Caso de materialização de Estela Livermore
-
Crianças e Adolescentes
DESAPARECIDOS
*

____Dos casos clássicos de materialização_de_espíritos, o de Estela Livermore é, a meu ver, o que melhor pode suportar confronto com a Katie_King, embora um do outro enormemente diferindo pelas modalidades dentro das quais se realizam. Mas de qualquer maneira os constituem os dois casos mais maravilhosos desta espécie e os mais dignos de atenção, principalmente pelo excepcional período de duração durante o qual se desenrolaram. Somente o caso de Estela Livermore, embora como o de Katie King familiar a todos os que se ocupam desses estudos, é relativamente muito menos conhecido nos detalhes de realização, porque todos os escritores, que dele se têm ocupado, vão beber informações na resumida exposição que dele fez Alexandre Aksakof, em "Animismo e Espiritismo".
____Poucos investigadores tiveram o ensejo de consultar as atas originais, que foram, em sua maior parte, publicadas por Benjamim Cóleman no seu livro "Le Spiritualisme en Amérique" e quase por inteiro na revista The Spiritual Magazine (1862- 1869). Esta última revista inseriu os fac-símiles da letra medianímica de Estela em confronto com a de Estela viva (número de novembro 1862), tendo-se verificado a perfeita identidade das duas criaturas. Publicaram-se também copiosos resumos dessas sessões nos livros de Epes_Sargent, Planchette, the Despair of Science (1874) e Doutor Robert Dale Owen: The Debatable Land (1874).
____O capítulo em que este último trata do assunto adquire importância probante especial, visto Dale Owen, antes de dar-lhe publicidade, haver procurado o banqueiro Livermore, narrador protagonista dos fatos e submetido à sua revisão o capítulo que lhe dizia respeito, que depois foi ainda levado à apreciação de John F. Gray, outra testemunha ocular.
____Como o resumo aparecido no livro de Aksakof não permite se forme qualquer ideia aproximada do valor teórico dessa maravilhosa série de experiências, vou alongar-me um pouco, transcrevendo os originais do banqueiro Charles F. Livermore.
____Para aqueles que completamente ignoram o caso, direi que Charles F. Livermore era um banqueiro muito conhecido em Nova Iorque, que, em 1860, teve a infelicidade de perder a mulher. Um ano depois, céptico inveterado embora, deixou-se seduzir pelo desejo de comunicar-se, se possível, com o Espírito de sua mulher, dando início a uma série de sessões com a célebre médium Kate Fox.

  • O processo de materialização do fantasma de Estela (nome este da morta) deu-se gradualmente, de modo que só na quadragésima terceira sessão estava ela em condições de se poder manifestar visivelmente.
  • As sessões efetuaram-se em completa escuridão, mas o lugar destinado ao estudo era, em dado momento, iluminado por grandes globos luminosos, de origem supranormais, deles se ocupando outro fantasma materializado, que tinha por hábito acompanhar Estela com o fim de facilitar as materializações. Dizia-se o Espírito de Benjamin Franklin. Havia, com efeito, uma semelhança perfeita de traços e de porte entre o fantasma materializado e os retratos de Franklin.
  • As materializações de Estela tornaram-se de mais em mais perfeitas, até atingir a forma materializada uma consistência suficiente para poder suportar a luz intensa de uma lanterna_furtafogo.
  • Só raramente conseguia exprimir-se de viva voz, comunicando-se, em geral, por escrito, mas não por intermédio da médium.
  • Escrevia diretamente com a própria mão e na presença de Livermore, que para esse fim fornecia papel previamente por ele rubricado. Fazia-o comumente em francês, língua que, quando viva, falava com perfeição e que era de todo ignorada da médium. A letra guardava sempre impecável semelhança de talho e característicos com a da esposa falecida de Livermore.
    (Ver: Pneumatógrafos)

____Charles F. Livermore tomava notas minuciosas de todos os fenômenos ocorridos durante a sessão, de que lavrava uma ata. O maior número de sessões realizou-se na própria residência do banqueiro, que sistematicamente entre as suas guardava as mãos da médium durante o tempo das sessões, que, não raro, eram assistidas pelo irmão, pelo cunhado, M. Groute e pelo Doutor John F. Gray, que atestaram, por escrito, a autenticidade dessas manifestações prodigiosas, assim como a escrupulosa exatidão das atas. O número de sessões foi de 388, que se prolongaram por cinco anos consecutivos.
____Passo agora a narrar alguns episódios, começando pelos da sessão em que Estela, visivelmente, apareceu pela primeira vez.

