Relato de um jovem soldado - Espírito
-
Crianças e Adolescentes
DESAPARECIDOS
*

____Este caso também é tirado da Light (1925, página 234).
____Apenas foram publicadas as iniciais – K. H. R. D. – do narrador experimentador, que é uma personagem bastante conhecida e que mantém relações pessoais com o diretor da revista.
____Procedeu ele das notas seguintes o texto das comunicações:

  • “Nas mensagens que vou reproduzir aqui, o Espírito que se comunicava era o de um jovem soldado que se alistara como voluntário no começo da grande guerra e fora morto logo no primeiro ano desta. Sua identidade pessoal foi previamente examinada e comprovada, por meio de sistemas de investigações rigorosamente científicos (especialmente pelo método das “correspondências cruzadas”. As sessões de que se trata realizaram-se no correr dos meses de maio e junho de 1918. Esta publicação de uma parte das mensagens obtidas se dá para satisfazer ao desejo manifestado por um metapsiquista eminente, que observou não dever ser privada de publicidade uma série tão importante de informações acerca da existência espiritual – série que contribuía para aumentar o valor cumulativo das “revelações transcendentais”. E acrescentava:
    • “E isso tanto mais quanto são ainda numerosos os pesquisadores que pensam nada se haver até agora obtido de importante e concordante, relativamente às modalidades de existência espiritual.”

____Como o Espírito que se comunicava dissera que, durante o período da guerra, estivera encarregado de assistir os soldados que tombavam nos campos de batalha, foram-lhe pedidos esclarecimentos sobre esse assunto e ele respondeu assim:

  • “Eles chegam ao mundo espiritual com os sentimentos que os dominavam no momento da morte.

    • Alguns julgam estar ainda combatendo: tem-se que os acalmar.
    • Outros imaginam que ficaram loucos, por se haver transformado de súbito o meio em torno deles. Nada disto certamente vos surpreenderá, porquanto podeis imaginar em que terrível estado de tensão de espírito, bem semelhante à loucura, se empenham as batalhas.
    • Há outros que pensam ter sido gravemente feridos, sem se haverem apercebido disso. É , aliás, o que efetivamente lhes aconteceu, com a diferença, entretanto, de que supõem terem sido transportados para um hospital de sangue e pedem explicações sobre o estado em que se acham. Temos, primeiro, que procurar distraí-los gracejando, e só pouco a pouco os levar a compreender a verdadeira significação do pretendido hospital em que se encontram.
    • Há também os que acolhem com real satisfação a notícia de que morreram; estes são os que, no curso da vida horrível das trincheiras, passaram os limites extremos do que a sensibilidade humana pode suportar. O mesmo já não se dá com os outros, que deixam no mundo pais a quem amam com ternura; neste caso, temos que os conduzir gradualmente à realidade do estado em que se encontram, com um tato e uma delicadeza infinitos.
    • Muitos há, tão fatigados, que nenhuma energia mais lhes resta para deplorarem coisa alguma; esses não demoram em entrar no período do sono reparador.
    • Há, finalmente, os que tinham previsto a morte iminente, vendo o obus descer do alto; esperavam o fim, com a sua explosão inevitável.
  • Entre estes últimos, muitos se contam que caem no sono logo que desencarnam; isto se produz, quando faziam ideia de que a morte era o aniquilamento; o período do sono reparador se adapta então imediatamente às suas convicções a respeito. Esses não precisam de explicações, ou de socorro, até ao termo do período de repouso, que se prolonga, às vezes, por muito tempo, quando suas convicções, no tocante à inexistência da alma, eram profundamente enraizadas...”

____Nesse momento, dirigindo-se ao experimentador, o Espírito que se comunicava emite uma observação sobre as modalidades em que a sua mensagem é transmitida. Essa observação é muito significativa, no sentido da autenticidade transcendental da mensagem em questão. Com efeito, interrompendo-se, observa o Espírito:

