página acima: Jesus
Jesus - O retorno do deserto
-
Crianças e Adolescentes
DESAPARECIDOS
*

____Quando saí do deserto e pus o pé na estrada em direção a minha aldeia de Nazaré, ainda estava exultante, exuberantemente feliz com o conhecimento_tão_gloriosamente_revelado_a_mim_no_deserto. Fixei completamente meus pensamentos em tudo o que havia aprendido e, se meus pensamentos se perdiam nas minhas antigas formas negativas de pensar, rapidamente me voltava para o "Pai" para receber inspiração e determinação para superá-los. Desta forma, eu voltava constantemente à Luz da consciência e do entendimento.
____Algumas pessoas me olhavam com desconfiança, vendo minha alegria e também minha aparência suja e descuidada. Será que eu estava bêbado? - perguntavam-se. Outros me olhavam com aversão. Ao invés de reagir com raiva, como fazia no passado, eu lembrava que havia sido abençoado com visões e conhecimento que eles não podiam nem imaginar. Abençoei-os, rezei para que sua visão interior se abrisse de maneira semelhante e continuei em paz o caminho até minha casa.
____Entretanto, alguns aldeões olharam com compaixão para meu lamentável aspecto e correram para suas casas para buscar-me pão e mesmo vinho, para ajudar-me a continuar o caminho. Havia sempre alguém que me oferecia abrigo para a noite. O "Pai Vida" de fato supriu todas as minhas necessidades e me deu toda a proteção necessária.
____Durante todo esse tempo, eu não disse nem uma palavra a respeito das minhas_semanas_no_deserto. Sentia que ainda não era o momento. Por fim cheguei a minha aldeia, Nazaré, e o povo caçoou abertamente de mim, apontando meu aspecto imundo e minha roupa rasgada. "Vagabundo, preguiçoso, sujo" foram algumas das palavras mais amáveis que me lançaram.
____Cheguei à porta de minha mãe com um sentimento de pavor, pois eu sabia que ela ficaria mais chocada do que seus vizinhos ao me ver diante dela: magro, mostrando os ossos sob a pele, os olhos fundos, as bochechas vazias, a face queimada, os lábios rachados do sol, a barba longa e embaraçada. E a roupa! Ficaria furiosa ao ver minha roupa - sua cor original totalmente irreconhecível pelo pó do deserto e o tecido desfeito e rasgado. Subi os degraus e preparei-me para aguentar a fúria de minha mãe. Quando chamei, minha irmã veio à porta. Olhou-me boquiaberta, assustada e com os olhos arregalados e bateu-me a porta na cara. Ouvi-a correr para os fundos da casa, gritando:
____- Mãe, venha depressa, há um homem velho e sujo na porta.
____Escutei minha mãe resmungando irritada para si mesma, enquanto corria para a porta. Abriu-a de repente e ficou paralisada pelo choque. Eu sorri por um momento,' ela olhou-me de cima a baixo cada vez mais horrorizada ao dar-se conta de que este homem de terrível aspecto era de fato seu filho rebelde, Jesus.
____Estendi minha mão para ela, dizendo:
____- Sei que causo pena a você, mas pode ajudar-me?
____Imediatamente sua expressão mudou e, levando-me para dentro, trancou a porta.
____- Depressa, - disse para minha irmã assustada. Deixa de escândalo e põe água para ferver. Seu irmão está morto de fome. Não importa em que confusão se meteu, ele é da família. Temos que cuidar dele.
____Suavemente me ajudou a tirar a roupa, inclinou-me sobre um grande recipiente de água e esfregou-me até ficar limpo. Lavou-me, cortou meu cabelo e barba e cuidadosamente cobriu as feridas do meu corpo e lábios com uma pomada cicatrizante. Nenhum de nós quebrou o silêncio. Saboreei o amor que ela me demonstrou e tentei demonstrar minha gratidão com uma atitude mais doce e sensível.
____Depois de vestir-me uma túnica limpa, ela serviu-me uma refeição frugal de pão, leite e mel. Relutante, deu-me vinho para recuperar as forças, embora estivesse claro que ela pensava que era o vinho a grande causa de minha terrível situação. Então conduziu-me até a cama e cobriu-me. Dormi por várias horas e acordei revigorado pela luminosa manhã de sol que se via pela janela.
____Eu agora estava ansioso para falar com minha mãe e dizer-lhe que eu era de fato um Messias, mas não daquele tipo que imaginava o povo Judeu.