  • 15 de abril, 1861 - Charles F. Livermore começa por uma descrição minuciosa das medidas de controle adotadas para garantir-se contra qualquer possibilidade de fraude, e continua:
    • Desde que a luz foi apagada, ouviram-se passos semelhantes aos de uma pessoa descalça e o frufru próprio da seda, ao mesmo tempo em que por meio de pequenas pancadas me era comunicado: Meu querido, estou presente em pessoa, não fale.
    • Simultaneamente por detrás de mim, formava-se a pouco e pouco, uma luz globular, que a mim e à médium permitiu ver diante de nós um rosto encimado por um diadema e, em seguida, uma cabeça inteiramente envolvida de véus brancos, que se elevava lentamente. Desde que atingiu certa altura, os véus foram tirados e então pude ver diante de mim a cabeça e o rosto de minha mulher, envolvidos de uma auréola luminosa do diâmetro aproximado de 18 polegadas.
    • A identificação da morta foi imediata e completa; à semelhança dos traços juntava-se, de modo maravilhoso, a expressão característica da fisionomia. Pouco depois o globo luminoso elevou-se e uma mão de mulher apareceu-lhe pela frente. Estas duas manifestações se repetiram por diversas vezes, como se houvesse intuito de dissipar qualquer possível sombra de dúvida.
    • O fantasma abaixou depois a cabeça sobre o globo luminoso, deixando cair sobre a mesmo uma basta madeixa, que apresentava analogia perfeita com a cabeleira de minha mulher, não só quanto à cor, como também pela abundância e comprimento. Repetidamente fizeram-na passar suavemente sobre o meu rosto e o da médium, deixando-nos a impressão de cabelos naturais. (Epes Sargent, página 57.)
  • 18 de abril, 1861 -
    • Subitamente a mesa se ergueu do solo
    • a porta foi violentamente sacudida
    • as cortinas se levantaram e se abaixaram diversas vezes
    • tudo no quarto se agitava.
    • Respondiam às nossas perguntas por pancadas retumbantes na porta, na janela e no teto, traduzindo isto, ao que nos disseram, a intervenção de poderosos Espíritos cuja presença era indispensável à predisposição do ambiente para as manifestações de ordem mais elevada. (Ver: Desdobramento em serviço)
    • Por detrás de nós começou a formar-se e a elevar-se uma substância_luminosa_semelhante_à gaze, ouvindo-se ao mesmo tempo o frufru dos tecidos de seda, enquanto um barulho semelhante à crepitação elétrica se tornava de mais em mais intenso e vigoroso.
    • Uma forma de mulher girou em torno à mesa, de mim se aproximou, tocando-me de leve...
    • Por meio das pancadas convidaram-me a olhar para além da fonte luminosa; obedecendo, vi aparecer um olho humano.
    • Logo depois, a fonte de luz se afastou, seguida da crepitação e, à proporção que se afastava, ia recuperando o esplendor que pouco a pouco havia perdido
    • volta em seguida ao lugar que antes ocupava, tornando visível uma mão de mulher, de aparência normal, ocupada em manejar a gaze, de forma já mudada, para tomar-lhe uma das pontas e suspendê-la.
    • Com um estremecimento de alegria indescritível, sob o lado suspenso da gaze vi aparecer o rosto de minha mulher e mais precisamente a fronte e os olhos, cuja expressão era perfeita. .. Desaparecia e tornava a aparecer repetidas vezes, manifestando-se de cada vez de modo mais completo, tomando uma expressão de serena beatitude.
      Pedi-lhe que me beijasse e, com grande surpresa minha, tive o prazer de ver e de sentir que ela me enlaçava o pescoço com os braços, dando-me um beijo sonoro, palpável, material, não obstante a interposição de um tecido análogo à gaze. Aproximou depois a cabeça até encostá-la à minha, envolvendo-me com sua rica cabeleira e dando-me ainda novos beijos, cujo rumor podia ser claramente ouvido.
      Nesse momento, a fonte de luz foi afastada a meia distância entre mim e a parede, distante uns dez pés mais ou menos. A crepitação acentuou-se, dando maior intensidade à luz, de modo à bem clarear o canto do quarto e a desvendar em toda a plenitude a figura de minha mulher, virada para a parede, com o braço estendido, sustendo no côncavo da mão o globo de luz que agitava de momento em momento para avivar a luminosidade que, freqüentemente, enfraquecia. Pronunciou murmurando, mas de modo muito distinto, o meu e o seu nome; aproximou-se do espelho de maneira a fazer ver a sua imagem, que nele refletia, constituindo isso, a meu ver, uma das maravilhosas provas da memorável sessão... (Epes Sargent, página 59.)
    • A seguir foi soletrado, por pequenas pancadas: Observa-me, vou levitar-me. E imediatamente, em plena luz, o fantasma elevou-se até o teto, onde permaneceu suspenso durante alguns instantes, para descer suavemente e então desaparecer...
    • SO cômodo estava iluminado de modo a se poderem discernir facilmente os pequenos veios do mármore em que pousava o espelho... (Robert Dale Owen, página 388.)
  • 02 de junho, 1861 - Pelo meio habitual ditaram: Examine cuidadosamente todos os cantos do quarto, feche a porta e coloque a chave no bolso. Tudo fez imediatamente.

    • Não havia ainda retomado o meu lugar, quando os móveis começaram a deslocar-se e a agitar-se, enquanto pancadas ressoavam em torno de nós; ruídos terríveis e prolongados, imitando roncos do trovão, sucediam-se sobre a mesa.
    • Feito silêncio, ouviu-se ligeiro sussurro e uma forma materializada se veio colocar a meu lado; senti como a sua aura penetrando-me todas as fibras do organismo. Bateu no costado da cadeira, depois no meu ombro e, debruçando-se sobre mim, pôs-me a mão sobre a cabeça e deu-me um beijo na testa, enquanto que uma espécie de tecido muito tênue me roçava o rosto. Nesse mesmo tempo um globo de luz brilhante veio interpor-se entre nós, acompanhado de uma forte crepitação. Levantei os olhos e vi diante deles o rosto de Estela iluminado pelo globo, que brilhava intensamente. O rosto se mostrava espiritualmente tão belo como nunca me foi dado ver coisa alguma na Terra. Olhava-me com uma expressão de radiosa beatitude.
    • Tirou-me das mãos uma folha de papel, que me entregou depois com uma mensagem escrita num francês de perfeita correção. Como já tive ensejo de dizer, a médium não conhecia uma só palavra de francês. (Robert Dale Owen, página 390.)
  • 18 de agosto, 1861. (8 horas da noite.) - Estou só com a médium. O ar está pesado e quente. Como de hábito, examinei cuidadosamente o quarto, fechei a porta com duas voltas à chave, que coloquei no meu bolso.

