Mediunidade nos Tempos
página acima

-
Crianças e Adolescentes
DESAPARECIDOS
*

____O dom da mediunidade é tão antigo quanto o mundo.

  • Os profetas eram médiuns; (Ver: Profético)
  • Os mistérios de Elêusis baseavam-se na mediunidade;
  • Os Caldeus e os Assírios tinham médiuns;
  • Sócrates era dirigido por um Espírito que lhe inspirava admiráveis princípios de sua filosofia; e escutava a sua voz.
  • Todos os povos têm tido os seus médiuns e as inspirações de Joana d’Arc não eram senão as vozes dos Espíritos benfeitores que a dirigiam.

____Esse dom que se espalha agora tinha-se tornado mais raro na Idade Média, mas nunca cessou. EMMANUEL_Swedenborg e seus adeptos tiveram uma numerosa escola.

[17b - Capítulo XXXI parágrafo XI]

____Acena-nos a antiguidade terrestre com brilhantes manifestações mediúnicas, a repontarem da História.

  • Discípulos de Sócrates referem-se, com admiração e respeito, ao amigo invisível que o acompanhava constantemente.
  • Reporta-se Plutarco ao encontro de Bruto, certa noite, com um dos seus perseguidores desencarnados, a visitá-lo, em pleno campo.
  • Em Roma, no templo de Minerva, Pausânias, ali condenado a morrer de fome, passou a viver, em Espírito, monoideizado na revolta em que se alucinava, aparecendo e desaparecendo aos olhos de circunstantes assombrados, durante largo tempo.
  • Sabe-se que Nero, nos últimos dias de seu reinado, viu-se_fora_do_corpo_carnal, junto de Agripina e de Otávia, sua genitora e sua esposa, ambas assassinadas por sua ordem, a lhe pressagiarem a queda no abismo.
  • Os Espíritos vingativos em torno de Calígula eram tantos que, depois de lhe enterrarem os restos nos jardins de Lâmia, eram ali vistos, freqüentemente, até que se lhe exumaram os despojos para a incineração.

(Ver: Sofrimento espiritual)

____Todavia, onde a mediunidade atinge culminâncias é justamente no Cristianismo nascituro.

____Toda a passagem do Mestre inesquecível, entre os homens, é um cântico de luz e amor, externando-lhe a condição de Medianeiro da Sabedoria Divina.

____E, continuando-lhe o ministério, os apóstolos que se lhe mantiveram leais converteram-se em médiuns notáveis, no dia dePentecostes(2), quando, associadas as suas forças, por se acharem “todos reunidos”, os emissários espirituais do Senhor, através deles, produziram fenômenos_físicos em grande cópia, como sinais luminosos e vozes_diretas, inclusive fatos de psicofonia e xenoglossia, em que os ensinamentos do Evangelho foram ditados em várias línguas, simultaneamente, para os israelitas de procedências diversas.

____Desde então, os eventos mediúnicos para eles se tornaram habituais.

    ____Espíritos materializados libertavam-nos da prisão injusta. (3)

    O magnetismo curativo era vastamente praticado pelo olhar (4) e pela imposição das mãos. (5)

    ____Espíritos sofredores eram retirados de pobres obsessos, aos quais vampirizava . (6)

    Um homem objetivo e teimoso, quanto Saulo de Tarso, desenvolve a clarividência, de um momento para outro, vê o próprio Cristo, às portas de Damasco, e lhe recolhe as instruções (7). E porque Saulo, embora corajoso, experimente enorme abalo moral, Jesus, condoído, procura Ananias, médium clarividente na aludida cidade, e pede-lhe (8)