  • “Verifico que consigo muito melhor transmitir o meu pensamento ao médium, deixando-o livre de revestir com suas próprias palavras o que lhe transmito. Percebeste que o estilo mudou de repente? Limito-me agora a lhe transmitir o meu pensamento, que a sua mentalidade percebe, assimila e reveste do seu estilo literário bem conhecido.
  • P. – Caíste imediatamente em sono?
  • R. – Não, precisava, antes de tudo, de cuidados, porque eu compreendera a sorte que me aguardava.
  • – Compreendeste... que?
  • – Sabia estar gravemente ferido e esperava morrer de um instante para outro. Entretanto, quando a morte se deu, não estava bem certo do que me acontecia. Perguntava a mim mesmo se não estaria a sonhar. Esse sonho, porém, me parecia muito agradável, pois que me via cercado de atenções e comoventes cuidados. Comecei então a suspeitar da verdade; mas, os Espíritos que me assistiam me haviam colocado num certo meio, que me parecia uma sala de hospital, provida de todo o conforto moderno. Tinham-me tratado tão bem, que já não sofria; haviam, enfim, cerrado as janelas, dizendo a todo mundo que era preciso dormir.
  • Quando despertei, tive a intuição nítida de que me achava no mundo espiritual.
  • – Alegraste-te com o sabê-lo?
  • – De certo modo, sim, visto que já me familiarizara com essa ideia; aliás, o fato de estar cercado de tantos cuidados era de molde a me reconfortar. Agora, sou eu quem cerca das mesmas atenções os meus camaradas, que chegam em tão grande número ao mundo espiritual...”

____Neste ponto, o Espírito se dirige ao médium, dizendo:

  • “Transcreveste fielmente até à última sílaba o que te transmiti. Retomarei em breve a minha mensagem; mas, neste momento, me retiro um pouco e te deixo livre de conversares por tua conta...

____O médium – Que estranho que é! Percebo agora o Espírito por detrás de mim. Está aqui (indica o lugar). Experimento uma sensação curiosa: sinto-me aqui onde se acha o meu corpo e, no entanto, tenho a impressão de estar nele (no Espírito) uma parte de mim mesmo. Presentemente, sua forma ocupa parcialmente o mesmo lugar onde se acham minha cabeça e meus ombros; porém, ela se prolonga um pouco para trás do limite do meu corpo. Diz-me ele, agora, que vai retomar a narrativa interrompida.”
____Continua assim o Espírito:

  • Quando se sai do sono reparador, as coisas mudam de aspecto; é um estado d’alma difícil de explicar; esforçar-me-ei o mais que possa para me fazer compreendido.
  • Antes do sono, sempre se guarda, em parte, a ilusão de ser-se ainda a mesma pessoa que precedentemente. Esse_estado_de_incerteza gera a lassidão.