    • Meia hora de espera tranqüila e vimos surgir do solo uma grande luz esferoidal, completamente envolvida em véus, e que, depois de se erguer até à altura das nossas cabeças, se foi colocar sobre a mesa. E as pancadas ditaram: Nota que desta vez intervimos sem provocar os ruídos habituais. Todo o aparecimento de luz, com efeito, era, em geral, precedido de uma série de crepitações, de estalidos, de pancadas violentas, seguidas de movimento e transporte de objetos; desta vez o fenômeno se desenrolou dentro da mais absoluta calma.
    • Tive o pressentimento de que essa sessão se destinava a fins especiais, privando-me, por conseguinte, de qualquer manifestação da parte de minha mulher. Mal havia formulado esse pensamento e a luz se elevou, tornando-se brilhante e permitindo percebesse uma cabeça coberta de um boné branco envolto em bordados.
    • Era uma cabeça sem traços, e perguntei que significava tal aparição. Responderam-me tiptologicamente: Quando estava doente... Imediatamente compreendi! O boné era a reprodução fiel de outro muito especial que minha mulher usara durante a sua última moléstia.
    • Havia trazido comigo diversas folhas de papel, maiores que de costume, completamente diferentes das que habitualmente empregava, e marcadas de sinais especiais. Coloquei-as sobre a mesa, de onde foram retiradas para reaparecerem perto do chão, atrês ou quatro polegadas do tapete.
    • Não podia fazer uma ideia do que se passava, porque não estava iluminada senão a superfície da folha de papel e mais umas três ou quatro polegadas de cada lado, todo o espaço iluminado não medindo mais que um pé de diâmetro. Inesperadamente veio pousar, sobre esta folha, mão imperfeitamente conformada, que tinha entre os dedos a minha pequena lapiseira de prata; começou a mão a mover-se lentamente sobre a folha, da esquerda para a direita, como quem escreve; quando chegava ao fim da linha, voltava a começar outra.
      Pediram-nos que não observássemos com demasiada insistência o fenômeno, mas por pouco tempo de cada vez, a fim de, com os nossos olhares, não perturbarmos a força em ação. Como o fenômeno, porém, se prolongou por quase uma hora, essa recomendação não impediu pudéssemos observá-lo de modo perfeito. A mão que escrevia não ficou normalmente conformada senão por algum tempo, reduziu-se depois a um amontoado de substância escura, de tamanho um pouco menor que a de uma mão normal; continuava, todavia, a dirigir o lápis e quando chegava ao extremo inferior da folha a virava, continuando a escrever no verso. Terminada a manifestação, as folhas que eu havia fornecido marcadas me foram devolvidas cobertas pelos dois lados de uma letra corrente e miúda. (Ver: Pneumatógrafos)
      ...E claro que em tais circunstâncias não havia qualquer possibilidade de fraude; eu apertava entre as minhas as duas mãos da médium; a porta estava fechada e a chave no meu bolso, tendo eu tomado previamente todas as precauções possíveis. (Epes Sargent, página 62.)
  • 26 de agosto, 1861 -
    • Logo que entramos no quarto, a forma de Estela apareceu. Imóvel, permaneceu no meio do aposento, enquanto uma luz espiritual girava rapidamente em seu torno e dela muito próxima, iluminando mais especialmente ora o rosto, ora o pescoço, ora a nuca, no intuito evidente de bem fazer-nos ver essas partes do corpo. Enquanto assim a contemplávamos, a onda dos seus cabelos lhe invadiu o rosto e ela a afastou com as mãos, por diversas vezes. Tinha os cabelos ornados de rosas e de violetas. Foi a mais perfeita das suas manifestações; aparecia nítida e natural qual quando viva...
  • 4 de outubro, 1861 -
    • Pancadas de rara violência no assoalho, estremecendo a casa até os alicerces. Quando cessaram, vimos aparecerem os fantasmas materializados de minha mulher e de Franklin. Ambos a mim vieram este, aplicando-me pancadinhas amigáveis no ombro; aquela, acariciando-me o rosto.
    • Estávamos no escuro, mas as crepitações elétricas fizeram-se ouvir e imediatamente a luz brilhou de novo, permitindo-me ver em pé a figura de um homem alto e robusto. A meu pedido esse fantasma passeou pelo quarto, apresentando-se a meus olhos em posições diferentes e muito nitidamente.
    • Seguiu-se a vez de minha mulher, que se manifestou em plena claridade e em toda a sua beleza. Planava, atravessando assim o quarto; passou pertinho da mesa, que roçou com as abas do seu vestido branco, fazendo mesmo cair por terra às folhas de papel, os lápis e outros pequenos objetos que sobre a mesma se achavam.
    • Algumas vezes a vimos vendar o rosto com o tecido medianímico; outras, sacudindo-lhe para frente às abas flutuantes. Fez-nos ver e apalpar o tecido, que me pareceu de natureza muito delicada; colocou-o depois sobre a mesa e por trás dele a fonte luminosa, de modo à bem podermos examinar o tecido, muito semelhante ao de uma teia de aranha; dir-se-ia que o sopro seria suficiente para desfazê-lo. Repetiu por diversas vezes a experiência e, finalmente, fez passar sobre meu rosto os bordos do vestido ondulante, que me pareceu consistente. Cada vez que o tecido medianímico de nós se aproximava, sentíamos emanações de um perfume muito puro, lembrando o feno fresco e a violeta. (Sargent, página 65.)
  • 10 de novembro, 1861 -
    • Mal nos havíamos assentado, as pancadas ditaram: Desta vez conseguiremos. Pouco depois, minha mulher apareceu.
    • Dando-me de leve com a mão no ombro, informou-me de que estava ocupada em ajudar Franklin. Este apareceu imediatamente, deixando-se pela primeira vez ver-lhe o rosto.
    • Um outro fantasma materializado, trazendo em uma das mãos a luz, mantinha-se ao meu lado e projetava-lhe a luz diretamente sobre o rosto.
    • Toda a minha perplexidade, a respeito da identidade de Franklin, desapareceu como que por encanto. Onde quer que esta fisionomia se me apresente, tê-la-ia, sem sombra de hesitação, nela reconhecido o de Franklin, cujos traços tinha vivos na mente, por muito lhe haver visto o retrato original.
    • Deverei mesmo acrescentar que a grandeza do seu caráter ressaltava muito mais da expressão viva do rosto do fantasma que daquele seu retrato, que evidentemente não a poderia traduzir.
    • Trazia roupa parda talhada à antiga e gravata branca.
    • A cabeça era vigorosa e alvos cachos lhe ornavam as têmporas.
    • Sua figura deixava transparecer a bondade, a inteligência, a espiritualidade; tinha a aparência de um homem carregado de anos, de dignidade, de solicitude paternal, a quem qualquer pessoa se sentiria bem de recorrer para obter conselhos inspirados na sabedoria e na bondade...
    • Apresentou-se por diversas vezes: duas delas aproximou-se de tal moda que permitia se visse até
      dentro dos próprios olhos.
    • Minha mulher apareceu três vezes vestida de branco e cercada de flores; sua figura, verdadeiramente Angélica, traduzia uma expressão de calma e felicidade celestiais. (Sargent, página 67.)
  • 12 de novembro, 1861 -
    • Ouvimos a crepitação e a luz tornou-se logo brilhante, permitindo víssemos diante de nós, assentado à mesa, o fantasma materializado de Franklin, cuja sombra se projetava na parede, exatamente como a de uma pessoa viva. Guardava uma posição digna, o corpo ligeiramente enviesado sobre o espaldar da cadeira, braços descansando sobre a mesa. De tempos em tempos inclinava-se para nós, examinando-nos com seu olhar profundo e penetrante; os longos cachos brancos acompanhavam-lhe os movimentos.
      Pediu-nos fechássemos os olhos um instante. Quando de novo os abrimos, vemo-lo de pé sobre a cadeira de onde, qual uma estátua, nos dominava. Desceu em seguida, tomando o seu lugar anterior, enquanto ruídos de toda a sorte partiam de diversos pontos do quarto, o que aliás se dava a cada um dos seus movimentos.
      Informou-me de parte de minha mulher que um fantasma iria entregar a Franklin um bilhete para mim. (Devo esclarecer que, no correr das manifestações que estou descrevendo, dois outros fantasmas, vestidos de tecido branco, concorriam, de modo visível, para a produção dos fenômenos; um deles era o que trazia a luz.) Vi, com efeito, um fantasma aproximar-se de Franklin, para ele estender a mão em que trazia a folha de papel, colocá-la sobre os seus joelhos, para tirá-la, em seguida, e entregar-lhe diretamente.
    • A força em ação era grande e tal permaneceu durante toda à noite, permitindo ao meu silencioso visitante permanecer materializado e assentado diante de mim durante uma hora e um quarto, seguidamente. (Sargent, página 67.)
  • 29 de novembro, 1861 -
    • Além da médium_ Katie Fox e de mim, meu irmão assistiu à sessão.
    • Condições desfavoráveis; uma tempestade com chuva e relâmpagos desencadeou-se no momento.
    • Feitas a escuridade, vêm surgir do chão uma grande luz espírita. Calcei-me de uma luva e meu irmão fez outro tanto. A luz então se veio colocar no côncavo da minha mão enluvada; foi-me assim dado constatar que uma mão de mulher nela se encontrava. Como viesse a mim diversas vezes, tive ensejo de segurar e apalpar atentamente essa mão espírita em todo o seu tamanho. Note-se que com a outra segurava as duas da médium.
    • O filhinho falecido do meu irmão manifestou-se em seguida; chegou-lhe a vez de me apertar à mão, que foi segura pouco depois por uma outra de grande tamanho, verdadeira mão de homem, provavelmente a de Franklin, que apertou a minha e a sacudiu tão vigorosamente que todo o meu corpo foi abalado. Todas essas mãos apertaram também a do meu irmão. Não devemos deixar de notar que, no mesmo espaço de alguns minutos, três mãos, diferentes em forma e dimensão, vieram sucessivamente colocar-se nas nossas, de modo a nos permitir identificá-las;
      • a primeira, de mulher
      • a segunda, de um menino
      • a terceira, de um homem adulto e robusto; cada qual, espectivamente, caracterizado pela delicadeza, pela fragilidade e pela força.
    • A meu pedido, a porta de dois batentes se abriu completamente e se fechou por diversas vezes, com extraordinária violência. (Sargent, página 68.)
  • 30 de novembro, 1861 - Sessão em minha casa. Os mesmos cuidados de sempre. Condições favoráveis; tempo frio e lindo.