  • Não somente na casa dos apóstolos em Jerusalém mensageiros espirituais prestam contínua assistência aos semeadores do Evangelho; igualmente no lar dos cristãos, em Antioquia, a mediunidade opera serviços valiosos e incessantes. Dentre os médiuns aí reunidos, um deles, de nome Ágabo(9), incorpora_um_Espírito_benfeitor que realiza importante premonição. E nessa mesma igreja, vários instrumentos_medianímicos aglutinados favorecem a produção da voz_direta, consignando expressiva incumbência a Paulo e Barnabé. (10)
  • Em Tróade, o apóstolo da gentilidade recebe a visita de um varão, em Espírito, a pedir-lhe concurso fraterno. (11)

____E, tanto quanto acontece hoje, os médiuns de ontem, apesar de guardarem consigo a Bênção Divina, experimentavam injustiça e perseguição. Quase por toda a parte, padeciam inquéritos e sarcasmos, vilipêndios e tentações.

____Logo no início das atividades mediúnicas que lhes dizem respeito, vêem-se Pedro e João segrega­dos no cárcere. Estêvão é lapidado. Tiago, o filho de Zebedeu, é morto a golpes de espada. Paulo de Tarso é preso e açoitado várias vezes.

____A mediunidade, que prossegue fulgindo entre os mártires cristãos, sacrificados nas festas circenses, não se eclipsa, ainda mesmo quando o ensinamento de Jesus passa a sofrer estagnação por impositivos de ordem política. Apenas há alguns séculos, vimos:

  • Francisco de Assis exalçando-a em luminosos acontecimentos;
  • Lutero transitando entre visões;
  • Teresa d’Avila em admiráveis desdobramentos;
  • José de Copertino levitando ante a espantada observação do papa Urbano VIII,
  • e EMMANUEL_Swedenborg recolhendo, afastado_do_corpo_físico, anotações de vários planos espirituais que ele próprio filtra para o conhecimento humano, segundo as concepções de sua época.

EMMANUEL - Uberaba-MG, 6 de agosto de 1959.

[29 - página 13]

____(2) Atos [2]:1 - 13

1 Ao cumprir-se o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar.

2 De repente veio do céu um ruído, como que de um vento impetuoso, e encheu toda a casa onde estavam sentados.

3 E lhes apareceram umas línguas como que de fogo, que se distribuíam, e sobre cada um deles pousou uma.

4 E todos ficaram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito lhes concedia que falassem.

5 Habitavam então em Jerusalém judeus, homens piedosos, de todas as nações que há debaixo do céu.

6 Ouvindo-se, pois, aquele ruído, ajuntou-se a multidão; e estava confusa, porque cada um os ouvia falar na sua própria língua.

7 E todos pasmavam e se admiravam, dizendo uns aos outros: Pois quê! não são galileus todos esses que estão falando?

8 Como é, pois, que os ouvimos falar cada um na própria língua em que nascemos?

9 Nós, partos, medos, e elamitas; e os que habitamos a Mesopotâmia, a Judéia e a Capadócia, o Ponto e a Ásia,

10 a Frígia e a Panfília, o Egito e as partes da Líbia próximas a Cirene, e forasteiros romanos, tanto judeus como prosélitos,

11 cretenses e árabes-ouvímo-los em nossas línguas, falar das grandezas de Deus.

12 E todos pasmavam e estavam perplexos, dizendo uns aos outros: Que quer dizer isto?

13 E outros, zombando, diziam: Estão cheios de mosto.

14 Então Pedro, pondo-se em pé com os onze, levantou a voz e disse-lhes: Varões judeus e todos os que habitais em Jerusalém, seja-vos isto notório, e escutai as minhas palavras.

15 Pois estes homens não estão embriagados, como vós pensais, visto que é apenas a terceira hora do dia.

16 Mas isto é o que foi dito pelo profeta Joel:

17 E acontecerá nos últimos dias, diz o Senhor, que derramarei do meu Espírito sobre toda a carne; e os vossos filhos e as vossas filhas profetizarão, os vossos mancebos terão_svisões, os vossos anciãos terão sonhos;

18 e sobre os meus servos e sobre as minhas servas derramarei do meu Espírito naqueles dias, e eles profetizarão.

