Estão Banalizando o Amor
página acima

-
Crianças e Adolescentes
DESAPARECIDOS
*

ROOSEVELT PINTO SAMPAIO

____Quando falamos de amor, lembramos que o Mestre nos apresentou sua expressão mais clara na seguinte assertiva:

  • Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu espírito; este o maior e o primeiro mandamento.
  • E aqui tendes o segundo, semelhante a esse: Amarás o teu próximo, como a ti mesmo. – Toda lei e os profetas se acham contidos nesses dois mandamentos. (Mateus, 22:34-40.)

____Esse é o verdadeiro sentido do amor!

____Nada tem a ver com a simples redução ao amor-sexo que nos dias de hoje se põe tão em evidência, cantando-se-lhe loas, estimulando-o em todas as idades, dos jovens aos velhos, num desvirtuando do seu significado.

____Os jornais publicam páginas de anúncios com ofertas de relações sexuais, incluindo fotos eróticas e, também, anúncios sofisticados de motéis oferecendo e incitando ao sexo e ao prazer como sendo o amor. Os meios de comunicação de massa mostram, com freqüência e naturalidade, a versão do amor-sexo, usando cenas picantes e impróprias, em face do exibicionismo que tentam passar como sendo o significado do amor.

____Isso é amor?

____Amor é sexo responsável, tem por objetivo a procriação para, de um lado, assegurar a manutenção da espécie e, de outro, constituir as famílias que receberão Espíritos a elas confiados, para que possam contribuir com sua formação e com a geração de condições de evolução e melhoramento na jornada terrena para que foram enviados.
____EMMANUEL adverte: Não devemos esquecer que o amor sexual deve ser entendido como o impulso da vida que conduz o homem às grandes realizações do amor divino, através da progressividade de sua espiritualização no devotamento e no sacrifício. [1]

____AMOR é amizade; nada se construirá de sólido entre um homem e uma mulher se não existir a amizade como embasamento da relação que se estabelece entre eles. Ela será a base de sustentação da futura família que venha a se formar.

____Através do amor o homem se renova, se reergue, se livra do abatimento. Como nos diz Léon Denis: O amor é o sentimento superior em que se fundem e se harmonizam todas as qualidades do coração; é o coroamento das virtudes humanas, da doçura, da caridade, da bondade; é a manifestação na alma de uma força que nos eleva acima da matéria, até alturas divinas, unindo todos os seres e despertando em nós felicidades íntimas, que se afastam extraordinariamentede todas as volúpias terrestres.[2]

  • O amor é trabalho, ação e serviço pois nos propicia realizar esses valores imprescindíveis ao nosso melhoramento. Amor é caridade que permite que nossos bons sentimentos possam aflorar quando nos identificamos com o nosso próximo em seus sofrimentos, suas dificuldades, sua doença, seus problemas, fazendo aquilo que nos for possível para ajudar, consolar, contribuindo para amenizar a situação e fazendo com que se resigne à vontade do Pai.
  • O amor deve ser interpretado como proveniente do infinito amor que Deus dedica a seus filhos, com o fito de purificar nossas almas para atingirmos o objetivo para nós delegado de desejar a perfeição para que Ele, nosso criador, possa nos oferecer suas eternas graças.
  • O amor indica sempre como devemos cooperar na felicidade daqueles a quem nos devotamos.
  • O amor é a fonte donde brotam todas as virtudes com que deveis fertilizar a vossa existência tornando-a capaz de dar bons frutos.[3] É a via mais certa e fácil que temos de trilhar para o nosso aperfeiçoamento.
  • O amor não pode ser entendido como algo egoísta. Não é possessivo nem físico. Ele se realiza no plano espiritual. A partir daí irá se libertar tornando-se mais amplo, fazendo um bem cada vez maior aos seus participantes.

____Quem ama é capaz de sacrifícios, daí citar-se, constantemente, o amor materno como o seu tipo mais puro, em que a abnegação é uma constante e que de tudo é capaz para expressá-lo.

____Muitas são as formas pelas quais se pode ver o amor se manifestar. Desinteressadamente, muitos grupos se ocupam em realizar visitas fraternas a doentes em sanatórios, indo a asilos onde um grande número de velhinhos lá estão abandonados e ficam ávidos à espera daquelas visitas, que muitas vezes levam pequenas utilidades a eles, e que semanalmente lhes dão alegria. Da mesma forma dão-se as visitas a orfanatos levando amor às crianças que lá estão, sedentas de carinho e atenção, criando muitas vezes sólidas amizades e mesmo porque aqueles que por eles se interessam tornam-se extremamente importantes, animando o grupo infantil em períodos repetidos. O mesmo se repete em hospitais infantis, principalmente nos hospitais de câncer.

____Encontramos a sociedade preocupada com o amor. Tanto as associações particulares, bem como as ONGs lançam-se às mais diferentes tarefas caritativas onde o amor é o cerne destas atividades. Aos poucos o combate ao egoísmo vai se implantando, até que em um dia o predomínio do amor venha a existir.

____é Joanna de Ângelis que assim se reporta ao amor: Inserto no espírito por herança divina, revela-se a princípio como posse que retém, desejo que domina, necessidade que se impõe, a fim de agigantar-se, logo depois, em libertação do ser amado, compreensão ampliada, abnegação feliz, tudo fazendo por a quem ama, sem imediatismo, nem tormento, nem precipitação. Sabe esperar, consegue ceder, lobriga entender sempre e sempre desculpar. O amor é tudo. Resume-se em amar.[4] (Grifo da Autora espiritual.)

____Lembremo-nos que o amor é uma bênção de Deus e desse modo ele expressa beleza de sentimentos, e pela lei que o Mestre nos apresentou representa a expressão mais clara da fraternidade. [l]

Referências Bibliográficas:

[1] XAVIER, Francisco Cândido. O Consolador. Pelo Espírito EMMANUEL. 16. ed. Rio de Ja-neiro: FEB, 1993, cap. 2, q. 184, p. 11.

[2] DENIS, Léon. Depois da Morte. 18. ed. Rio de Janeiro: FEB, 1994, cap. 49, p. 282-283.

[3] ROUSTAING, J.-B. (coord.). Os Quatro Evangelhos: Espiritismo Cristão ou Revelação da Revelação. Pelos Evangelistas assistidos pelos Apóstolos e Moisés. Trad. de Guillon Ribeiro. 7. ed. Rio de Janeiro: FEB, 1988, v. 3, p. 209.

[4] FRANCO, Divaldo Pereira. Estudos Espíritas. Pelo Espírito Joanna de Ângelis. 5. ed. Rio de Janeiro: FEB, 1999, cap. 21, p. 159-160.

Revista REFORMADOR Julho de 2001

*