  • Eu podia salvar as pessoas das más consequêncías de seus "pecados".
  • Podia ajudá-las a encontrar saúde, abundância, a satisfação de suas necessidades, porque agora podia ensiná-las exatamente como havia sido criado o mundo.

____Assim que comecei a falar, ela começou a ficar encantada e animada. Pulou de pé e quis sair correndo para contar aos vizinhos que seu filho era realmente o Messias - deveriam ouvir a maneira como ele falava - e ele havia jejuado no deserto!
____Mas eu a impedi de fazer isso. Eu disse que ainda não havia contado a ela o que me fora revelado. Uma das coisas mais importantes que havia aprendido era que os Judeus Ortodoxos estavam completamente equivocados a respeito de suas crenças num "Deus" vingativo. Não havia tal coisa!
____Isto a deixou contrariada e desconcertada, então exclamou:

  • Como, então, Jeová vai governar o mundo e nos tornar bons e nos fazer escutar seus profetas, se não nos castigar?
  • Agora você ficou tão importante que pode ensinar aos Sumos Sacerdotes o seu próprio trabalho, que foi transmitido a eles desde o tempo de Moisés?
  • Vai trazer ainda mais vergonha para esta casa?

____Ela começou a chorar e disse com raiva:

  • Você em nada mudou! Somente mudaram as coisas que diz.
  • Você só me trouxe dor!
  • Como pude acreditar que você seria um Messias?
  • Com suas ideias estranhas só levará nosso povo a maior tormento do que nunca!

____Meus irmãos a ouviram em prantos e vieram correndo, querendo colocar-me para fora de casa. Ofereci sair pacificamente, porque não queria mais alvoroço. Se essa era a forma de minha mãe reagir, eu poderia estar certo de que os demais também reagiriam da mesma forma ao que eu tinha para dizer. Percebi que precisava de paz de espírito, descanso absoluto e silêncio para colocar em ordem meus pensamentos e experiências. Teria que rezar e pedir inspiração para saber a melhor maneira de abordar os Judeus com minha mensagem de "boas-novas". Estava certo de que o "Pai Vida" atenderia a minha necessidade e que eu encontraria a acomodação mais conveniente em algum lugar. Minha mãe, embora furiosa com minha atitude de "grande cabeça-dura", estava atormentada por seus sentimentos de amor e compaixão por mim, devido ao estado deplorável em que me encontrava. Ela rejeitou tudo o que eu parecia representar - a rebeldia, o desprezo pela religião judaica, as atitudes contestadoras em relação à autoridade, meu caráter voluntarioso e arrogante. Mas ela ainda me amava e estava profundamente preocupada por me ver envolvido em problemas tão grandes quanto jamais havia pensado ser possível.
____Ela chamou a atenção de meus-írmãos dizendo que calassem a barulhenta discussão e virou-se para mim:

  • - Pode ficar aqui até que esteja melhor - disse ela.
  • - Talvez enquanto estiver por aqui, eu possa trazer bom-senso para você. Posso dizer que se sair às ruas falando da forma como o fez comigo, terminará em uma situação ainda pior do que agora. Pessoas boas vão cuspir e jogar seu lixo podre sobre você. Você é uma desgraça para esta família.

____Apesar de toda a sua raiva, ri e agradeci, beijando-a calorosamente. Fiquei contente, sabendo muito bem que, por trás de toda essa raiva, ela estava profundamente preocupada comigo. Alimentou-me bem e confeccionou-me boas roupas novas. Agradeci por tudo o que ela fez para melhorar minha aparência, porque sabia que para mover-me livremente entre os ricos e pobres deveria estar com roupas decentes e adequadas.
____Às vezes havia escassez de alimentos em casa. Recorrendo ao poder do "Pai", eu a reabastecia sem dizer nada. Ela também não disse nada. Eu sabia que ela se perguntava, com tristeza, se além de todos os meus péssimos hábitos eu agora também era ladrão.
____Então me pegou com um pão recém-saído do forno nas mãos. Ela sabia que eu não havia saído de casa para comprá-lo e também que o forno não havia sido usado naquele dia. Não me disse nada, mas me olhou de forma reflexiva. Eu pude ver então as suas atitudes mudarem. Ela já não estava mais tão certa de si. Ela começava a questionar a sua própria atitude em relação a mim e também a verdade acerca das minhas afirmações:

  • "O que realmente aconteceu com ele no deserto?
  • Como ele poderia fazer um pão sem usar o fogo, a farinha e o fermento?
  • O que isso significa? É ele o Messias"?