____(4) Atos [3]:4 - 6

1 Pedro e João subiam ao templo à hora da oração, a nona.

2 E, era carregado um homem, coxo de nascença, o qual todos os dias punham à porta do templo, chamada Formosa, para pedir esmolas aos que entravam.

3 Ora, vendo ele a Pedro e João, que iam entrando no templo, pediu que lhe dessem uma esmola.

4 E Pedro, com João, fitando os olhos nele, disse: Olha para nós.

5 E ele os olhava atentamente, esperando receber deles alguma coisa.

6 Disse-lhe Pedro: Não tenho prata nem ouro; mas o que tenho, isso te dou; em nome de Jesus Cristo, o nazareno, anda.

____(3) Atos [5]:18 - 20

18 deitaram mão nos apóstolos, e os puseram na prisão pública.

19 Mas de noite um anjo do Senhor abriu as portas do cárcere e, tirando-os para fora, disse:

20 Ide, apresentai-vos no templo, e falai ao povo todas as palavras desta vida.

____(6) Atos [8]:7

6 - As multidões escutavam, unânimes, as coisas que Filipe dizia, ouvindo-o e vendo os sinais que operava;

7 - pois saíam de muitos possessos os espíritos imundos, clamando em alta voz; e muitos paralíticos e coxos foram curados;

8 - pelo que houve grande alegria naquela cidade.

____(7) Atos [9]:3 - 7;
____(8) Atos [9]:10 - 11 ;
____(5) Atos [9]:17

1 Saulo, porém, respirando ainda ameaças e mortes contra os discípulos do Senhor, dirigiu-se ao sumo sacerdote,

2 e pediu-lhe cartas para Damasco, para as sinagogas, a fim de que, caso encontrasse alguns do Caminho, quer homens quer mulheres, os conduzisse presos a Jerusalém.

3 Mas, seguindo ele viagem e aproximando-se de Damasco, subitamente o cercou um resplendor de luz do céu;

4 e, caindo por terra, ouviu uma voz que lhe dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues?

5 Ele perguntou: Quem és tu, Senhor? Respondeu o Senhor: Eu sou Jesus, a quem tu persegues;

6 mas levanta-te e entra na cidade, e lá te será dito o que te cumpre fazer.

7 Os homens que viajavam com ele quedaram-se emudecidos, ouvindo, na verdade, a voz, mas não vendo ninguém.

8 Saulo levantou-se da terra e, abrindo os olhos, não via coisa alguma; e, guiando-o pela mão, conduziram-no a Damasco.

9 E esteve três dias sem ver, e não comeu nem bebeu.

10 Ora, havia em Damasco certo discípulo chamado Ananias; e disse-lhe o Senhor em visão: Ananias! Respondeu ele: Eis-me aqui, Senhor.

11 Ordenou-lhe o Senhor: Levanta-te, vai à rua chamada Direita e procura em casa de Judas um homem de Tarso chamado Saulo; pois eis que ele está orando;

12 e viu um homem chamado Ananias entrar e impor-lhe as mãos, para que recuperasse a vista.

13 Respondeu Ananias: Senhor, a muitos ouvi acerca desse homem, quantos males tem feito aos teus santos em Jerusalém;

14 e aqui tem poder dos principais sacerdotes para prender a todos os que invocam o teu nome.

15 Disse-lhe, porém, o Senhor: Vai, porque este é para mim um vaso escolhido, para levar o meu nome perante os gentios, e os reis, e os filhos de Israel;

16 pois eu lhe mostrarei quanto lhe cumpre padecer pelo meu nome.

17 Partiu Ananias e entrou na casa e, impondo-lhe as mãos, disse: Irmão Saulo, o Senhor Jesus, que te apareceu no caminho por onde vinhas, enviou-me para que tornes a ver e sejas cheio do Espírito Santo.