    • Feito escuro, ouviram-se logo pancadas fortes sobre a mesa, seguidas da crepitação elétrica, mas nenhuma luz apareceu.
    • Esta noite conseguiremos, disseram-nos.
    • Em dado momento, pediram-me fósforos e convidaram-nos a fechar os olhos. Tirei do meu bolso um fósforo de cera e, estendendo o braço, depositei-o sobre a mesa. Imediatamente uma mão o tomou e, riscando-o três vezes na mesa, conseguiu acendê-lo. Abrimos os olhos; o fósforo de cera iluminava perfeitamente o quarto; diante de nós estava Franklin, de joelhos, por detrás da mesa, que a sua cabeça suplantava, mais ou menos, de um pé. Nós o contemplamos enquanto o fósforo durou; o fantasma desapareceu de repente.
    • Por pancadas_na_mesa, ditaram-nos, então: Meus queridos filhos, depois desta última prova, será possível que o mundo ainda duvide? Para convencê-lo é que assim trabalhamos. - Benjamin Franklin. E imediatamente depois: - Meu querido, como estou contente! – Estela.
    • Entregaram-me em seguida uma folha de papel em que ,estava escrito: Esta sessão, de todas, é a mais importante. Experimentamos muitas vezes e tivemos de renovar constantemente os nossos esforços antes de conseguir o que acabais de ver; felizmente, foram eles coroados de êxito. Para demonstrar que sou uma criatura absolutamente como vós, bastou-me desta vez esfregar um fósforo; mas quantas tentativas antes de conseguir manifestar-me à luz terrestre! Enfim, as dificuldades foram vencidas! - B.Franklin. (Sargent, página 69.)
  • 12 de dezembro, 1861 - Sessão em minha casa.

