Contradições nas comunicações espirituais
página acima

-
Crianças e Adolescentes
DESAPARECIDOS
*

  • As contradições que se notam, com bastante freqüência, na linguagem dos Espíritos, podem espantar apenas aqueles que não têm da ciência_espírita senão um conhecimento incompleto. Elas são a conseqüência da própria natureza dos Espíritos que, quando falam, não sabem as coisas senão em razão de seu adiantamento, e das quais alguns podem saber menos que certos homens. Sobre uma multidão de pontos, eles não podem emitir senão sua opinião pessoal, que pode ser mais ou menos justa, e conservar o reflexo dos preconceitos terrestres dos quais não estão despojados. Outros fazem os próprios sistemas sobre o que não conhecem ainda, particularmente no que tange às questões científicas e à origem das coisas. Não há, pois, nada de surpreendente em que não estejam sempre de acordo.
  • Espanta-se em encontrar comunicações contraditórias assinadas com o mesmo nome. Só os Espíritos_inferiores podem ter, segundo as circunstâncias, uma linguagem diferente, pois os Espíritos_superiores jamais se contradizem. Quem esteja pouco iniciado nos mistérios do mundo espiritual, sabe com que facilidade certos Espíritos se adornam de nomes emprestados para darem mais crédito às suas palavras; pode-se disso concluir, com certeza, que se duas comunicações radicalmente contraditórias quanto ao fundo do pensamento, levam o mesmo nome respeitável, uma das duas é necessariamente apócrifa.
  • Dois meios podem servir para fixar as ideias sobre as questões duvidosas:

    • O primeiro é submeter as comunicações ao controle severo da razão, do bom senso e da lógica. É uma recomendação que fazem todos os bons Espíritos, e que procuram não fazer os Espíritos_enganadores que sabem muito bem não poder senão perder com um exame sério e, por isso, evitam a discussão e querem ser acreditados sob palavra.
    • O segundo critério da verdade está na concordância do ensinamento. Quando o mesmo princípio é ensinado sobre vários pontos, por diferentes Espíritos e médiuns estranhos uns aos outros, e que não estão sob a mesma influência, pode-se disso concluir que ele é mais Verdadeiro que aquele que emana de uma só fonte e se encontra em contradição com a maioria (O Livro dos Médiuns, cap. XXVII: As contradições e as mistificações . Revista Espírita, abril, 1864, página 99:Autoridade da Doutrina Espírita - A Moral do Evangelho Segundo o Espiritismo, introdução, página VI).

Allan Kardec

[78 - Contradições]

Ver também:
*