(9)Atos [11]:28

27 Naqueles dias desceram profetas de Jerusalém para Antioquia;

28 e levantando-se um deles, de nome Ágabo, dava a entender pelo Espírito, que haveria uma grande fome por todo o mundo, a qual ocorreu no tempo de Cláudio.

(10)Atos [13]:1 - 4

1 Ora, na igreja em Antioquia havia profetas e mestres, a saber: Barnabé, Simeão, chamado Níger, Lúcio de Cirene, Manaém, colaço de Herodes o tetrarca, e Saulo.

2 Enquanto eles ministravam perante o Senhor e jejuavam, disse o Espírito Santo: Separai-me a Barnabé e a Saulo para a obra a que os tenho chamado.

3 Então, depois que jejuaram, oraram e lhes impuseram as mãos, os despediram.

4 Estes, pois, enviados pelo Espírito Santo, desceram a Selêucia e dali navegaram para Chipre.

____(11) Atos [16]:9 - 10

6 Atravessaram a região frígio-gálata, tendo sido impedidos pelo Espírito Santo de anunciar a palavra na Ásia;

7 e tendo chegado diante da Mísia, tentavam ir para Bitínia, mas o Espírito de Jesus não lho permitiu.

8 Então, passando pela Mísia, desceram a Trôade.

9 De noite apareceu a Paulo esta visão: estava ali em pé um homem da Macedônia, que lhe rogava: Passa à Macedônia e ajuda-nos.

10 E quando ele teve esta visão, procurávamos logo partir para a Macedônia, concluindo que Deus nos havia chamado para lhes anunciarmos o evangelho.

____
____Abro aqui um parêntesis para tratar com o professor Charles Richet.
____Rrecebi o número de janeiro-fevereiro da Revue Metapsychique, 1926, onde, em breve artigo, o Prof. Richet, fazendo notar a existência, em nossos dias, de um certo número de sensitivos clarividentes, acha que pode isto traduzir o prelúdio de próximo aparecimento, no homem, de um “sexto sentido”. Passando a examinar cientificamente a origem presumível desse novo sentido, procura explicar o fato pela teoria assaz conhecida de Dr. Vriés, sobre as “mutações bruscas” transmissíveis à descendência, tal como se observa no reino vegetal.
____Ouso lembrar ao Prof. Richet que a freqüência atual de sensitivos clarividentes – freqüência aliás muito relativa – decorre exclusivamente do fato de, nestes últimos anos, entre os povos civilizados, serem esses indivíduos muito procurados e observados, ao passo que antigamente eram em geral conduzidos à fogueira, o que, de muito, lhes reduzia o número. Nada, entretanto, de novo sobre o caso. Se interrogarmos a respeito a história da antigüidade clássica, bíblica, egípcia, babilônica, se ascendermos a eras mais remotas, até às crônicas sagradas dos povos do Oriente, encontraremos os melhores elementos a provar-nos que as faculdades de clarividência permanecem em estado absolutamente estacionário, através dos séculos, não obstante as civilizações e as raças, o que já não é pouco para condenar aquela hipótese.
____Mas outra circunstância de fato, que contradiz a tese do Prof. Richet, de modo decisivo, é a freqüência de fenômenos de clarividência, sob suas múltiplas formas, no meio dos povos selvagens.
____Pessoalmente estudei o assunto, em longa monografia que, como todas que a precederam, não é fruto de pesquisas superficiais, mas de acurado estudo, em longo período de 35 anos. Adquiri, portanto, certa competência no assunto e posso afirmar não existir tribo selvagem que não tenha seu feiticeiro-curador, com predicados absolutamente análogos aos dos clarividentes, entre os povos civilizados.
____Os relatórios dos exploradores e dos missionários estão repletos de casos dessa natureza, que se contam por centenas. Daí podermos concluir em sentido diametralmente oposto ao que nos sugere o Prof. Charles Richet, isto é, que, se as faculdades de clarividência sob todas as formas são mais freqüentes entre os povos primitivos que entre os civilizados, não há razão para admitirmos a hipótese do aparecimento, no homem, de um “sexto sentido” graças à lei biológica das “bruscas mutações”.
____Devemos, além disto, ter em vista uma outra consideração, teoricamente de grande importância, qual a de o Prof. Richet se não haver lembrado da impossibilidade de se tratar de um “sexto sentido” em gestação, por isso que os fenômenos de clarividência se produzem pela utilização dos sentidos existentes:

  • visão,
  • audição
  • e tato.