    • Tinha-me prevenido de uma lanterna furta-fogo, na qual havia adaptado um obturador munido de regulador, de modo a poder projetar, à vontade, um círculo de luz no diâmetro aproximado de dois pés sobre a parede, numa distância de dez pés. Coloquei a lanterna acesa e aberta sobre a mesa e tomei, nas minhas, as mãos da médium. Imediatamente a lanterna foi suspensa, e nós convidados a segui-la. Era ela conduzida par um Espírito que nos precedia e do qual víamos nitidamente a forma inteira se desenhar, envolta em véus brancos cujos extremos arrastavam pelo chão. Depositou a lanterna sobre a escrivaninha; paramos também. Achávamo-nos em frente à janela existente entre a escrivaninha e o espelho. A lanterna elevou-se, de novo, erguendo-se, entre a escrivaninha e o espelho, a uma altura aproximada de cinco pés, de onde projetava toda a luz sobre a janela, permitindo víssemos a figura de Franklin, assentado na poltrona.
      Durante dez minutos e sem interrupção, o feixe de luz projetado pela lanterna iluminou-lhe a fisionomia e o corpo inteiro, de tal maneira que pudemos examiná-lo à vontade.
      Seu semblante traduzia indizível contentamento e a maior naturalidade, bem como o cabelo e os olhos que brilhavam de vida.
    • Não tardei, porém, a notar que o fantasma se ressentia grandemente da influência dissolvente da luz terrestre; os olhos perderam o brilho, e os traços a vivaz expressão que sempre tinham, quando os contemplava à luz espiritual.
    • Por mais de uma vez pediram-me que acionasse o regulador da lanterna, de modo a deixar passar mais, ou menos luz; fazendo-o, tive o ensejo de constatar que a lanterna estava suspensa no ar, sem qualquer ponto de apoio.
    • Finda esta manifestação, encontramos sobre a mesa uma folha de papel onde estava escrito: Isto ainda, meus filhos, é para o bem da Humanidade. Apenas com esse fim, esforço-me e trabalho. - B. Franklin. (Robert Dale Owen, página 394.)
  • 23 de janeiro, 1862 -
    • Em frente à porta apareceu minha mulher, toda vestida de branco e envolta de um véu transparente... Tinha na fronte uma coroa de flores.
      A luz espírita projetava o facho luminoso sobre todo o seu corpo, iluminando-o completamente; olhávamos para ele, com vivo interesse e prazer, quando de repente desapareceu, rápido como o pensamento, produzindo um ruído semelhante ao silvo do vento.
    • Ditaram-nos: "Esta noite a saturação elétrica é grande. Aproveitei-a para mostrar-vos a celeridade com que podemos desmaterializar-nos.
    • Um instante depois, reapareceu em seu aspecto natural e consistente como dantes. (Sargent, página 71.)
  • 15 de fevereiro, 1862 - Atmosfera úmida e desfavorável. Além da médium, comigo assistia à sessão o meu cunhado, M. Groute, a quem a reunião havia de modo especial sido consagrada.

    • Pedi demonstrações de força e sem demora recebemos a seguinte mensagem: Atenção! Ouvi-o; ele chega rapidamente. Retirem da mesa as vossas mãos.

