Festas Cristãs
página acima

-
Crianças e Adolescentes
DESAPARECIDOS
*

____Guiada pela angélica influência, a Igreja_que_traz_o_nome_do_Cristo recolheu os germens de verdade que a sua vida simbolizava, mas essas ideias envelhecidas perderam já seu principal poder.
____As três ramificações da Igreja do Cristo estão de acordo para celebrar festas, em memória de certos acontecimentos da sua vida. Aqueles que, fora da Igreja, recusaram conservar o jejum e as festas não são prudentes; separam-se de uma fração de verdade. Mas a Igreja cristã conserva, em recordação do seu chefe,...

  • o Natal,
  • a Epifania,
  • a Quaresma,
  • a Páscoa,
  • a Ascensão
  • e o Pentecoste, cada uma delas representando um acontecimento da vida de Jesus, que tem uma significação espiritual oculta.

    • O Natal celebra o nascimento do espírito cuja encarnação simboliza o amor e a abnegação. O espírito sublime encerra-se na carne, devota-se animado pelo amor. É para nós a festa do esquecimento de si.
    • A Epifania, representação da nova luz no mundo, é para nós a festa da compreensão espiritual. Ela não proporciona a cada um essa verdadeira luz, mas esplende bastante alto para que todos possam vê-la e ir até ela.
    • O jejum da Quaresma significa perante nós os esforços da Verdade para vencer as trevas, e a Sexta-feira Santa a festa do amor, triunfando pelo sacrifício.
    • Já falamos com mais altivez sobre a Páscoa.
    • O Pentecoste, associado pelo Cristianismo ao batismo do espírito, tem para nós uma grande importância; simboliza a vasta expansão da verdade espiritual sobre aqueles que procuravam imitar a vida de Jesus. Essa festa é o complemento da Sexta-feira Santa. A ignorância humana esmaga a verdade que não pode compreender, mas uma bênção desce do alto domínio do espírito sobre quantos abraçaram a vida dAquele que o mundo sacrificou. É a comemoração do espírito espalhada em rios, de graças mais abundantes, da verdade mais imponente.
    • A Ascensão é a festa da vida completada; da_volta_do_Espírito_à_sua_morada, da sua ruptura final com a matéria. Ela fecha a série da qual o Natal marca o começo. É o fim, não da vida, mas da vida terrestre, não o termo de uma existência, mas do espaço do tempo consagrado à Humanidade pelo amor e pelo devotamento. é a festa da obra concluída.

____Se é preciso destruir, é preciso também conservar. Quisemos completar o ensino que recebestes mostrando-vos as ideias espirituais ocultas sob as festas aniversárias da vossa Igreja. Do mesmo modo como o Cristo, o Salvador dos homens, libertou a verdade do jugo da ignorância e da superstição judaica, salvamo-la hoje do peso esmagador da teologia humana. Como Ele, grande curador das nações que quebrou os grilhões às almas progressistas e libertou-as do domínio do mal espiritual, emancipamos o espírito dos laços do dogma humano e fazemos pairar a verdade libertada de maneira que os homens a vejam e reconheçam que ela vem de Deus.

  • O Natal: abnegação, sacrifício.
  • A Epifania: compreensão espiritual.
  • A Quaresma: conflito espiritual.
  • A Sexta-feira Santa: amor triunfante.
  • A Páscoa: a vida revelada.
  • O Pentecoste: a difusão do Espírito.
  • A Ascensão: a obra acabada.

[108 - páginas 248/250] - Médium: William Stainton Moses - (1839 - 1892)

*