    • O Espírito ressente a necessidade de repousar, de dormir; cai, afinal, adormecido.
    • Durante o sono, transformações notáveis se produzem; mas, ainda não estou em condições de te esclarecer a este respeito.
    • Hás de compreender que não se trata do sono que conheces; é, contudo, a melhor analogia, para te dar desse estado uma ideia, tanto mais quanto não ignoras que, mesmo no sono fisiológico, se produzem fenômenos que ninguém chega a explicar.
    • Em todo caso, quando desperta, o Espírito se sente um outro ser. Sabe que se acha num meio espiritual e que é um Espírito; tal qual como quando, no mundo dos vivos, uma pessoa acorda com a solução de um problema que lhe parecera insolúvel antes de adormecer.
  • Os que desencarnam com a convicção da existência de uma vida de além-túmulo não necessitam dormir, a menos que cheguem ao mundo espiritual esgotados por longa enfermidade, ou deprimidos por uma vida de tribulações. Na prática, poucos há que não necessitem de um período mais ou menos longo de sono. Este é mais ou menos prolongado e mais ou menos profundo conforme a dificuldade que o Espírito encontra para se adaptar às novas condições.
  • Vou agora dizer-te as impressões que experimentei, ao despertar do sono. Tinha plena consciência de estar vivo, isto é, de que saíra daquele estado de incerteza em que se tem a ilusão de estar ainda no meio terrestre e sonhar.
  • Depois do despertar, ao contrário, sabe-se, conhece-se. Não se tem mais a impressão de estar sonhando.
  • Os_Espíritos_muito_inferiores, que permanecem ligados à Terra (earthbound), não gozam do benefício do sono reparador; por conseguinte, perseveram na ilusão de estarem ainda vivos e presas de estranho sonho. Não esqueçais, pois, que os Espíritos ligados à Terra, ou Espíritos “assombradores”, são os que vivem perpetuamente nessa ilusão...
  • Uma enorme curiosidade é o primeiro sentimento que assalta aquele que desperta com a plena consciência do que somos e do lugar onde nos encontramos, isto é, sabendo que somos Espíritos sobreviventes à morte do corpo e que nos achamos em outro plano da existência. Essa curiosidade é acompanhada, naturalmente, de um grande desejo de explorar o novo meio, de saber cada vez mais a seu respeito. Verificamos, primeiramente, que há em torno de nós “coisas” é a primeira observação que nos enche de espanto, tanto mais que essas “coisas” parecem da mesma natureza que as que conhecemos na Terra, ainda que também pareçam diferentes, mas de modo difícil de compreender-se. Elas são reais, absolutamente reais; isto vemo-lo bem e, no entanto, temos a intuição de que são apenas temporárias e que apenas correspondem ao estado espiritual que se segue ao despertar.
  • Em seguida, não tardamos a descobrir (e isto é muito curioso e interessante) que podemos transformar certas coisas que vemos em torno de nós, unicamente pelo desejarmos que elas se transformem. Porém, não o podemos fazer senão com objetos de pouca importância. Assim, por exemplo, se percebo aos meus pés uma agulha de pinheiro e me ponho a desejar que ela se torne uma agulha de aço, ei-la mudada numa verdadeira agulha de coser, que posso apanhar e observar. Não poderíamos, entretanto, transformar os objetos volumosos e, ainda menos, o meio em que vivemos. E não poderíamos fazê-lo, porque a paisagem que nos rodeia não é somente “cenário” nosso; é o “cenário” de todos os Espíritos. Podemos transformar coisas pequeninas, quando isso a ninguém aborreça, a ninguém prejudique. Depois de repetidas experiências dessa natureza, começa-se a compreender a verdade, isto é, que o meio onde vivemos é, na realidade, constituído unicamente de “ formas_pensamento” e de “projeções da memória” que tudo isso está organizado com o fim de tornar mais fácil, aos Espíritos recém-chegados, o período de transição da existência terrestre para a existência espiritual propriamente dita. E muito aprendemos a esse respeito, procurando em torno de nós tudo o que estejamos em condições de transformar por um ato da vontade e tudo o que se conserva inalterado, apesar dos esforços da vontade.
  • Não falei até aqui senão das nossas percepções e realizações; há, todavia, muitas coisas que não podemos aprender pela simples observação do meio espiritual. Assim, por exemplo, tem-se que aprender como se produzem efetivamente as conversações e as trocas de ideias entre os Espíritos que se acham na mesma fase de desenvolvimento. A princípio, afigura-se-nos que os Espíritos conversam da mesma maneira que o faziam na Terra, quando vivos; apenas se experimenta, desde o começo, a curiosa sensação – que também muitas vezes se verifica no mundo dos vivos – de compreender-se muito mais do que o que se formula verbalmente. Mas, no meio espiritual, esse sentimento é de contínuo experimentado e é infinitamente mais forte do que o que se produz no mundo dos vivos. Não custamos, pois, a compreender que a nossa conversação, por meio da palavra, não constitui mais do que uma espécie de superestrutura artificial, substancialmente inútil para a permuta das nossas ideias, que, na realidade, se opera diretamente, pela transmissão dos pensamentos...”

____Para melhor ilustrar, posteriormente, essa grande verdade, julgo útil reproduzir longo trecho de um artigo que publiquei, há algum tempo, sobre o mesmo assunto. Reportando-me às revelações transcendentais, em geral, raciocinava assim:

  • “Estes informes que acabo de reproduzir concordam exatamente com o que se lê na obra do prof. Oliver Lodge, intitulada Raymond. Toda gente se lembra da referida ironia e das vulgares chacotas dos jornalistas, a propósito de uma afirmação análoga às que precedem, porém mais específicas, do Espírito “Raymond”, que tivera ocasião de aludir à anedota seguinte:
    • “Outro dia, chegou um soldado que desejava fumar um charuto. Logo lhe apresentaram uma coisa cuja aparência era bem a de um charuto. O soldado a tomou avidamente; porém, pondo-se a fumá-lo, não experimentou a satisfação habitual, pelo que, depois de haver consumido quatro, deixou para sempre de pedi-los. É o que se dá com todos os Espíritos recém-chegados: não encontram a mesma satisfação que antes nesses hábitos voluptuosos, adquiridos no mundo dos vivos, e os perdem. Entretanto, quando chegam aqui, ainda estão influenciados pelas tendências que os dominavam na Terra. Assim, alguns há que pedem de comer; outros desejariam beber um gole de uísque. Não tens que te espantar, se eu te disser que há meio de serem contentados, fornecendo-se-lhes qualquer coisa que se assemelhe ao que eles reclamam. Somente, desde que hajam saboreado uma ou duas vezes a coisa desejada, não mais sentem dela necessidade e a esquecem...” (Raymond, págs. 197-198).
  • Eis aí o que refere a personalidade mediúnica de “Raymond”, que, conforme o disse eu, não faz mais do que relatar anedotas análogas a outras narradas precedentemente por muitas personalidades_mediúnicas. Mas, ao mesmo tempo, importa notar que as personalidades em questão jamais deixaram de advertir que se não tratava de alimentos, de bebidas, de tabaco, porém de criações efêmeras do pensamento, não tendo por fim senão trazer, gradualmente e sem abalos emocionais, aqueles Espíritos à realização das condições em que se encontram, ainda excessivamente dominados pelos hábitos contraídos na existência terrestre, de modo a não ficarem consternados, como ficariam, se viessem a saber bruscamente que se achavam na condição de Espíritos desencarnados, ou, mais exatamente, “de Espíritos desprovidos de corpo”.
  • Em suma, o Espírito do defunto “Raymond” nunca pensou em afirmar que no meio espiritual se fumavam charutos autênticos, nem se bebia uísque feito de álcool. Os jornalistas, porém, não atentaram bem nisso e se serviram do episódio em questão para provocar a hilaridade das massas, anunciando que no paraíso dos espíritas se fumam “havanas” e se saboreia uísque!
  • Quem se disponha a considerar os fatos, de um ponto de vista sereno e objetivo, não poderá deixar de logo reconhecer que os fenômenos anímicos da “fotografia do pensamento” e da “ ideoplastia”, tais como se realizam experimentalmente no mundo dos vivos, já servem para confirmar, apoiando-a em fatos incontestáveis, a afirmação fundamental contida na revelação com que nos ocupamos. Com efeito, se o pensamento é uma força criadora durante a existência terrena, nada há de absurdo e de insustentável em o fato de que, nas esferas espirituais, ou, mais exatamente, na esfera preparatória da existência espiritual propriamente dita, a força_criadora_do_pensamento se exercite espontaneamente sobre essências etéreas – por assim dizer – para produzir “duplicatas” efêmeras de todos os objetos, de toda substância terrestre, e que essa faculdade do Espírito seja empregada com relação aos Espíritos pouco elevados, dominados ainda pelas tendências voluptuosas trazidas da Terra.
  • Esses Espíritos são assim preparados gradualmente, graças a convenientes ilusões dessa espécie, a se adaptarem à mudança radical que sofrem subitamente e que uma oportuna condição psicológica, análoga ao sonambulismo, lhes não permite reconhecer no primeiro momento. Parece que os que mais necessitam desse gênero de ilusões benfazejas são os Espíritos daqueles que entraram na existência espiritual por efeito de uma morte violenta ou repentina, como se dá justamente com os soldados que tombam em guerra, ou com os que sucumbem de súbito a uma apoplexia, a uma síncope, ou a infortúnios acidentais.
  • Nessas condições, tem-se o direito de perguntar o que há de absurdo, de ridículo, de inconciliável com a existência espiritual, em tudo o que descrevem as personalidades mediúnicas. Dever-se-ia dizer, muito ao contrário, que nada há de mais racional, do ponto de vista psicológico e terapêutico, do que esses processos de “desabituar”, empregados nas esferas espirituais, para libertar gradualmente os Espíritos desencarnados das tendências voluptuosas adquiridas no curso da existência terrestre, processos absolutamente análogos aos adotados na Terra para “desabituar” os alcoólicos e os morfinômanos, aos quais não se interrompem bruscamente os hábitos viciosos, pois que isso provocaria graves perturbações funcionais. O que se faz é submetê-los, mediante lenta graduação, a um uso cada vez mais restrito das doses de álcool ou de morfina. Vale, portanto, a pena perguntar, ainda uma vez: Por que se haveria de considerar absurda e ridícula a informação de que, no mundo espiritual, se segue o mesmo racional sistema, para fazer que os Espíritos desencarnados abandonem os hábitos viciosos que contraíram na Terra? Não são idênticas as leis psicológicas a que se acham sujeitos o Espírito encarnado e o desencarnado? Sendo assim, por que os processos para desabituar, eficazes e indispensáveis num estado de existência, seriam menos eficazes e menos indispensáveis no outro? Não haveria razão para notar-se que as ironias ferinas dos jornalistas e a hilaridade das massas apenas demonstram a profunda ignorância de uns e outras acerca de um assunto que os fenômenos de “fotografia do pensamento” e de “ideoplastia”, de um lado, e os processos de análise comparada, de outro, provam, ao contrário, ser digno da mais séria consideração? E, se os processos de análise comparada chegassem um dia a provar definitivamente que um fundo incontestável de verdade existe nesse tema, então, longe de considerá-lo merecedor somente de desprezo, teríamos todos que mostrar verdadeira sabedoria, examinando-o sistematicamente, com enorme vantagem para a Humanidade.”