      • E, imediatamente, ouvimos espantoso rumor metálico, fazendo estremecer a casa de lado a lado. Era como se um pesado monte de correntes fosse jogado do alto, com enorme violência sobre a mesa. O mesmo barulho por três vezes se repetiu, mas com força decrescente.
      • Depois disto, uma grande mesa de mármore, muito pesada, começou a caracolar pelo quarto;
      • uma grande caixa fez outro tanto.
      • Um guardachuva, colocado sobre a mesa, pôs-se a dar voltas, como que voando pelo quarto, tocando ora num ora noutro, parando, finalmente, nas mãos do Senhor Groute.
    • Tais manifestações tinham certamente por fim convencer o incrédulo, recém-vindo, da realidade da existência de um poder invisível. E o fim foi atingido, pois meu cunhado havia , tomado todas as precauções para se prevenir contra um possível embuste; entre outras, a de selar a porta e a janela. (Sargent, página 73.)
  • 16 de fevereiro, 1862 -
    • Pelo fim da sessão, o espírito materializado de Benjamin Franklin escreveu o que se segue, em uma folha de papel: "Meus filhos. - Neste momento as nossas armas acabam de obter uma grande vitória." No dia seguinte, tivemos notícia de que, de fato, no correr da noite, o Exército federal havia enfim tomado de assalto o Forte Donaldson, sobre o rio Tennessee. (Sargent, página 75.)
  • 22 de fevereiro, 1862 - Atmosfera úmida; condições desfavoráveis.

    • Depois de cerca de meia hora de espera, uma luz cilíndrica e muito brilhante, envolvida em véus, como de costume veio pousar sobre a mesa; perto dela apareceu uma haste com duas rosas abertas, um botão e folhas. Flores, botão, folhas e haste eram de rara perfeição. As rosas foram-nos dadas a cheirar; achei-as perfumadas como as rosas naturais são, ao ser colhida; o perfume era mesmo mais suave e delicado. Foi-nos permitido tocá-las, aproveitando então eu para delas fazer minucioso exame. Cuidado! Tenha a máxima precaução", disseramme.
      Notei que a haste e as folhas estavam um tanto viscosas e, como perguntasse o motivo, disseram-me que era devido às condições de umidade e impureza da atmosfera. O galho era mantido sempre perto e às vezes por cima da luz, que parecia ter a propriedade de transmitir-lhe vitalidade e substância, como se o alimentasse; o mesmo poder parecia conferido à mão que o segurava.
      Já havia observado, aliás, que todas essas criações espíritas parecem formar-se e conservar-se à custa das reservas elétricas contidas no globo luminoso, pois ao menor indício de perda ou de enfraquecimento de consistência, levavam-nas para perto da fonte luminosa e, como que por encanto, recuperavam a seiva e a vitalidade perdidas.
    • Pelo meio habitual, disseram-nos:
      • "Vede como se vão dissolver rapidamente." E logo as flores começaram a murchar, dobraram-se sobre a haste e fundiram-se como cera que se chegasse ao fogo, assim desaparecendo tudo do mimoso galho, em menos de um minuto.
      • "Elas vão tornar a vir" e imediatamente apareceu diante do cilindro um filamento branco, que rapidamente se desenvolveu em forma de galho; as folhas reconstituíram-se, depois o botão e em seguida as rosas, tudo de uma maneira perfeita e em tempo igual àquele em que se deu a dissolução. O fenômeno repetiu-se algumas vezes, oferecendo um espetáculo maravilhoso.
    • Prometeram reproduzi-lo à luz do gás, quando as condições atmosféricas permitissem. (Sargent, página 75.)
  • 25 de fevereiro, 1862 -
    • Além da médium Kate_Fox, assistia comigo á sessão o Senhor Groute.
    • O quarto em que se faziam às sessões era contíguo a outro muito menor, ao qual se chegava por uma porta de corrediça. A porta que conduzia aos dois aposentos bem como as janelas foram cuidadosamente seladas pelo Senhor Groute...
    • Feito isto e bem revistados os dois quartos, uma luz brilhante surgiu do chão, permitindo a mim e à médium víssemos a forma de um fantasma de homem, de pé, junto a nós. Não conseguimos, desde logo, identificá-lo, devido à grande quantidade de véus que lhe envolviam o rosto, mas pouco depois pudemos nitidamente discernir os traços bem conhecidos de Franklin.
    • Groute não havia tido ainda permissão de se aproximar; mas como as condições de força começassem a melhorar, ou antes, como os efeitos inibitórios de sua presença houvessem sido suplantados em parte, disseram-lhe: Caro amigo, agora pode vir ver. Groute aproximou-se então, achando-se assim, por sua vez, em presença do fantasma... Embora a luz não estivesse tão boa como habitualmente, ele pôde ver bastante para verificar que os traços do fantasma correspondiam em tudo aos de Franklin, de acordo com o retrato original que conhecia também. Com efeito, mesmo nas condições de luz em que então nos achávamos, os olhos, os cabelos, os traços, a expressão fisionômica, ao mesmo- tempo que uma parte dos véus de que se vestia o fantasma, eram nitidamente discerníveis.
    • O abaixamento repentino da luz, todavia, havia sido grande, devido à presença contrariante de Groute; observação curiosa e instrutiva ao mesmo tempo.
    • Quando Groute estava no quarto contíguo, a luz brilhava como de costume, mas enfraquecia a proporção que ele se aproximava, do mesmo modo que readquiria o brilho habitual se ele novamente se afastava. Este interessante fenômeno demonstra que a natureza de uma pessoa viva exerce influência direta sobre essas criações do mundo invisível, influência que age, às vezes, como elemento perturbador e neutralizante, sem que para tal seja necessária mais do que a sensação de surpresa, de receio ou de outra qualquer emoção decorrente de uma insuficiente familiaridade com os fenômenos medianímicos. (Sargent, página 77.)
  • 3 de novembro, 1862 -
    • Estela apareceu com o rosto velado pelos cabelos em desordem; para ver-he a fisionomia tive de afastá-los com as minhas mãos.
    • Elevou-se depois lentamente até que os pés atingissem a altura da minha cabeça, sobre a qual tocou, enquanto as abas do vestido flutuante me roçavam pelo rosto e pela cabeça. (Robert Dale Owen, página 395.)
  • 21 de outubro, 1863 -
    • Havia-me munido, esta noite, da lanterna furta-fogo, e, logo que a forma materializada de Estela apareceu, projetei sobre ela toda a luz.
    • Estela estremeceu ligeiramente, mas quedou-se imóvel, deixando-me dirigir-lhe o facho luminoso sobre o rosto, sobre os olhos, peito, vestimenta, enfim, por toda parte. Depois de haver-me deixado convenientemente examiná-la, desapareceu subitamente, ditando-me, em seguida: Só vencendo grandes dificuldades, consegui permanecer materializada durante esse tempo. (Robert Dale Owen, página 396.)