____Acrescentaremos que, por outro lado, deixou ele de considerar que esses fenômenos, ...

  • ao invés de serem determinados pela percepção direta, isto é, da periferia para o cérebro, como se deveriam produzir para todo e qualquer sentido biológico passado, presente ou futuro,
  • eles se determinam por percepção inversa, ou seja, do cérebro para a periferia, sob a forma de visões ou audições subjetivas, projetadas fora e quase sempre de natureza simbólica, mais ou menos manifesta.

____Ora, a natureza simbólica de quase todas as percepções supranormais reveste-se de alto valor teórico, porque mostra que essas percepções independem, não somente dos sentidos periféricos, mas também dos centros cerebrais correspondentes. Com efeito, o simbolismo das percepções prova que os centros cerebrais não percebem ativamente, mas passivamente registram o que lhes é transmitido, por um terceiro agente a elas estranho, único a perceber diretamente, para depois transmitir seus conhecimentos ao sensitivo, sob a forma de representações simbólicas. Isto, evidentemente, porque sendo suas percepções qualitativamente diferentes das que podem assimilar os centros cerebrais do sensitivo, ele é obrigado a transmiti-las sob a forma de objetivações alucinatórias, que o sensitivo ou os interessados podem, facilmente, interpretar. E como esse terceiro agente estranho ao cérebro, outro não pode ser senão a personalidade integral subconsciente do sensitivo (Espírito do médium) , conclui-se que, baseando-se nas circunstâncias expostas, nós veremos emergir, manifesta e incontestável, a contraprova de que a “personalidade integral subconsciente” é uma “entidade espiritual” independente de toda a ingerência funcional, direta ou indireta, do órgão cerebral. Resulta ainda, disto, que...

  • as faculdades_supranormais , esporadicamente assinaladas, de todos os tempos e em toda parte, na Humanidade são, na realidade, as faculdades de sentidos espirituais da personalidade_integral_subconsciente, em estado latente, na subconsciência_humana, para emergir e se exercer num meio espiritual, após_a_crise_da_morte
  • do mesmo modo que no embrião se acham formadas, de antemão e em estado latente, as faculdades de sentidos terrenos, à espera do momento que lhes há de permitir se exerçam no seio do meio terrestre, após a crise do nascimento.

____Como se pode verificar, as induções sobre a base dos fatos nos arrastam para longe da hipótese aventada pelo Prof. Richet, hipótese que aparece insustentável, sob o ponto de vista biológico, psicológico e metapsíquico.
____Isto dito, devo confessar sinceramente que o artigo do Prof. Richet produziu-me, pessoalmente, uma impressão dolorosa, de profundo desalento. Revela-me a inutilidade dos esforços intelectuais, a que me submeto há trinta e cinco anos, com o fim de dar a minha contribuição à investigação da ciência metafísica. Se o Prof. Richet, antes de expor a sua hipótese, houvesse demonstrado o erro da minha argumentação, eu teria testemunhado o meu reconhecimento àquele que assim me houvesse esclarecido sobre problema do mais alto valor científico. Mas o Prof. Richet enuncia a sua hipótese sem fazer a mínima alusão à existência de um estudo recente sobre o assunto, estudo que o contradiz no terreno dos fatos. Ora, como do choque das ideias é que salta a centelha da Verdade, se no meio metapsíquico, uma das partes segue o seu caminho sem se preocupar do que faz a outra, não se chegará, nesse ramo de ciência, a qualquer conclusão. Nessas condições, tanto vale não escrever coisa alguma, cada um se limitando egoisticamente a estudar apenas para si, deixando que os demais pensem como melhor lhes parecer.

