Médiuns charlatães
página acima

Crianças e Adolescentes
DESAPARECIDOS
*

DO CHARLATANISMO E DO EMBUSTE

[17b página408]

  • Certas manifestações_espíritas se prestam, bastante facilmente, à imitação; mas porque elas puderam ser exploradas, como tantos outros fenômenos, pelo malabarismo e pela prestidigitação, seria absurdo disso concluir que elas não existem. Para aquele que estudou e que conhece as condições normais nas quais elas podem se produzir, é fácil distinguir a imitação da realidade. A imitação, de resto, não poderia jamais ser completa e não pode enganar senão o ignorante, incapaz de apreender as nuances características do fenômeno verdadeiro.
  • As manifestações mais fáceis de serem imitadas são certos efeitos
    físicos e efeitos inteligentes vulgares, tais como

    os movimentos,

    as pancadas,

    os transportes,

    a escrita direta,

    as respostas banais, etc; omesmo não ocorre com comunicações inteligentes de alta impcadaortância.

    ____----
    Para imitar as manifestações de efeito físico, não é preciso senão a habilidade; para simular as outras, seria preciso, quase sempre, uma instrução pouco comum, uma superioridade intelectual fora do normal, e uma faculdade de improvisação, por assim dizer, universal.

  • Aqueles que não conhecem o Espiritismosão levados a suspeitarem da boa-fé dos médiuns; o estudo e a experiência lhes dão os meios de se assegurarem da realidade dos fatos. Fora disso, a melhor garantia que podem encontrar está no desinteresse absoluto e honorabilidade do médium; há pessoas que, pela sua posição e seu caráter, escapam a toda suspeição. Se a atração do ganho pode excitar a fraude, o bom senso diz que, onde não há nada a ganhar, o charlatanismo nada tem afazer. (O Livro dos Médiunsmédiuns interesseiros, fraudes espíritas, nº 300 - Revista Espírita, página 52).
  • Entre os adeptos do Espiritismo, encontram-se os entusiastas e os exaltados, como em todas as coisas; esses são, em geral, os piores propagadores, porque se duvida da sua facilidade em tudo aceitar sem um exame aprofundado. O espírita esclarecido se defende do entusiasmo que cega, observando a tudo friamente e com calma; é o meio de não ser vítima nem de ilusões, nem de mistificadores. À parte toda questão de boa-fé, o observador novato deve, antes de tudo, inteirar-se da gravidade do caráter daqueles a quem se dirige.

Allan Kardec

[78 - Charlatanismo]

Ver também:
*