____Assim me exprimia eu, no artigo que publiquei sobre o assunto, e não creio que haja mister acrescentar-lhe coisa alguma, a não ser uma observação de ordem geral, relativamente à natureza das projeções do pensamento no meio espiritual. Se, do ponto de vista da evolução ulterior do Espírito, essas “projeções” deveriam ser consideradas efêmeras, não menos verdadeiro é que, do ponto de vista da existência espiritual nas esferas em que se produzem tais manifestações, elas deverão, ao contrário, ser consideradas substanciais. Admitamos, com efeito, a existência de um meio espiritual, cuja densidade específica seja constituída de “éter vitalizado”. Em um mundo assim constituído, mesmo a paisagem geral (provável projeção da vontade de entidades superiores, prepostas à direção das esferas espirituais em questão), assim como as projeções particulares das vontades dos Espíritos, deveriam ser consideradas reais, absolutamente reais, pois que teriam a mesma consistência que o organismo espiritual dos seres que o habitam e seriam constituídas do mesmo elemento imaterial. É assim, aliás, que as coisas de que estamos cercados nos aparecem consistentes, no meio terrestre. É que este é constituído dos mesmos elementos físicos que compõem o organismo corporal de que somos revestidos.
____Passando a outras informações importantes, contidas na mensagem a cuja análise me propus, assinalarei o interesse que apresenta o parágrafo referente aos Espíritos_muito_inferiores, cujas paixões e aspirações terrenas continuariam a dominá-los a ponto de os prender por tempo mais ou menos longo, ao meio onde viveram. Seguir-se-ia que, excluídos do sono_reparador, permaneceriam na ilusão de estarem ainda vivos, porém presas de um sonho singular. Esta última informação, que, na narrativa da entidade cuja mensagem se vai ler, não passa de simples episódio, apresenta, na realidade, imensa importância teórica, porque basta para dissipar uma outra das mais formidáveis incertezas, que impediam de reconhecer-se a proveniência, estranha ao médium e, por conseguinte, espírita, de toda uma categoria de manifestações supranormais: a dos fenômenos de “assombramento”, nos quais se verifica o detalhe de um fantasma repetir constantemente a mesma ação, como, por exemplo, a de passear ao longo de um corredor, conservar-se ao lado de uma lareira apagada, contar dinheiro avidamente perto de um cofre-forte que realmente existe na casa assombrada. Ora, do ponto de vista da proveniência espírita dos fenômenos em questão, não se sabia como explicar essa repetição invariável do mesmo episódio, de cada vez que o fantasma aparecia. Era-se então levado a recorrer a outras hipóteses que, muito gratuitas, forçadas e, sobretudo, impotentes para bem explicar o conjunto dos fatos, pareciam menos inverossímeis do que a espírita. Ora, o esclarecimento constante da frase de que se trata resolve de modo simples e racional o formidável problema. Com efeito, se se admitir que há Espíritos desencarnados, que as suas paixões terrenas os dominam a ponto de os prenderem ao meio onde viveram, perdendo assim o benefício do sono reparador e permanecendo longo tempo em condições psíquicas especiais (análogas ao “sonambulismo vígil” dos hipnotizados), crendo-se ainda vivos, mas presas de um sonho curioso, ou de um horrível pesadelo, explicada se torna a repetição monótona do mesmo episódio, nos casos dos fantasmas “assombradores”. Dever-se-ia, efetivamente, concluir daí que esses Espíritos se acham presas de um “ monoideísmo”, que os obriga a repetir automaticamente uma determinada ação, que lhe era costumeira quando vivos, ou então a cena obsidente de uma obra má que praticaram. É , aliás, o que se dá nos casos dos “monoideísmos” experimentalmente provocados em pacientes hipnotizados, monoideísmos que são executados e renovados sem interrupção pelo paciente, até ao instante em que o experimentador retira a sugestão que dera.

[106 - páginas 70 / 84] - Ernesto Bozzano - (Gênova, 9 de janeiro de 1862 - 24 de junho de 1943)

Ver também:
*