Dia de finados
página acima: Morte
-
Crianças e Adolescentes
DESAPARECIDOS
*

____Sensibilizam-se os Espíritos ao lembrarem deles os que lhes foram caros na Se são felizes, esse fato lhes aumenta a felicidade. os Espíritos acodem ao chamado dos que da Terra lhes dirigem seus pensamentos, como o fazem noutro dia qualquer. Nesse dia, em maior número se reúnem nas necrópoles, porque então também é maior, em tais lugares, o das pessoas que os chamam pelo pensamento. Porém, cada Espírito vai lá somente pelos seus amigos e não pela multidão dos indiferentes. Se pudessem tornar-se visíveis, os veríamos sob a forma que tinham quando encarnados.

[9a - página 191 questão 321]

E os esquecidos, cujos túmulos ninguém vai visitar, também lá, não obstante, "Que lhes importa a Terra? Só pelo coração nos achamos a ela presos. Desde que aí ninguém mais lhe vota afeição, nada mais prende a esse planeta o Espírito, que tem para si o Universo inteiro."

[9a - página 192 questão 322]

Aquele que visita um túmulo apenas manifesta, por essa forma, que pensa no preceé que santifica o ato da rememoração. Nada importa o lugar, desde que é feita com o Os Espíritos das pessoas a quem se erigem estátuas ou monumentos, muitos comparecem a tais solenidades, quando podem; porém, menos os sensibiliza a homenagem que lhes prestam do que a lembrança que deles guardam os homens.

[9a - página 192 questão 324]

____Quando já ascendeu a certo grau de perfeição, o Espírito se acha escoimado de vaidades terrenas e compreende a futilidade das honras que lhe prestem aos despojos mortais. Porém, ficai sabendo, há Espíritos que, nos primeiros momentos que se seguem à sua morte material, experimentam grande prazer com as honras que lhes tributam, ou se aborrecem com o pouco caso que façam de seus envoltórios corporais. É que ainda conservam alguns dos preconceitos desse mundo.

[9a - página 193 questão 326]

O instintivo respeito que, em todos os tempos entre todos os povos, o homem consagrou e consagra aos mortos é efeito da intuição que tem da vida futura. É a conseqüência natural dessa intuição. Se assim não fosse, nenhuma razão de ser teria esse respeito.

[9a - página 194 questão 329]

Ver também:
*