cujas moléculas são mais ágeis a realizar a corrida. O movimento, essência do universo, vai de uma coisa à outra, ávido de comunicar-se, como as ondas do mar, ávido de expandir-se. Dá-se sempre, pelo universal princípio do amor; fecunda e se dispersa depois de haver dado a vida, para reencontrar-se, recondensar-se ao longe, em todos os novos vórtices de criação. Os homens e as coisas, na Terra, arrebatam o mais que podem, tudo que chega do sol e o dividem entre si. O homem transforma esse movimento em outras formas de energia (já que nada se cria e nada se destrói, tudo se transforma, sempre): luz, som, eletricidade, para suas necessidades. Mas o fenômeno é irresistível e a cada transformação há uma perda, um consumo, um desgaste, um atrito e um esforço para suprir isso (porque estais em fase de evolução = descentralização cinética). O fornecimento do sol renova-se continuamente; ele dá o que tem e em formas sempre novas, reconquistará tudo o que dá. Isso porque o movimento, substância do universo, é um ciclo que sempre volta e está fechado e completo em si mesmo.

[63 - A GRANDE SÍNTESE - Nascimento e morte da matéria]

O ÉTER, A RADIOATIVIDADE E A DESAGREGAÇÃO DA MATÉRIA

____Nas duas extremidades da série estequiogenética, temos H (Hidrogênio) e U (URÂNIO). Esses dois elementos individualizam as duas formas extremas da fase . A escala evidentemente “deve” estender-se além das formas que vos mostra a evolução terrestre. Vimos que, antes de H, temos o éter, forma da qual voltaremos a falar, intermediária entre b e . Vejamos agora a que formas tende a progressão evolutiva de U.

  • Hidrogênio é o elemento constitutivo dos corpos jovens: nebulosas, estrelas brancas, quentes, de espectro extenso ao ultravioleta, como Sírio e da Lira.
  • O URÂNIO é o elemento constitutivo dos corpos velhos, mais adiantados na evolução e que, portanto, puderam produzir elementos mais densos (peso atômico maior) e mais diferenciados.

(Ver: Radioatividade )

____Resumo, ainda, e fecho este capítulo. Partindo do Hidrogênio — forma primitiva da matéria, derivada por condensação (concentração) das formas dinâmicas, através da forma de transição, o éter — estabelecemos uma escala, em que os elementos químicos encontraram, até o URÂNIO (U), seu lugar, de acordo com a própria fase de evolução. A repetição periódica das isovalências mostrou-nos que essa evolução — ao mesmo tempo condensação progressiva e estequiogênese — constitui um ritmo que é também expresso pelo progredir constante dos pesos atômicos. Essas grandes pulsações rítmicas da matéria são sete, as quais apresentei em sete séries, de acordo com as letras S1, S2, S3, S4, S5, S6 e S7. Partindo da série S1 até S7, aparece uma mudança alternada de fases periódicas que se sucedem à maneira de notas musicais, a distâncias de oitavas. O conjunto da série é apenas uma oitava maior, o que prenuncia outras oitavas que invadem as fases b e . Vimos a tendência que assume a matéria ao chegar a U — seu limite de máxima descida, condensação, involução — e, ao mesmo tempo, retomada da ascensão evolutiva, o regresso à fase

____Em vosso sistema planetário a matéria é velha, ou melhor, está envelhecendo e vos mostra todas as formas em que sua vida se fixou e criou. A fase vivida por vosso recanto de universo é a fase b® , isto é, os fenômenos da vida e do espírito.

____Mas se quiserdes continuar a série evolutiva de suas formas conhecidas, recorrei ao citado princípio de analogia e continuai a série nas direções já iniciadas, ou seja, antes de H, com corpos de peso atômico decrescente, e depois de U, com peso atômico e radioatividade cada vez mais acentuadas. Conservai a relação de progressão já anotada e encontrareis, para os elementos químicos aquém de H e além de U, um salto no peso atômico de 2 ou 4 unidades, e o mesmo retorno periódico de isovalências. Assim, o elemento que vier depois de U terá um peso atômico 240-242, com qualidades radioativas ainda mais fortes. Sabei que os produtos mais densos e radioativos do que U vos escapam, porque ainda não “nasceram” em vosso planeta e que os corpos que precederam o H já desapareceram, portanto, escapam de vossa observação. Esse aumento de qualidades radioativas nos corpos que devem nascer depois do U, significa para eles uma tendência cada vez mais acentuada à desagregação espontânea, ao regresso às formas dinâmicas. Esses corpos nascem para morrer logo e sua vida tem a função de transformar em , a substância que regressa à sua fase de espírito. Esse o grande e verdadeiro problema de que tratarei e do qual esta é apenas singela preparação.

____À outra extremidade da escala, aquém de H, sempre pelo mesmo princípio de analogia, encontrareis corpos de peso atômico menor que H, de -2 e assim por diante, do grupo e valência do Oxigênio. Prosseguindo nessa direção, encontrareis o éter.

[63 - A GRANDE SÍNTESE - O éter, a radioatividade e desagregação da matéria]

____Quando novamente a matéria estiver velha, a energia que dela renascer mais madura não tenderá a reenvolver-se num novo núcleo-matéria, mas subirá para a, entrando nos caminhos da vida e da consciência. A razão pela qual apareceu a vida em vosso_planeta e nos do sistema_solar é justamente porque este sistema é velho, como vimos. Aqui a matéria está em sua última maturidade, está morrendo por desagregação radioativa e a energia dirige-se decididamente para a fase superior, a.

[63 - A GRANDE SÍNTESE - Gênese da gravitação]

____Vossa ciência já fala de vida de elementos químicos e define a duração desses períodos de vida. A radioatividade, fenômeno perceptível para vós materialmente apenas nos corpos que a apresentam destacadamente, é, não obstante, propriedade universal da matéria. Isto significa que a matéria, toda e sempre, é susceptível de decomposição, em maior ou menor grau, transformável em formas dinâmicas e que a pulsação de sua evolução, a estequiogênese, jamais para.

[63 - A GRANDE SÍNTESE - O éter, a radioatividade e desagregação da matéria]

Enquanto a energia concentra-se no núcleo (éter) — centro genético das formas de — paralelamente o universo, na fase dinâmica, concentra-se na nebulosa mãe da expansão espiralóide galáctica.

[63 - A GRANDE SÍNTESE - Da matéria à vida]

Ver também:
*