[105 - página 46/49] - Ernesto Bozzano

  • Plutarco, nascido no ano 50 depois do Cristo, discute o assunto da identidade_dos_Espíritos. Em um dos seus diálogos, um interlocutor diz: «Porque buscais privar as almas incorporadas (os homens) da faculdade pela qual os primeiros (Espíritos livres) conhecem os acontecimentos futuros e podem denunciá-los? Não é provável que a alma adquira um novo poder de profetizar depois_da_separação_do_corpo, o qual não possuía antes. É mais acertado concluirmos que ele já tinha essa faculdade, apesar de menos perfeita, durante a sua união com o corpo
  • Ainda Plutarco diz: «Se os demônios, Espiritos humanos desencarnados, podem prever e denunciar os acontecimentos humanos, porque não possuirão a mesma faculdade os Espiritos humanos incorporados? Nossas almas realmente são dotadas dessa faculdade.» Ao mesmo tempo, como já mostrei, ele emite a ideia de que o médium pode frequentemente ser influenciado pelos Espíritos para pronunciar os seus pensamentos, senão a sua exata linguagem.
  • Porfiro (nascido em 233 D. e.) diz como o «demônio» (Espírito) fala, às vezes, pela boca do «recipiente» (médium), que se acha em transe; e outras vezes se apresenta com uma forma imaterial. O estado de transe é acompanhado de «agitações depressoras e lutas». Uma escolha conveniente do tempo e das circunstâncias para produzir o estado de transe e obter respostas oraculares, é, diz ele, a coisa mais importante para uma sacerdotisa pitia (médium), compelida a profetizar (falar em transe) pelo Espírito de um morto; ao passo que, em condições desfavoráveis, «o Espírito prevenirá os ouvintem, de que não pode dar as informações pedidas ou, mesmo, que elas virão falseadas em casos peculiares.» «Descendo à nossa atmosfera, os Espiritos ficam sujeitos às leis e influências que dirigem a Humanidade, e então se dá a confusão; pelo que, em casos tais, o investigador prudente deve adiar suas indagações, medida que nunca os inexperientes se lembram de adotar.»
    • «Escolhei um dia favorável, um intermediário simples (um médium_verdadeiro) e um espaço limitado, de modo que a influência não se torne muito difusa. Fazei o escuro no aposento e evocai o Espirito com o ruído e com o canto. Durante esse canto o médium cairá em um sono anormal, que apaga por algum tempo a sua própria identidade e permite_que_o_Espírito_fale_por_seus_lábios, ou, em outras palavras, se utilize da voz de um instrumento mortal» (19)
  • Anaxágoras, que vivia pelo ano 500 antes do Cristo e que sustentava que a alma pura, livre de toda a concreção material, é quem governa o Universo, ensinava que a alma humana tinha em si faculdades de adivinhar, independentemente do que os Espíritos podem alcançar nos limites da Terra. Pitágoras tinha a mesma crença.

(19) - F.W.H. Myers´s. os oráculos da Grécia.

[97 - páginas 260/261] - Epes Sargent (1813-1880)

____Tão longe quanto a História alcança, as faculdades da adivinhação e da clarividência têm sido consideradas por muitos investigadores como um dom da alma humana desenvolvido em alguns dos seus estados, sob a influência de condições peculiares, ou, por outra forma, um indício de ação espiritual independente.

  • Desde Pitágoras até Platão,
  • de Platão até Plutarco
  • e de Plutarco até dezenas de milhares de testemunhas competentes do século XIX, esses fenômenos têm sido admitidos. Si divinatio est dii sunt (se a adivinhação existe, existem os deuses ou Espíritos) é um antigo provérbio latino. A dedução é legítima.

[97 - página 40] - Epes Sargent (1813-1880)

Ver também:
*