____Relativamente a Groute, eis como Robert Dale Owen resume a ata de duas sessões a que assistiu, como testemunha:

  • Presente à sessão de 28 de fevereiro de 1863 (número 346), o Senhor Groute segurava as mãos da médium.
  • Fechado o gás, Livermore sentiu-se empurrado por uma mão de grande dimensão, para o divã
  • ergueu-se a luz do chão, deixando ver, por cima do divã, a figura de Franklin. Tão bem como os demais, Groute a pôde ver e logo se convenceu de que efetivamente se tratava de uma forma humana viva; correu à porta para se certificar de ter sido ela ou não aberta. Voltou depois a contemplar a forma, cujas vestes pôde apalpar.
  • Seu cepticismo, porém, era exagerado e, uma semana mais tarde, manifestou desejo de assistir a outra sessão, a fim de tirar as coisas a limpo. Quis ele mesmo fechar as portas e as janelas e, ao fazêlo, resmungava estar disposto a não mais se deixar embrulhar.
    Desta vez a forma de Franklin apareceu muito mais nítida ainda, segurando ele mesmo no côncavo da mão a luz com a qual se iluminava, como se quisesse mostrar, ao incrédulo Tomé, que ele era o mais interessado em fornecer-lhe os meios de bem poder examiná-lo de um modo satisfatório.
  • Groute, que desde o começo da sessão segurava com as suas as mãos da médium Kate Fox as de Livermore, aproximouse do fantasma, viu-o bem, tocou-o e, como o apóstolo Tomé, declarou-se finalmente convencido. (Owen, página 393.)

____O Doutor Gray relatou-me esta outra observação, muito interessante.

  • Durante uma das últimas manifestações de Franklin, este se apresentou, a princípio, com o rosto imperfeitamente formado, de modo que parecia ter apenas uma das vistas; em lugar da outra e de parte da face existia uma cavidade informe, que dava à fisionomia um aspecto horrível.
  • Kate Fox, a médium, ficou tão impressionada que não se pôde conter e deu um grito, o que provocou a extinção imediata da luz que iluminava o local.
    Tolinha, exclamaram o Doutor Gray, tomandolhe as mãos, não compreendes que assim atrapalha a mais interessante das experiências, a da gradual materialização de um Espírito?
  • Essa interpretação filosófica do fenômeno teve a virtude de acalmar um pouco a moça, dissipandolhe o pavor supersticioso.
  • Cinco minutos depois, a figura de Franklin de novo apareceu, mas desta vez perfeita e com tal expressão de calma, de dignidade e de bondade no olhar, que a médium foi a primeira a exclamar: "ó, como é belo!" (Date Owen, página 407.)

____Suspendo aqui, não sem verdadeiro pesar, as citações extraídas do relatório, teoricamente muito importante, do Senhor Livermore.

____...Contentar-me-ei agora de enumerar as provas admiráveis de identificação pessoal, fornecidas pela entidade materializada de Estela.
____Faço, portanto, notar que a personalidade medianímica, aqui apreciada, conseguiu demonstrar a sua identidade, recorrendo às melhores provas de que possa dispor uma personalidade de defunto que se manifesta, ...

  • mostrando-se durante certo número de anos sob a mesma aparência que tinha quando viva
  • escrevendo centenas de mensagens com identidade de letra
  • exprimindo-se em língua estrangeira que lhe era familiar quando viva, mas desconhecida da médium
  • revestindo suas ideias de uma forma nitidamente pessoal e acrescentando a tudo isto provas avulsas, de natureza altamente sugestiva, como, por exemplo, a da reprodução materializada do boné ornado de bordados, que usara durante a moléstia que a vitimou
  • reforçando, enfim, as provas de identificação pela produção de fenômenos prodigiosos, destinados a provar a intervenção real de personalidades espirituais estranhas aos assistentes.

