A Interpretação da Doutrina - Cristianismo
página acima

*

--

____Desde o século I, surgiram dentro da Igreja movimentos diversos que, a partir da compreensão de uma mesma mensagem cristã, chegaram a interpretações diferentes e freqüentemente contraditórias sobre a verdadeira doutrina de Cristo. Ao espalhar-se pelo Império Romano, o Cristianismo entrou em contato com povos, costumes e problemas diversificados, que o tornaram necessariamente multiforme quanto à organização, doutrina e culto. Assim, existiam as igrejas aramaicas, sírias, asiáticas e ocidentais, cada qual com suas próprias tradições. As diferenças se acentuaram a partir do século II, quando a mensagem cristã primitiva se revestiu de formas mais elaboradas e se repartiu em numerosas versões dentro de um mesmo quadro doutrinário fundamental. As fronteiras ideológicas do Cristianismo tornaram-se frágeis e se diluíram em tendências heterogêneas. Estas, ao se afirmarem, criaram uma confrontação inevitável entre as múltiplas interpretações doutrinárias e as várias tradições cristãs. Como todas as correntes reivindicavam a legitimidade apostólica, tratava-se de definir o que estaria de acordo ou contra a pregação tradicional dos Apóstolos. Essa confrontação veio a caracterizar a divisão entre elementos ortodoxos e heterodoxos no pensamento cristão elaborado. Tornara-se ortodoxia a tendência numérica e politicamente majoritária dentro do Cristianismo, que se impôs como a verdadeira Igreja, formuladora das normas da fé, prevalecendo em detrimento das posições divergentes e minoritárias.
____As heresias representaram, relativamente ao corpo doutrinário constituído, tendências heterodoxas, movimentos dissidentes e grupos numericamente minoritários, quase sempre desligados da Igreja cristã majoritária, graças às excomunhões conciliares ou mesmo por sua própria iniciativa separatista. Nessas disputas de supremacia e polêmicas teológicas, a Igreja de Roma exerceu um papel decisivo, na medida em que as posições doutrinárias da capital tendiam a se qualificar como verdadeiras. O Cristianismo romano conseguiu impor-se como ortodoxia no conjunto da cristandade, estendendo sua influência graças à constituição do conceito de sucessão apostólica, ou seja, à crença de ter o Príncipe dos Apóstolos como fundador de sua comunidade, à supremacia política enquanto capital e através da ajuda material às demais igrejas. Face à sua autoridade, as tendências dissidentes passaram a ser qualificadas como falsas e nasceram dois conceitos opostos inexistentes no Cristianismo apostólico:

  • Ortodoxia
  • e heterodoxia.

____Do ponto de vista histórico, a ortodoxia triunfou como instituição jurídica e como política moderadora, fundada na primazia da Igreja Romana. Mas, do ponto de vista doutrinário, seu sucesso deveu-se a uma elaboração teológica mais consistente do que as numerosas crenças desorganizadas e freqüentemente incoerentes do desenvolvimento do pensamento cristão. Na verdade, a lógica da ortodoxia se firmou nos elementos fixos da tradição cristã:

  • a doutrina fundamental primitiva,
  • a revelação bíblica
  • e a tradição oral, resumidas e definidas no Credo.