____Então meu irmão feriu sua mão. Ele sentiu muita dor quando o ferimento infeccionou. Permitiu-me colocar minhas mãos em sua ferida e fazer uma oração em silêncio. Eu podia ver que ele sentia o fluxo do "Poder" entrando em sua mão, porque ele me olhou de forma estranha. "A dor foi embora"- disse brevemente. Estava mal-humorado quando se afastou. E eu sabia que ainda que tivesse sentido alívio da dor, não havia gostado de que eu fosse capaz de ajudá-lo. Senti seu ciúme.
____Minha irmã havia queimado sua mão e outro irmão muitas vezes se queixava de fortes dores de cabeça. Fui capaz de curar os dois. Meus irmãos começaram a caçoar a respeito dos meus "poderes mágicos". Perguntavam-se que mal eu poderia fazer a eles, se me irritassem. A tensão em casa aumentou e senti a tristeza de minha mãe, que ansiava pela paz no lar. Mas ela viu mudanças em meu comportamento e sentiu-se reconfortada. Eu estava mais tranquilo, visivelmente controlava minhas prováveis explosões, continha minha energia, refreava minha impaciência e já não discutia mais. Tornei-me mais atencioso, ouvindo suas queixas de mulher, ajudando-a em casa, consertando os móveis quebrados, caminhando pelas colinas até fazendas distantes para encontrar as frutas e verduras que ela queria. Cheguei a amá-lIa com ternura e compaixão, como uma mãe deve ser amada.
____Um dia ela se aventurou a perguntar-me:

____- Você ainda acredita que jeová seja um mito?

____- Jó disse que, se Jeová retirasse sua respiração, toda a carne viria abaixo. Este é o "Jeová'' que vi e em quem acredito.

____- Ninguém viu a Jeová! - disse ela com firmeza.

____- Eu vi AQUELE que criou todas as coisas - respondi calmamente. Eu O chamo de "Pai" porque ELE é AMOR PERFEITO; um AMOR mais perfeito que o de uma mãe - acrescentei, sorrindo para ela. ELE trabalha dentro, através e para toda a SUA criação. É o "Pai" em mim quem tem trazido as coisas de que você necessita em casa e que curou a meus irmãos e irmãs tão rapidamente.

____Eu podia ver que ela estava começando a entender um pouco do que eu dizia.
____- E o que é o " castigo"?, perguntou-me.
____- Não existe "castigo" da forma como o compreendemos. Nascemos para nos comportarmos da forma como o fazemos. Temos que encontrar uma maneira de superar nossos pensamentos e sentimentos_humanos , porque estes nos separam da proteção do "PAI" e nos trazem as doenças e a miséria. Quando tivermos aprendido a superar o " eu ", então entraremos no Reino dos Céus.
____Minha mãe afastou-se silenciosa, claramente ponderando sobre o que eu dissera, mas não mais com raiva. Eu sabia que ela estava meditando sobre minhas afirmações e percebi que eu estava colocando de cabeça para baixo o seu seguro e bem conhecido mundo. Ela se sentia perdida e insegura sem a sua crença num Jeová ameaçador e terrivelmente vingativo, se a humanidade fosse indisciplinada. Perguntava-se no que o mundo iria se tornar se dependesse inteiramente dos homens controlarem as suas maldades e a dos outros. Mesmo os Reis e governantes eram malvados em suas ações. Sem Jeová para reinar e castigar os pecadores, onde iríamos parar?
____Enquanto restabelecia minhas forças, estudei as Escrituras cuidadosamente, para que pudesse encontrar-me com os Fariseus e Escribas de forma confiante. Também era absolutamente necessário que eu soubesse o que havia sido escrito a respeito do Messias porque estava convencido de que eu era "aquele" sobre quem os profetas haviam falado. Eu poderia verdadeiramente resgatar - salvar - as pessoas da doença, miséria e pobreza, restaurar-Ihes a saúde e a prosperidade, ensinando a verdade a respeito do Reino dos Céus e a Realidade do "Pai".
____Quando me senti suficientemente preparado para sair a ensinar e curar, para agradar a minha mãe concordei em ir num sábado na sinagoga de Nazaré e falar para a congregação. Como era o costume, levantei e me foi entregue o livro de Isaías para ler. Escolhi a passagem que profetizava a vinda do Messias que viria libertar o povo Judeu de todo tipo de escravidão.
____"O Espírito do Senhor está sobre mim, porque o Senhor me ungiu para pregar as boas-novas aos pobres. Ele me enviou para anunciar a libertação aos encarcerados e a recuperação da vista aos cegos, para libertar os oprimidos, para proclamar o ano da graça do Senhor."
____Então sentei-me dizendo:

  • - Hoje, vocês veem esta profecia cumprir-se em mim.

____Isto produziu choque e espanto no rosto dos homens, que me olhavam atônitos, mas eu continuei falando, sabendo que o "Pai" me diria o que falar. As palavras vieram sem hesitação.
____Falei de minha experiência no deserto e relatei a visão do bebê crescendo até a idade adulta, sendo envolvido inconscientemente em correntes_e_ataduras_mentais e assim ficando cego e aprisionado na escuridão interior, fechando-se para Deus. Expliquei que ao fazer isso, eles expunham-se à opressão de conquistadores, escravidão, pobreza e doenças.
____Porque Deus é LUZ - eu disse. E_LUZ_é_a_substância_de_todas_as_coisas_visíveis. E LUZ é o AMOR que faz todas as coisas para que o homem desfrute delas. Todas as bênçãos de abundância e saúde foram livremente disponibilizadas para aquele que amar a Deus com a mente, o coração e a alma e que viver estritamente segundo as Leis de Deus.
____Quando terminei, houve um completo silêncio na sinagoga. Senti que a congregação havia experienciado algo estranho, poderoso e que tinha sido elevada a um plano superior do pensamento. Desejei que nada interrompesse a tranquilidade transcendente daquele momento.
____Em seguida, começaram a sussurrar entre si. Eles se perguntavam quem eu era! Alguns estavam convencidos de que eu era Jesus, a pessoa cuja família era bem conhecida na aldeia, mas outros não podiam aceitar aquilo, uma vez que eu havia falado como alguém que tinha autoridade.
____Infelizmente, senti ressurgir minhas antigas reações para com aqueles homens religiosos. Sabia que tinham me desprezado no passado, de forma que esperava por essa rejeição. Voltei às antigas atitudes desafiadoras e isso os enfureceu por completo. Pelas minhas próprias reações humanas, atraí o desastre. E este quase aconteceu. (Ver: Posição e Pessoa de Jesus, naquele tempo)
____Os mais jovens, instigados pelos mais velhos, correram até mim e me arrastaram para o topo mais alto do penhasco a fim de lançar-me à morte, mas orei ao "Pai" para que me salvasse. De repente, ficaram tão alterados que mal sabiam o que faziam, se voltaram uns contra os outros, então pude sair do meio deles e escapar. Foi estranho. Eles pareceram não notar a minha saída.
____Muito abalado por esta experiência, consegui mandar uma mensagem para minha mãe, dizendo que estava deixando Nazaré imediatamente e indo para Cafarnaum, uma agradável cidade junto ao mar da Galileia. A princípio, pensei em juntar-me a antigos conhecidos, mas senti intuitivamente que isso não seria o correto a fazer. De modo que durante todo o caminho, e ao entrar na cidade, pedi orientação e ajuda ao "Pai" para encontrar acomodações. Eu não tinha dinheiro e não pediria esmola.
____Ao caminhar pela rua, uma mulher de meia-idade veio em minha direção. Ela carregava pesados cestos e seu rosto estava triste. Parecia ter chorado. Num impulso abordei-a perguntando onde poderia encontrar alojamento. Ela disse brevemente que normalmente me ofereceria uma cama, mas que estava com seu filho muito doente em casa. Também disse que tinha ido comprar algumas provisões para alimentar os "consoladores" que haviam se reunido para chorar a morte iminente de seu filho. Meu coração se afligiu por ela, mas também se alegrou. Prontamente tinha sido dirigido para alguém que eu poderia ajudar.

... (Ver: A primeira cura - Em Cafarnaum)

[ CARTAS DE CRISTO > Carta 2 ]

Ver também:
*