____O fantasma materializado de Benjamin Franklin não interveio no caso, com o fim de identificação pessoal, mas tão-somente para contribuir no êxito das manifestações de Estela, utilizando esta mesma energia elétrica que ele havia profundamente estudado, quando vivo. Ainda mesmo assim, esse fantasma reproduziu o porte e os traços característicos daquele que se dizia ser.
____Convém notar o fato impressionante de o Espírito de Franklin, depois de haver conseguido fazer-se ver à luz de um fósforo, isto é, à luz terrestre, tão nociva às formas materializadas, haver transmitido a seguinte mensagem: "Meus queridos filhos, depois desta última prova, poderá o mundo duvidar ainda?é só para convencê-lo que tanto trabalhamos".
____Em outra ocasião, depois de haver permitido que o feixe luminoso da lanterna furta-fogo fosse sobre si projetado em cheio, a ponto de desintegrá-lo rapidamente, ditava esta outra mensagem: "Isto também, meu filho, é para o bem da Humanidade apenas com esse fim que emprego a minha atividade e o meu trabalho".
____Que tristes considerações essas nobres palavras sugerem! Elas nos mostram, com efeito, que o fantasma materializado de Benjamin Franklin, desde o ano de 1861, julgava que as provas por ele fornecidas, em apoio da sobrevivência do espírito humano, deviam bastar para arrancar dos vivos toda e qualquer sombra de dúvida relativamente ao futuro no Além; acrescentava que, juntamente com outros Espíritos, se sujeitava à árdua tarefa de se manifestar e de se materializar, apenas com o fim de fornecer ao mundo essas provas capitais. E não há negar. A série impressionante dessas inumeráveis experiências, que se prolongaram pelo espaço de cinco anos, devia racionalmente bastar como prova experimental da sobrevivência do espírito humano. Mas sessenta e cinco anos se escoaram já depois delas e, não somente o mundo, por desgraça sua, ainda não se deu por convencido, como mesmo no
____Círculo das pessoas que estudam as manifestações_metapsíquicas, a discussão, a desinteligência e a discórdia imperam como dantes. E fatos tão maravilhosos como os fornecidos pelo Espírito de Benjamin Franklin rapidamente se acumulam, uns após outros!
____Devemos concordar ter Franklin confiado demais nas faculdades de raciocínio do homem, sem se haver lembrado que muitas vezes, a tolher-lhe a inteligência, estavam a névoa das ideias preconcebidas e o misoneísmo que caracteriza principalmente os homens de ciência, ...

  • misoneísmo que os predispõe a acolherem sempre qualquer hipótese absurda e gratuita que se harmonize com os seus preconceitos
  • e a cegamente repudiarem uma verdade manifesta e incontestável quando em contraste com aqueles mesmos preconceitos inveterados.

____Franklin não teve na devida conta aquilo que se chama credulidade dos incrédulos, credulidade infinitamente mais cega e tenaz do que a credulidade dos simples. Para combatê-la, para vencê-la não bastam os fatos, como não bastam os processos científicos, nem a análise comparada, aplicada o grande número de casos, nem a convergência admirável de todas as provas. Só a obra do tempo poderá deles triunfar. A dramática história de todos os precursores, de cem modos diversos, o demonstra. Dentro de um século a Humanidade reconhecerá, sem mais discutir, a grande verdade que tantos amargores custa hoje aos que a defendem.

[105 - páginas 151 / 167] - Ernesto Bozzano


Benjamin Franklin
Espírito que trabalhou neste caso de materialização, junto com o Espírito de Estela Livermore e outros.

____

Benjamin Franklin (Boston, 17 de Janeiro de 1706 --- Filadélfia, 17 de Abril de 1790) foi um jornalista, editor, autor, marçom, filantropo, abolicionista, funcionário público, cientista, diplomata, inventor e enxadrista ianque e muito conhecido pelas suas muitas citações e pelas experiências com a eletricidade.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Benjamin_Franklin

____Ver:

____Foi em 1871 que, graças à generosidade de Mr. Charles F. Livermore, eminente banqueiro de New York, Kate_Fox visitou a Inglaterra. Era um sinal da gratidão do banqueiro pela consolação que havia recebido de sua força maravilhosa e um apoio para o progresso do Espiritismo. Ele proveu todas as suas necessidades e assim evitou que ela tivesse de recorrer ao trabalho remunerado. Também providenciou para que ela viesse acompanhada por uma senhora com quem tinha afinidade.
____Numa carta a Mr. Benjamin Coleman (2), conhecido trabalhador do movimento espírita, assim se exprime Mr. Livermore:

  • “Vista de um modo geral, Mrs. Fox é, sem a menor dúvida, o mais maravilhoso médium vivo. Seu caráter é irrepreensível e puro. Recebi, através de seus poderes_mediúnicos, durante os últimos dez anos, tanta coisa consoladora, instrutiva e fulminante, que me sinto muitíssimo obrigado e desejo cercá-la de todos os cuidados enquanto ausente de casa e dos amigos.”

____Suas observações posteriores como que encerram um pressentimento dos últimos tristes acontecimentos de sua vida:

  • “Para que você compreenda melhor as suas idiossincrasias, permita-me explicar que ela é uma sensitiva da mais alta classe e de uma simplicidade infantil; ela sente intensamente a atmosfera de cada criatura com quem se põe em contacto e a tal ponto que por vêzes fica excessivamente nervosa e aparentemente caprichosa.
  • “Por essas razões eu a preveni para que não participasse de sessões no escuro, evitasse a irritação proveniente da sus­peita dos cépticos, dos simples curiosos e dos apreciadores do maravilhoso.
  • “A perfeição das manifestações que se podem obter por seu intermédio depende do seu ambiente e, na medida de sua relação ou simpatia com os outros, parece receber a força espiritual. As comunicações por seu intermédio são muito notáveis e me têm chegado com freqüência de minha espôsa (Estelle) em perfeito francês, e às vêzes em espanhol e italiano, muito embora ela desconheça êsses idiomas. Você compreende isto; mas essas explicações serão necessárias para outros. Como disse, ela não fará sessões como profissional. Assim espero que ela fará todo o bem possível em favor da grande verdade de um modo suave, enquanto se encontra na Inglaterra”.
    (2) The Spiritual Magazine, 1871, páginas 525-6.

[107 - página 92 / 93] - ARTHUR CONAN DOYLE - Escritor, criador de Sherlock Holmes.

Ver também:
*