____Ao lado disso existiram no Cristianismo antigos elementos provenientes do contato com a cultura helênica, que adicionaram novidades filosóficas ao núcleo doutrinário. As correntes chamadas heréticas teriam se ressentido mais fortemente das influências pagãs, acabando por rejeitar doutrinas definidas pela comunidade eclesiástica majoritária e deteriorando o que se considerava conteúdo específico e original da fé cristã. A partir do século IV, as lutas teológicas tornaram-se mais complexas e profundas do que nos períodos anteriores, na medida em que o paganismo já não constituía um inimigo comum suficientemente forte para assegurar a coesão doutrinária da Igreja. O Oriente, de modo particular, mergulhado em séculos de especulação místico-filosófica, apaixonava-se mais profundamente pelas discussões doutrinárias, dando origem a inúmeras seitas. A vitalidade religiosa oriental manifestava-se, no Cristianismo, da mesma maneira que, anteriormente, nas religiões de mistérios do paganismo.
____Por outro lado, a disputa ante a doutrina oficial cristã levou freqüentemente à ruptura da própria unidade institucional, gerando cismas. O fato de o Cristianismo se ter tornado a religião dominante e institucionalizada obrigou-o a buscar a unidade na consolidação de uma autoridade maior: o bispado e sobretudo, os concílios e sínodos, enquanto soma das primazias hierárquicas. No corpo do próprio Cristianismo majoritário surgiram sucessivas rupturas, graças à disputa de liderança entre as várias comunidades metropolitanas. As igrejas de Alexandria Cartago e Antioquia chegaram a romper temporariamente com Roma. Também a Igreja de Constantinopla, sem tradição apostólica, mas fundada na superioridade política, viveu, como nova capital do Império, atritos violentos com a Igreja Romana.
____A desorganização econômica e social do Império, coerente com o gradual distanciamento das velhas tradições culturais, veio abalar a orgulhosa confiança dos romanos na invencibilidade do seu poder, particularmente quando das incursões bárbaras. O Cristianismo, forma religiosa capaz de responder às necessidades religiosas da população, tornou-se, concomitantemente, religião oficial e objeto das esperanças humanas. Os fiéis, perdidos num mundo inseguro e hostil, procuravam um sentido para a vida através das experiências íntimas e pessoais, dentro da mensagem cristã. Povoando o dia-a-dia das populações, o Cristianismo multiplicou-se indefinidamente em versões ligadas às preocupações e vivências individuais. A partir daí, nasceram divergências e polêmicas doutrinárias, geralmente relativas a temas ou problemas específicos, como a natureza da Trindade Divina e, particularmente, da pessoa de Jesus Cristo.
____A primeira ameaça interna à religião cristã consistiu no gnosticismo, revestido de múltiplas formas que se espalharam do Irã à Gália e tiveram como denominador ideológico comum a gnose. A palavra gnosis exprimia, em grego, tanto o conhecimento geral, quanto a comunhão mística e o amor físico. Na filosofia religiosa, significava especialmente um conhecimento dos mistérios divinos revelados a uma elite, enquanto o gnosticismo passaria a designar uma gnose elaborada em sistema. O conhecimento gnóstico mostrava-se cético em relação à ciência e possuía um sentimento de participação direta e íntima na verdade divina, como a união entre o masculino e o feminino. Buscava-se conhecer não por um esforço reflexivo mas por uma revelação que se constituiria na libertação espiritual da prisão corpóreo-sensível. Naturalmente, a partir desse conhecimento exotérico, os gnósticos não compunham uma seita, mas vários movimentos sincréticos que absorviam todas as tradições religiosas da época:

  • a filosofia helênica,
  • O dualismo persa,
  • as doutrinas dos cultos de mistérios,
  • O Judaísmo e o Cristianismo.

____Apesar da grande diversidade, podiam-se encontrar em todas as correntes o dualismo de Deus e a ideia de um Salvador. O sentido último do mito gnóstico consistia na narração do destino da alma. Situada primitivamente no mundo celeste e luminoso, ela sofrera uma queda trágica que a atirou na Terra, tornando-a prisioneira de um corpo sensível. A divindade suprema, comovida com a sorte de suas centelhas dominadas pela matéria enviou um Salvador para livrá-las e trazê-las de volta para si. Quando todas as centelhas se reunissem, o mundo terreno ficaria sujeito à sua própria sorte e retornaria ao caos original, pois a matéria era tida como má em si. A redenção propiciada pelo Demiurgo realizava-se no interior de cada alma, na busca da identificação com Deus, e significava, portanto, o conhecimento e compreensão do próprio eu. Por outro lado, as relação Deus-Cosmo se organizava em antíteses Luz-Treva, Vida-Morte, Alma-Psiquismo, considerando-se a divindade como a negação do mundo.
____Mas existiram tendências gnósticas especificamente cristãs, fundadas nas raízes do pensamento Judaico relativo ao sinal dos tempos e, mais precisamente, na decepção conseqüente à demora da Parusia ou vinda do Cristo. Os fiéis transferiram a esperança messiânica para uma salvação pessoal, buscada através da ascese e do conhecimento profundo de suas próprias almas. A filosofia helênica, por sua vez, incorporou, sem dúvida, noções gnósticas nas heresias cristãs e teria influenciado a própria ortodoxia. Nos séculos I e II, o gnosticismo produziu seitas dentro da cristandade, sobretudo no Egito onde se destacaram líderes como Carpócrades, Basilides, Isidoro e, de modo especial, Valentim, fundador de uma importante escola em Roma.
____A gnose ameaçou absorver a mensagem cristã num vasto sincretismo esotérico. Sua pretensão de completar a doutrina eclesiástica com especulações "transmitidas dos Apóstolos", sua ligação à exegese bíblica e sua concepção dos sacramentos como atos mágicos representavam um forte atrativo para a população cristã apaixonada por explicações misteriosas e mitos filosóficos. Acrescentavam-se a isso uma ascese rigorosa para a elevação da alma a Deus, uma vivência comunitária repleta de cerimônias secretas só reveladas aos iniciados e a promessa de um conhecimento superior para a solução absoluta dos problemas humanos.

RESUMO EXTRAÍDO DA PUBLICAÇÃO DA ABRIL CULTURAL

"AS GRANDES RELIGIÕES "

*